Estudo sobre os livros dos Macabeus

Deuterocanônicos
Typography

 

O PRIMEIRO LIVRO DOS MACABEUS (Makkabaion A; Liber Primus Machabaeorum).


 
Conteúdo

O Primeiro Livro dos Macabeus é uma história da luta do povo judeu pela liberdade religiosa e política sob a liderança da família Macabeu, com Judas Macabeus como a figura central. Após uma breve introdução (I, 1-9), explicando como os judeus chegaram a passar da dominação persa à dos Seleucidas, relata as causas do insurreição sob Matatias e os detalhes da revolta até sua morte (I, 10-II); os feitos gloriosos e morte heróica de Judas Macabeus (III-IX, 22); a história de sucesso da liderança de Jonatã (ix, 23-XII), e da sábia administração de Simão (xiii-xvi, 17). Conclui (xvi, 18-24) com uma breve menção às dificuldades enfrentadas com a acessão de João Hircano e com um breve resumo de seu reinado. O livro abrange, portanto, o período entre os anos 175 e 135 a.C.

 

Características

A narrativa, tanto em estilo quanto em forma segue o modelo dos livros históricos anteriores do Antigo Testamento. O estilo é geralmente simples, mas às vezes se torna eloqüente e até mesmo poético, como, por exemplo, no lamento de Matatias sobre as desgraças do povo e da profanação do Templo (II, 7-13), ou no elogio de Judas Machabeus (III, 1-9), ou ainda na descrição da paz e da prosperidade das pessoas após os longos anos de guerra e sofrimento (XIV, 4-15). O tom é calmo e objetivo, o autor como uma regra abstem-se de qualquer comentário direto sobre os fatos que ele está narrando. Os eventos mais importantes são cuidadosamente datados de acordo com a era Selêucida, que começou com o outono de 312 a.C. Deve notar-se, no entanto, que o autor começa o ano com primavera (o mês Nissan), ao passo que o autor de II Macabeus. começa com o outono (o mês Tishri). Em razão dessa diferença alguns dos eventos são datados de um ano depois, no segundo do que no primeiro livro. (Cf. Patrizzi, “De consensu Utriusque Libri Mach.”, 27 sq .; Schürer, “Hist. Do Povo Judeu”, I, i, 36 sq.).

 

Língua original

O texto a partir do qual todas as traduções foram derivadas é o grego da Septuaginta. Mas há pouca dúvida de que a Septuaginta é a própria tradução de um original hebraico ou aramaico, com as probabilidades a favor do hebraico. Não é apenas a estrutura das frases decididamentes hebraicas (ou aramaicas); mas muitas palavras e expressões que ocorrem são representações literais de hebraismos (por exemplo, I, 4, 15, 16, 44; II, 19, 42, 48; v, 37, 40; etc.). Essas peculiaridades dificilmente podem ser explicadas assumindo que o escritor foi pouco versado em grego, para um número de casos mostram que ele estava familiarizado com as sutilezas da linguagem. Além disso, há expressões inexatas e obscuridades que podem ser explicadas apenas na suposição de uma tradução imperfeita ou uma leitura errada de um original hebraico (por exemplo, I, 16, 28; IV, 19, 24; XI, 28; XIV, 5) . A evidência interna é confirmada pelo testemunho de São Jerônimo e de Orígenes. O primeiro escreve que ele viu o livro em hebraico: “Machabaeorum primum librum Hebraicum reperi” (Prol Galeat..). Como não há razões para supor que São Jerônimo refere-se a uma tradução, e como ele não é susceptível de ter aplicado o termo hebraico para um texto aramaico, o seu testemunho é fortemente a favor de um texto hebraico contra um aramaico original. Orígenes relata (Eusébio, História da Igreja VI, 25) que o título do livro era Sarbeth Sarbane el, ou mais corretamente Sarbeth Sarbanaiel. Embora o significado deste título seja incerto (foram propostas uma série de explicações diferentes, especialmente da primeira leitura), é manifestamente ou hebraico ou aramaico. O fragmento de um texto Hebreu publicada por Chwolson em 1896, e mais tarde novamente por Schweitzer, dificilmente podem ser considerados como parte do original.

 

Autor e data de composição

Não há dados podem ser encontrados tanto no próprio livro quanto em escritores posteriores que nos dêem uma pista sobre a pessoa do autor. Nomes têm sido mencionados, mas em conjecturas sem base. Que ele era um nativo da Palestina é evidente a partir da língua em que ele escreveu, e do profundo conhecimento da geografia da Palestina que ele possui. Embora ele raramente expressa seus próprios sentimentos, o espírito que permeia sua obra é a prova de que ele era profundamente religioso, zeloso pela Lei, e simpatizante do movimento dos Macabeus e seus líderes. No entanto, por mais estranho que pareça, ele evita cuidadosamente o uso das palavras “Deus” e “Senhor” (que é do melhor texto grego; no texto ordinário “Deus” é encontrado uma vez, e “Senhor” três vezes; na Vulgata ambos ocorrem repetidamente). Mas isto é, provavelmente, devido a reverência pela nomes Divinos, “Yahweh” e Adonai”, já que muitas vezes ele usa o equivalente “céu”, “Tu”, ou “ele”. Não há absolutamente nenhum motivo para o parecer, mantido por alguns estudiosos modernos, que ele era um saduceu. Ele não menciona, é verdade, os altos-sacerdotes indignos, Jason e Menelau; mas como ele menciona a Alcimus não menos indigno, e isso nos termos mais severos, não pode-se dizer que ele pretende poupar a classe sacerdotal.

Os últimos versos revelam que o livro não pode ter sido escrito até algum tempo após o início do reinado de João Hircano (135-105 aC), pois menciona a sua aascenção e alguns dos atos de sua administração. A última data possível é geralmente admitida como sendo antes de 63 a.C, o ano da ocupação de Jerusalém por Pompeu; mas há alguma diferença no que fixa a data exata aproximadamente. Se ela pode ser colocada logo no reinado de Hircano depende do significado do verso concluindo: “Eis que estes [Atos dos Hircano] estão escritos no livro dos dias do seu sacerdócio, a partir do momento (xx xx “ex quo”) que ele foi feito sumo sacerdote depois de seu pai”. Muitos entendem que isso indica que Hircano ainda era vivo, e este parece ser o sentido mais natural. Outros, no entanto, levam a concluir que Hircano já estava morto. Nesta última hipótese a composição do trabalho deve ter seguido perto a morte do legislador. Pois não só o personagem da narrativa vívida sugere um breve período após os acontecimentos, mas a ausência de ter a menor alusão aos acontecimentos mais tardios depois da morte de Hircano, e, em particular, a ascenção de seus dois sucessores que despertaram ódio popular contra os Macabeus, faz uma data muito posterior ser improvável. A data estaria, portanto, em qualquer caso, dentro dos últimos anos do século II a.C.

 

Historicidade

No século XVIII, os dois irmãos E.F e G. Wernsdorf tentanram desacreditar I Macanbeus, mas com pouco sucesso. Os estudiosos modernos de todas as escolas, mesmo as mais extremas, admitem que o livro é um documento histórico do mais alto valor. “No que diz respeito ao valor histórico de I Macabeus”, diz Cornill, (Einl, 3ª ed, 265..) “não há senão uma só voz; Nele possuímos uma fonte de primeira ordem, um conto absolutamente confiável de uma das épocas mais importantes na história do povo judeu.” A precisão de alguns pequenos pormenores relativos a nações estrangeiras tem, no entanto, sido negado.

Quando um escritor simplesmente relata as palavras dos outros, um erro pode só pode ser posto em sua contra quando ele reproduz as suas declarações inadequadamente. A afirmação de que Alexandre dividiu seu império entre seus generais (de ser entendida à luz do vv. 9 e 10, onde é dito que eles “fizeram-se reis... E colocar coroas sobre si mesmos após a sua morte”), não pode ser demonstradas que são erradas. Quintus Curtius, que é a autoridade do ponto de vista contrário, reconhece que houve escritores que acreditavam que Alexandre fez uma divisão das províncias por sua vontade. Assim o autor do I Macabeus é um historiador cuidadoso e escreveu cerca de um século e meio antes de Q. Curtius, então merece mais crédito do que este, mesmo que ele não fosse apoiado por outros escritores. Quanto ao exagero dos números, em alguns casos, na medida em que eles não são erros de copistas, deve-se lembrar que os autores antigos, tanto sagrados quanto profanos, muitas vezes não dão números absolutos, mas estimativas ou números popularmente conhecidos. Os números exatos não podem ser razoavelmente esperados em um conto de uma insurreição popular, como a de Antioquia (XI, 45,48), porque eles não podem ser verificados. Agora, o mesmo foi frequentemente o caso no que diz respeito à resistência das forças do inimigo e do número de inimigos mortos em batalha. A cláusula de modificação, tal como “é relatado”, devem ser fornecidas nesses casos.

 

Fontes

Que o autor usou fontes escritas, até certo ponto é testemunhado pelos documentos que ele cita (VIII, 23-32; X, 3-6, 18-20, 25-45; XI, 30-37; XII, 6-23 ; etc.). Mas há pouca dúvida de que ele também derivou a maior parte de outros assuntos de registros escritos dos acontecimentos, a tradição oral é insuficiente para dar conta das muitas informações e detalhes minuciosos; Há todos os motivos para acreditar que tais registros existiam para os Atos de Jonatã e Simão, bem como para aqueles de Judas (IX, 22), e de João Hircano (XVI, 23-24). Para a última parte, ele também pode ter contado com as reminiscências de contemporâneos mais velhos, ou mesmo das suas próprias.

 

Texto Grego e Versões antigas

A tradução grega provavelmente foi feita logo depois que o livro foi escrito. O texto é encontrado em três códices uniciais, ou seja, o Sinaiticus, o de Alexandrinus e o Venetus, e em dezesseis manuscritos cursivos O Texto Receptus é o da edição Sixtine, derivado do Codex Venetus e alguns cursivos. As melhores edições são os de Fritzsche (“Libri Apocryphi VT”, Leipzig, 1871, 203 sq.) e o de Swete “AT, em grego”, Cambridge, 1905, III, 594 sq.), Ambos baseados no Codice Alexandrino. A versão latina antiga na Vulgata é a da Itala, provavelmente irretocado por São Jerônimo. Parte de uma versão ainda mais antiga, ou melhor, recensão (cap. I a XIII), foi publicada por Sabatier (Biblior. Sacror. Latinae verisiones Antiquae, II, 1017 sq.), o texto completo do que foi recentemente descoberto em manuscritos em Madrid. Duas versões Siríacas existem: a da Peshitta, que segue o texto grego da recensão Luciana, e outro publicado por Ceriani (“Translatio Syra photolithographice edita, Milão, 1876, 592-615), que reproduz o texto grego comum.

 

O SEGUNDO LIVROS DOS MACABEUS (Makkabaion B; Liber Secundus Machabaeorum).


Conteúdo

O segundo livro de Macabeus não é, como o nome pode sugerir, uma continuação do primeiro, mas abrange parte do mesmo assunto. O livro (II, 20 XV, 40) é precedido por duas cartas dos judeus de Jerusalém para seus correligionários egípcios (I, 1-II, 19). A primeira (I, 1-10a), datada do ano 188 da era Seleucida (ou seja, 124 a.C), além das manifestações de boa vontade e uma alusão a uma carta anterior, não contém nada além de um convite para os judeus do Egito para comemorarem a festa da Dedicação do Templo (instituído para comemorar a sua reinauguração, I Macabeus 4, 59; 2 Macabeus 10, 8). O segundo (I 10b-II, 19), que não tem data, é do “senado” (gerousia) e Judas (Machabeus) para Aristóbulo, o preceptor ou conselheiro de Ptolomeu (D.V Ptolomeu) (Philometor), e para o judeus no Egito. Ele informa os judeus egípcios da morte de Antíoco (Epifânes) enquanto tentava assaltar o templo de Nanea, e convida-os a juntarem-se aos seus irmãos palestinos na celebrando da festa da dedicação e da recuperação do Fogo Sagrado. A história da recuperação do fogo sagrado é, então, descrita, e em conexão com ela,  a história da clandestinidade do profeta Jeremias do tabernáculo, a arca e o altar do incenso. Depois de uma oferta de enviar cópias dos livros que Judas tinha recolhido após o exemplo de Neemias, que repete o convite para celebrar as duas festas, e conclui-se com a esperança de que os dipersos de Israel em breve poderão estar reunidos na Terra Santa.

O livro em si começa com um prefácio elaborado (II, 20-33), em que o autor depois de mencionar que o seu trabalho é um epítome da história maior em cinco livros de Jason de Cirene, afirma o motivo de ter scrito o livro, e comenta sobre os respectivos deveres do historiador e do resumista. A primeira parte do livro (III-IV, 6) refere-se a tentativa de Heliodóro, primeiro-ministro de Seleuco IV (187-175 a.C), de roubar os tesouros do templo na instigação de um certo Simão, e os problemas causados através deste último indivíduo para Onias III. O resto do livro é a história da rebelião Macabeana até a morte de Nicanor (161 a.C), e, portanto, corresponde a I Mac., I, 11-VII, 50. Seção IV, 7-X, 9, lida com o reinado de Antíoco Epifânio (1 Macabeus 1: 11-6: 16), enquanto a seção x, 10-xv, 37, registra os acontecimentos dos reinados de Antíoco Eupator e Demétrio I (1 Macabeus 6: 17-7: 50) . II Macabeus conseguinte, abrange um período de apenas 15 anos, 176-161 a.C. Mas, enquanto o campo é mais estreito, a narrativa é muito mais abundante em detalhes do que I Macabeus. E envolve muitos detalhes, por exemplo, nomes de pessoas, que não são encontrados no primeiro livro.

 

Objetivo e Características

Na comparação entre os dois livros de Macabeus, é claramente visto que o autor do segundo não, como o autor do primeiro, escreve a história apenas para familiarizar os leitores com os eventos que agitam do período com o qual ele está lidando. Ele escreve a história com vista à instrução e edificação. Seu primeiro objetivo é exaltar o Templo de Jerusalém como o centro de culto judaico. Isto é resultado das dores que ele o levam a exaltar em todas as ocasiões a sua dignidade e santidade. Isto é “o grande templo”, (ii, 20), “os mais renomados” e “o mais sagrado em todo o mundo” (ii, 23; v, 15), “o grande e santo templo” (xiv, 31 ); Até mesmo príncipes pagãos estimam-o como dignos de honra e glorificam com grandes presentes (iii, 2-3; V, 16; xiii, 23); a preocupação dos judeus no tempo de perigo foi mais para a santidade do Templo do que para suas esposas e filhos (xv, 18); Deus o proteje por interposições miraculosas (iii, XIV, 31 sq.) E pune os culpados de sacrilégio contra ele (iii, 24 sq .; ix, 16; xiii, 6-8; xiv, 31 sq .; xv, 32) ; se Ele permitiu que fosse profanado, foi por causa dos pecados dos judeus (v, 17-20). É, sem dúvida, com este projeto que as duas cartas, que não têm outra ligação com o livro, foram prefixadas para ele. O autor, aparentemente destinada seu trabalho especialmente para os judeus da Dispersão, e mais particularmente para aqueles do Egito, onde um templo cismático tinha sido erigido em Leontopolis cerca de 160 a.C. O segundo objectivo do autor é exortar os judeus a fidelidade à Lei, imprimindo-lhes que Deus ainda está consciente de sua aliança, e que Ele não os abandonará, a menos que primeiro eles o abandonem; as tribulações que enfrentam são um castigo por sua infidelidade, e cessará quando se arrependem (iv, 17; v, 17 e 19, vi, 13, 15, 16; vii, 32, 33, 37, 38; viii, 5, 36; xiv, 15; xv, 23, 24). Pois a diferença de objetivo corresponde a uma diferença de tom e de método. O autor não está satisfeito com os fatos meramente relativos, mas comenta livremente sobre pessoas e atos, distribuindo elogios ou culpa, pois podem merecer quando julgados do ponto de vista de um verdadeiro israelita. A intervenção sobrenatural em favor dos judeus é enfatizada. O estilo é retórico, as datas são relativamente poucas. Como já foi observado, a cronologia da II Macabeus, é ligeiramente diferente da de I Macabeus.

 

Autor e Data

II Macabeus é, como já foi dito, uma epítome de um trabalho maior feito por um certo Jason de Cirene. Nada mais se sabe deste Jason exceto que, a julgar pelo seu conhecimento geográfico exato, ele deve ter vivido durante algum tempo na Palestina. O autor da epítome é desconhecido. Desde o destaque que ele dá para a doutrina da ressurreição dos mortos, foi inferido que ele era um fariseu. Alguns até já sustentaram que seu livro era um escrito partidário farisaico. Este último, sustentado por poucos, é uma afirmação sem fundamento. II Macabeus não fala mais severamente de Alcimus que i Macabeus e o fato de que ele menciona os sumos sacerdotes, Jason e Menelau, por nome não prova mais que ele seja um escrito partidário farisaico do que a omissão de seus nomes na I Macabeus prova que ser uma produção dos saduceus. Jason deve ter terminado o seu trabalho logo após a morte de Nicanor, e antes do desastre ultrapassou Judas Macabeus, pois ele não só omite aludir à morte daquele herói, mas faz a declaração, o que seria visivelmente falsas se ele tivesse escrito mais tarde, que depois a morte de Nicanor Jerusalém sempre permaneceu na posse dos judeus (XV, 38). O epítome não pode ter sido escrito antes da data da primeira carta, que é de 124 a.C.

Quanto à data exata há grande divergência. Na suposição muito provável que a primeira carta foi enviada com uma cópia do livro, este último seria de aproximadamente da mesma data. Ele não pode, em qualquer caso, ser muito mais tardio, já que a demanda de uma forma abreviada da história de Jason, a que alude o autor no prefácio (II, 25-26), deve ter surgido dentro de um tempo razoavelmente curto após a publicação do referido trabalho. A segunda carta deve ter sido escrita logo após a morte de Antíoco, antes das circunstâncias exatas sobre a questão tornarem-se conhecidas em Jerusalém, portanto, cerca de 163 a.C. Que o Antíoco lá mencionado é Antíoco IV e não Antíoco III, como muitos comentaristas católicos mantém, é claro pelo fato de que sua morte está relacionada em conexão com a celebração da Festa da Dedicação, e que ele é representado como um inimigo da os judeus, o que não é verdade se fosse a respeito de Antíoco III.

 

Língua Original

As duas cartas que foram dirigidas aos judeus do Egito, que conheciam pouco ou nada de hebraico ou aramaico, foram com toda a probabilidade escritas em grego. Que o próprio livro foi composto na mesma língua, é evidente a partir do estilo, como São Jerônimo já comentou (Prol. Gal.). Hebraismos são em menor número do que seria esperado, considerando o assunto, enquanto expressões e construções gregas são muito numerosas. A origem helenística de Jason, e a ausência no epítome de todos os sinais de que iriam marcá-lo como uma tradução, são suficientes para mostrar que ele também escreveu em grego.

 

Historicidade

O Segundo Livro dos Macabeus é muito menos pensado como um documento histórico por estudiosos não-católicos do que o primeiro, embora Niese saiu fortemente recentemente em sua defesa.

As acusações levantadas contra as duas cartas não precisam, no entanto, nos preocupar, a não ser na medida em que elas afetam a sua autenticidade, daqui por diante. Estas cartas estão em pé de igualdade com os outros documentos citados em I e II Macabeus; o autor não é, portanto, responsável pela veracidade do seu conteúdo.

A seguir estão as principais objecções com algum fundamento real: (1) A campanha de Lysias, que eu Macabeus, IV, 26-34, coloca no último ano de Antíoco Epifânio, é transferido em II Macabeus XI, para o reinado de Antíoco Eupator; (2) Os ataques judeus em tribos vizinhas e as expedições para a Galiléia e Gileade, representadas em II Macabeus V, tal como decorre da rápida sucessão após a reinauguração do templo, são separados em II Macabeus e colocado num ambiente histórico diferente (viii, 30; x, 15-38; xii, 10-45); (3) O relato feito em II Macabeus IX, difere da de I Macabeus VI em relação à morte de Antíoco Epifânio, que é falsamente declarado como tendo escrito uma carta aos judeus.; (4) A imagem dos martírios em VI, 18-VII, é muito colorida, e é improvável que Antíoco estivesse presente para eles.

Para essas objeções que podem ser respondidas brevemente: (1) a campanha de que fala II Macabeus XI, não é a mesma que a relatada em I Macabeus IV; (2) Os eventos mencionados em VIII, 30 e X, 15 sss, não são narrados em I Macabeus V. Antes da expedição em Galaad (XII, 10 ss) Pode ser considerado como estando fora de seu contexto histórico adequado, que teria que provar que I Macabeus invariavelmente adere a ordem cronológica, e que os eventos agrupados em cap. V ocorreram em rápida sucessão; (3) As duas narrativas da morte de Antíoco Epifânio diferem, é verdade, mas elas se encaixam muito bem uma na outra. Considerando o caráter de Antíoco e a condição em que estava no momento, não é de todo improvável que ele escreveu uma carta aos judeus; (4) Não há nenhuma razão para duvidar de que, apesar da forma retórica a história dos martírios é substancialmente correta. Como o local onde ocorreu é desconhecido, é difícil vê porque razão a presença de Antíoco é negada. Deve notar-se, além disso, que o livro revela um conhecimento exato em uma infinidade de pequenos detalhes, e que são muitas vezes apoiados por Josefo, que não tinha conhecimento dela. Mesmo seus detratores admitem que a porção anterior é de grande valor, e que em tudo o que se relaciona com a Síria o seu conhecimento é extenso e minuto.

 

Texto e Versões Gregas

O texto grego é normalmente encontrado nos mesmos manuscritos como I Macabeus; ele está faltando, no entanto, no Cod. Sinaiticus, a versão latina na Vulgata é a de Itala. Uma versão mais antiga foi publicada por Peyron e novamente por Ceriani a partir do Codex Ambrosianus. Um terceiro texto latino é encontrado nos manuscritos de Madrid, que contém uma versão antiga do I Macabeus. A versão siríaca é muitas vezes uma paráfrase, em vez de uma tradução.

 

BIBLIOGRAFIA


GIGOT, Spec. Introd., I (New York, 1901), 365 sq.;

CORNELY, Introd., II (Paris, 1897), I, 440 sq.;

KNABENBAUER, Comm. in Lib. Mach. (Paris, 1907);

PATRIZZI, De Consensu Utriusq. Lib. Mach. (Rome, 1856);

FRÖLICH, De Fontibus Historiae Syriae in Lib. Mach. (Vienna, 1746);

KHELL, Auctoritas Utriusq. Lib. Mach. (Vienna, 1749);

HERKENNE, Die Briefe zu Beginn des Zweiten Makkabäerbuches (Freiburg, 1904);

GILLET, Les Machabées (Paris, 1880);

BEURLIER in Vig. Dict. de la Bible, IV, 488 sq.;

LESÊTRE, Introd., II (Paris, 1890);

VIGOUROUX, Man. Bibl., II (Paris, 1899), 217 sq.;

IDEM, La Bible et la Critique Ration., 5th ed., IV, 638 sq.;

SCHÜRER, Hist. of the Jewish People (New York, 1891), II, iii, 6 sq.; 211 sq.; 244 sq.;

FAIRWEATHER in HASTINGS, Dict. of the Bible, III, 187 sq.;

 NIESE, Kritik der beiden Makkabäerbücher (Berlin, 1900);

GRIMM, Kurzgefasstes Exeg. Handbuch zu den Apokryphen, Fasc. 3 and 4 (Leipzig, 1853, 1857);

KEIL, Comm. über die Bücher der Makkabäer (Leipzig, 1875);

KAUTZSCH (AND KAMPHAUSEN), Die Apokryphen und Pseudepigraphen des A. T. (Tübingen, 1900).

 

FONTE


BECHTEL, Florentine. Estudo Sobre o Livro de Macabeus. The Catholic Encyclopedia. Vol. 9. New York: Robert Appleton Company, 1910.  Disponível em <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/deuterocanonicos/762-estudo-sobre-os-livros-dos-macabeus>. Desde . Tradução: Rafael Rodrigues.
BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS