Existiu um concílio de Jâmnia?

Deuterocanônicos
Typography

Objeção

 

No final do primeiro século, os judeus se reuniram no Concílio em Jâmnia (também conhecido como Jabné ou Yabneh) para discutir o cânon das Escrituras. Deste Concílio, os rabinos elaboraram uma lista oficial dos livros sagrados, que é idêntico ao cânon judaico / protestante.

Resposta: Infelizmente, essa curta objeção sofre de várias imprecisões e exageros que a melhor maneira de responder é fornecer aqui uma descrição do real “concílio” de Jâmnia.

Após a queda de Jerusalém para os romanos em 70 d.C, Rabban Jonathan ben Zakkai perguntou o general romano Vespasiano, que foi bem disposto ao rabino desde que foi conhecido que ele apoiou a paz com os romanos, para poupar a cidade de Jâmnia e seus eruditos rabinos.[1] A permissão foi concedida e a escola criada nos “vinhedos de Jâmnia[2]. Os problemas que enfrentou a nova escola eram sérios. A destruição do Templo de Jerusalém, tornou impossível continuar com os sacrifícios prescritos exigidos no Antigo Testamento. Judaísmo precisava fazer uma mudança radical de uma religião de culto (sacrifício e Templo centrado) a uma “religião do Livro”. Esta mudança, combinada com o crescimento do cristianismo (especialmente o seu uso do Antigo Testamento grego  para o evangelismo), desde o judaísmo com a ocasião para abordar a questão do cânon das Escrituras.[3] A informação que chegou até nós sobre esta atividade canônica é fragmentária e, certamente, aberta a conjecturas.

Note que o nosso opositor chama este corpo de “concílio Jâmnia”. Jâmnia não era um concílio, no sentido do concílio de Trento ou o Concílio de Nicéia, foi ao invés uma escola rabínica. A idéia de um “concílio” penetrou no vocabulário de todos através dos escritos do famoso historiador judeu H. Graetz, que foi o primeiro a chamar a Jâmnia um “sínodo”.[4] Cristãos interpretaram o “sínodo” de Graetz como um concílio. No entanto, a palavra concílio implica algumas características que Jamnia não possui. Por exemplo, ao contrário de um concílio cristão, não houve votação, nem promulgação de decretos formais. Em vez disso, Jamnia durou vários anos, e seus pareceres significativos foram preservadas em parcelas nos escritos judaicos mais tardios. É difícil saber exatamente o que havia Jâmnia para o judaísmo como um todo. De certa forma, atua como o órgão competente do Sinédrio embora nunca tomasse para si esse nome.[5] Portanto, não é correto falar sobre o “Concílio de Jâmnia”, a descrição mais precisa seria uma escola rabínica.[6]

Jâmnia nunca publicou ou promulgou uma lista de livros do cânon nem discutir o cânon como um todo. A maioria dos debates eramsobre o livro de Eclesiastes e, possivelmente, do Cântico dos Cânticos.[7] Mesmo assim, não há evidências de que as decisões desta escola foram autoritativas para a população judaica em geral.[8] Na verdade, as disputas rabínicas sobre a inspiração de certos livros (por exemplo, Eclesiástico e outros) persistiram ao longo dos primeiros três séculos cristãos. Por esta razão, o estudioso protestante F.F. Bruce sabiamente adverte contra que a assembléia de Jâmnia “fixou os limites’ do cânon do Antigo Testamento.[9]

Como a teoria de dois cânones, a teoria Jamnia tem caído em tempos difíceis. Como o estudioso judeu Sid Leiman conclui:

A opinião generalizada de que o Concílio de Jâmnia fechou o cânon bíblico, ou que canonizou os livros, não é suportada pela evidência e não precisam mais ser levada a sério."[10]

Se houvesse um candidato para um fechamento autoritário do cânon do Antigo Testamento no primeiro século d.C, Jamnia provavelmente seria ele. No entanto, não há nenhuma evidência de que nele ocorreu um fechamento presente no início da vida desta escola.

© 2004 por Gary Michuta. Todos os direitos reservados. Este material possui direitos autorais. Nenhuma cópia, distribuição ou reprodução (eletrônico ou não) é permitida sem a autorização expressa do proprietário dos direitos autorais.

 

[1] Ver A Enciclopédia de sábios talmúdicos, Gérson Bader ed, Traduzido por Salomão Katz, (Northvale, New Jersey: Jason Aronson, Inc.)., 152-154 para vários atos rabínicos Rabban Johnathan ben Zakkai desde o cerco de Jerusalém e seu papel no início da escola em Jâmnia.

[2] Há alguma questão de saber se o "vinhedos de Jâmnia" referem-se ao ponto de encontro da escola (ou seja, o encontraram em um vinhedo) ou que a escola de foi organizado como uma videira com uvas. A escola começou sob rabino Johanan ben Zakkai (70 dC) até o momento da segunda revolta judaica sob rabino Akiba ben Joseph (132 dC). Após a Segunda Revolta, a escola foi  reconstituída no Usha.

[3] W.O.E. Oesterley, Introdução aos livros apócrifos (Londres: SPCK, 1958), 122-123

[4] AC Sundberg, "O Velho Testamento da Igreja Primitiva Revisited" - Graetz pode ter emprestado esta terminologia de comentário filósofo judeu Baruch Spinoza sobre o "concilium Pharisaeorum".

[5] Lieman, 121.

[6] ver ABD, 1.841.

[7] Cox, 44; See M. Yadayim, 3:5

[8] cf. Encyclopedia Judaica (Coronet Books, reprint 1994) 6.1147.

[9] Bruce, 34.

[10] Lieman, 124. Veja também ABD, 1,843 - a evidência de um cânone fechado antes do final do primeiro século cristão é “na melhor das hipóteses fraca e pouco convincente.”

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS