Santo Agostinho, Papa Zózimo e a condenação do pelagianismo

Estudos Patrísticos
Typography

Parte I

Pelágio e Celestio foram condenados por São Inocêncio, porém eles não tinham intenção de ficar em silêncio. O primeiro já tinha se imposto sobre o concílio de Dióspolis com sucesso, e ambos estavam prontos a assegurar ao Papa que nunca haviam ensinado as heresias que haviam sido proscritas.

O momento era propício, apesar deles não conhecê-lo. Apenas quatro dias depois de sua consagração, [1] o novo Papa São Zózimo enviou uma carta aos bispos da Gália, confirmando o “direito antigo” do bispo de Arles, como Primaz da Gália, de consagrar os metropolitas de Viena e dos dois Narbonnenses, e afirmando que ele não iria receber doravante nenhum clérigo próximo da Gália que não fosse condecorado com litterae formatae de Pátroclo, bispo de Arles, “a quem nós concedemos este privilégio na contemplação especial de seus méritos.” [2] Agora, o novo privilégio era tão imerecido como o direito antigo era apócrifo. [3] Pátroclo era um intruso, e o bispo legítimo a quem ele havia desposto não era outro senão Heros, o acusador de Pelágio.

A causa do favor do Papa a Pátroclo é difícil de descobrir. Tem sido dito, mas sem provas, que Pátroclo estava presente em Roma, na época da eleição papal, e tinha trabalhado para Zózimo. Ele era amigo íntimo do poderoso Conde Constâncio, o então governante do império, e por esta razão era um homem a ser favorecido. [4] Mas de qualquer forma, podemos ver que o bispo infame de Arles, que se atreveu, diz Tiro Próspero, [5] a vender o ofício sacerdotal, de alguma forma, convenceu o bem intencionado Papa, que tinha méritos e direitos inexistentes, enquanto tinha caracterizado Heros como uma vergonha para o episcopado. Além disso, o outro acusador de Pelágio, Lázaro, bispo de Aix, também era inimigo de Pátroclo, como foi provado alguns meses mais tarde. Heros e Lázaro estavam, então, em desgraça em Roma, por outro lado, o momento foi feliz para aqueles que receberam a condenação.

Celestio chega a Roma para julgamento.

Foi então que Celestio chegou a Roma. Ele tinha sido ordenado sacerdote, enquanto estava em Éfeso, e dali foi para Constantinopla. O Bispo Atticus o expulsou dessa cidade, escrevendo cartas ao seu respeito aos bispos de Éfeso, Tessalônica e Cartago. [6]

Ele agora apresentou-se ao julgamento do novo Papa, com o fundamento de que ele tinha anteriormente apelado para ele quando condenado em Cartago sete anos antes, um fato que até agora ele tinha achado conveniente ignorar. Nós temos um relato de seu julgamento, escrito pelo próprio São Zózimo aos bispos africanos imediatamente após. Ele começa assim:

Grandes questões exigem um grande peso de examinação, e o equilíbrio do julgamento não pode ser menos pesado do que os assuntos tratados. Além disso, existe a autoridade da Sé Apostólica, para o qual os decretos dos pais têm sancionado, em honra de São Pedro, uma reverência particular. Devemos orar, portanto, e orar incessantemente, que pela graça continua e assistência incessante de Deus, desta fonte a paz da fé e da fraternidade católica podem ser enviadas a todo o mundo [...]. Celestio, sacerdote, apresentou-se a nós para o exame, pedindo para que ele fosse absolvido das coisas de que ele tinha sido injustamente acusado à Sé Apostólica. E, embora muitas ocupações distraiam nossa atenção e solicitude com maiores casos de negócios eclesiásticos, a expectativa de sua fraternidade como a sua chegada e julgamento não podem ser adiados, nós colocamos todos de lado, e no dia do exame, sentamos na basílica de São Clemente .... a fim de que a autoridade de tão grande um bispo possa ser um exemplo de disciplina salutar para a presente investigação.

Por isso, discutimos tudo o que havia sido feito até então, como você vai conhecer dos atos anexos à presente carta. Celéstio sendo admitido, nós colocamos o libelo que ele tinha dado para ser lido; e, não contente com isso, nós repetidamente perguntamos-lhe se ele falou de coração ou com os lábios apenas, as coisas que ele havia escrito.”

O Papa continua a inverter contra Heros e Lázaro por não aparecerem no Sínodo de Diospolis. Eles tinham sido devidamente depostos de suas sés, e Celestio mal viu Heros, e nunca Lázaro; O último, no entanto, ele tinha ficado satisfeito de sua ortodoxia. Os africanos atenderam muito facilmente, continua São Zózimo, no fervor de sua fé, às cartas desses dois bispos, e ele prova a partir das Escrituras que até os sábios podem errar por falta de cautela. Por esse motivo, o Papa não chegou a nenhuma decisão precipitada ou imatura, mas simplesmente escreveu um relato do julgamento. O antigo libellus, que Celestio apresentou em Cartago em 410, deveria ter sido um testemunho a seu favor, contra acusadores de reputação duvidosa. (Parece que Celestio havia enganado o Papa quanto à sua condenação nessa ocasião). Em dois meses, esses acusadores se apresentem, caso contrário Celestio será formalmente absolvido. Além disso, Celestio e seus amigos foram orientados a evitar essas perguntas perigosas para o futuro. [7]

Celestio escreve ao Papa Zózimo

O libelli e as confissões aqui referidas não chegaram até nós. No que diz respeito ao antigo libellus de 411, uma vez que Celestio apelou para Roma, provavelmente concluiu com um humilde ato de submissão ao Papa. Então, certamente, fez o novo libellus, do qual temos o seguinte conto e citação em Santo Agostinho: [8]

No libellus que ele deu em Roma quando ele havia explicado sua fé da Trindade à Ressurreição (sobre tudo o que ninguém lhe perguntou, e sobre o qual nenhuma pergunta havia sido levantada), quando ele chegou à questão crucial Ele disse: ‘Se surgiram quaisquer questões além daquelas que são de fé, sobre as quais deve haver disputas entre muitos, não decidi esses assuntos com autoridade definitiva como originador de qualquer dogma, mas o que recebi da fonte dos profetas e  apóstolos, nós oferecemos para ser aprovado pelo julgamento do seu apostolado; para que, se por acaso o erro de ignorância humana se lançou sobre nós, possa ser corrigido pela sua decisão’. Aqui você vê que, nesta introdução, ele se preocupa que, se algum erro for encontrado, ele pode não ter errado na fé, mas em questões que estão além da fé”. (Do Pecado Original Livro XXIII, 26.)

Não é de admirar que Zósimo tenha absolvido da heresia formal o autor de uma submissão tão completa à autoridade apostólica, e uma apresentação tão aparentemente generosa de um julgamento privado. Sem dúvida, a insinuação de que a questão não era de fé não foi notada no momento, e Santo Agostinho nos assegura que ele foi repetidamente chamado a fazer a mesma apresentação de boca em boca. Pois em um lugar de seu libellus [9] ele negou o pecado original com toda a clareza até as palavras, embora ele tenha explicado isso na presença do Papa. Aqui está a conta de Santo Agostinho:

Esta opinião de Pelágio estava com medo ou vergonha de trazer para você; mas seu discípulo sem qualquer dissimulação não teve medo nem vergonha de publicá-la abertamente diante da Sé Apostólica. Mas o próprio misericordioso prelado da Sé, quando o viu elevar de cabeça com tal presunção como um louco, até que ele pudesse caísse em si, se fosse possível, preferia analisar pouco a pouco a questão e responder para golpeá-lo com uma sentença severa, impelindo o para aquele precipício que ele aparentemente já estava pendurado. Não digo “caído”, mas “parecia estar pendurado"; Pois mais cedo no mesmo libellus que ele havia prometido antes de falar de tais perguntas: ‘se por acaso o erro de ignorância humana se lançou sobre nós, possa ser corrigido pela sua decisão’. Assim, o venerável Papa Zózimo que mantém esta declaração preparatória, pediu ao homem inflado com falsa doutrina, para condenar o que ele foi acusado pelo diácono Paulino e dar o seu consentimento às cartas da Sé Apostólica que emanaram de seu antecessor de Santa memória. Ele se recusou a condenar o que o diácono objetou, mas não ousou resistir às cartas do Abençoado Papa Inocêncio, e prometeu ‘condenar o que quer que Sé condenasse". Assim, tratou suavemente, como se fosse um louco, para que ele pudesse ser absolvido, ele ainda não era considerado apto para ser libertado dos laços da excomunhão. Mas um prazo de dois meses foi dado, para que uma resposta pudesse ser recebida da África, e então uma oportunidade de chegar a seus sentidos lhe foi dada por uma gentileza medicinal em sua sentença. Pois, de fato, ele seria curado, se ele deixasse de lado sua vaidade obstinada, e cumprisse o que ele prometeu, e lesse as cartas, às quais ele professava consentir.(Santo Agostinho - Do Pecado Original Livro II, VI-VII, 6-8)

Anglicanos erram ao dizer que o papa Zózimo aprovou o Pelagianismo

Santo Agostinho, com as atas em sua frente, está fazendo aqui uma defesa ao Papa, que havia sido acusado pelos Pelagianos de aprovar a doutrina de Celestio sobre o pecado original. O que esses hereges poderiam ter dito não poderias ser de modo algum o que os escritores protestantes modernos (como o Dr. Pusey, o Dr. Bright e o Dicionário de Eccl Biography, art. “Zosimus”) assumiram sobre a mesma tensão. Não se pode sentir dor cada vez que se encontra historiadores estimáveis ​​e bem-intencionados que tomam o lado dos hereges antigos contra a Igreja. Neste caso, o Dr. Bright admite que esta aprovação da heresia de Celestio não era ex cathedra, de modo que seu argumento é inútil contra os católicos. Mas ele acusa Santo Agostinho de fazer uma defesa a o Papa que ele sabia era falsa (comumente chamada de mentira), inteiramente na evidência da carta de São Zózimo, que fala bastante vagamente. Se ele estiver certo, São Zósimo também deve ter mentido, quando em sua terceira carta ele nega que aprovou todas as palavras do libellus. Mercator e Paulinus devem estar mentindo, pois estão exatamente de acordo com Santo Agostinho. [11]

Santo Agostinho diz:

"Quidquid interea lenius actum est cum Caelestio, seruata dumtaxat antiquissimae et robustissimae fidei firmitate, correctionis fuit clementissima suasio, non approbatio exitiosissimae prauitatis" [12]

se havia alguma indulgência na maneira de tratar Celestio, tal clemência era, sempre segura, nos princípios de uma fé antiga e muito firme, uma exortação benigna à emenda, não a aprovação perniciosa do mal.” [12]

Ele nega absolutamente que qualquer aprovação da negação do pecado original pode ser encontrada nos atos do julgamento de Celestio ou nas cartas do Papa à África. [13]

Na teoria do Dr. Bright, isso é definitivamente uma falsidade; mas uma grande falsidade tola, já que poderia ser refutada a partir dos próprios documentos aos quais ela apela. Santo Agostinho deve ter sido não apenas um mentiroso (igual a São Leão e o Padre Rivington), mas um tolo. Como os Pelagianos e o Dr. Bright são acusadores interessados, podemos defender o santo em ambos os casos. Voluntas emendationis, non falsitas dogmatis approbata est; isto é para dizer que sua profissão de submissão (como a de São Bernardo em sua famosa carta sobre a Imaculada Conceição), tornou todo o documento católico; e a isso se juntou sua aceitação das cartas do Papa Inocêncio, as quais, incidentalmente e por implicação, [14] condenaram seu erro quanto ao pecado original. Mas ele foi ainda obrigado a condenar as doutrinas condenadas em Cartago em 411. Isso ele se recusou a fazer imediatamente, mas deu esperanças de submissão. Nestes casos de acusação, foi certamente incluída a negação do pecado original, uma vez que Santo Agostinho cita as atas do concílio. [15]

Portanto, não há dúvida de que o Dr. Bright está errado e Tillemont também, ao dizer que Zózimo aprovou o erro; enquanto Mercator, Santo Agostinho, Paulino e, mais tarde, Facundus de Hermiane, [16] estão certos. O erro do papa Zózimo, e foi grave o suficiente, foi acreditar que Celestio estava sendo sincero em sua submissão.

A carta do Papa acima foi escrita em algum momento em setembro de 417, [17] e logo foi seguida por outra escrita no dia 21 daquele mês. [18]

Depois que o padre Celestio foi ouvido por nós e professou claramente seus sentimentos quanto à fé, e confirmou as declarações de seu libellus com repetidos protestos, nós escrevemos  tudo sobre ele para sua caridade. E agora, eis que recebemos uma carta de Praylius, bispo de Jerusalém (que foi nomeado na sala do falecido Beato João), que intervém fervorosamente na causa de Pelágio, que também enviou uma carta própria, contendo sua completa defesa, e anexou uma profissão de fé - o que ele crê e o que ele condena - sem qualquer engano, para que todas as dificuldades de interpretação possam cessar. Elas foram publicamente lidas; todos os seus conteúdos correspondiam ao que Celestio havia produzido anteriormente e no mesmo sentido e teor. Que qualquer um de vocês, amados irmãos, pudesse ter estado presente na leitura dessas cartas! Que alegria havia ali da parte dos homens santos presentes! Como eles perguntavam! Quase não se pode conter nem mesmo de lágrimas!

O Papa acusa então Lázaro de ter sido condenado pelo Concílio de Turim por proferir falso testemunho contra São Brito de Tours, e declara que tanto ele como Heros eram bispos ilegais estabelecidos pelo usurpador Constantino. Sobre a verdade dessas afirmações, não precisamos tratar aqui. [19] Ele continua:

Veja, Pelágio e Celestio se apresentam diante da Sé Apostólica por suas cartas e confissões. Mas onde está Heros? Onde está Lázaro? Nomes vergonhosos. Onde estão aqueles jovens, Timasius e Jacobus, que produziram escritos, como foi dito, de Pelágio? Quando estes acusados fazem tais confissões católicas perante a Sé Apostólica, julgueis vós mesmos se as coisas relatadas deles por homens de caráter perverso e sem peso, e por vagos rumores, devem ser acreditados. Amem a paz, amem a caridade, amem a concórdia. Pois está escrito: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’. Quem são mais próximos um do outro do que nós, que devemos todos ser um em Cristo? Nem todo vento que entra em seus ouvidos é um mensageiro da verdade.

Pelágio se submete ao Papa Zózimo

Com os textos das Escrituras, São Zózimo insiste no perigo de receber falso testemunho e o dever de cautela. Ele incluiu a carta de Pelágio, dirigida por ele ao Papa Inocêncio, de cuja morte ele ainda não estava ciente, [20] e seu libellus. A carta está perdida, salvo algumas citações em Santo Agostinho. O libellus foi preservado, e é completamente livre de heresia até onde existe. [21] Mas o papa não tinha diante dele as detalhadas acusações das opiniões heréticas de Pelágio, e foi mais facilmente imposto pela rejeição de toda heresia, exceto o pelagianismo, que Pelágio, como Celestio, haviam estabelecido. [22] Ele conclui, novamente como Celestio, com a submissão sem reservas à decisão infalível da Santa Sé:

Esta é a fé, abençoadíssimo Papa, que nós aprendemos na Igreja Católica, que nós sempre cremos e mantemos. Se nós por acaso colocamos algo nelas inábeis ou sem a devida cautela, nós desejamos ser corrigidos por vocês., que detêm tanto a fé como a Sé de Pedro, [emendari cupimus a te qui Petri et fidem et sedem tenes], se, no entanto, esta nossa confissão for aprovada pelo julgamento do seu apostolado, então, quem desejar me enegrecer, não provará que eu sou um herege, mas que ele próprio não é hábil, ou então é mal-intencionado, ou mesmo não é católico ”.

A falsa submissão de Pelágio e Celestio

Os bispos africanos podem ter ficado perturbados com o recebimento dessas duas cartas. Eles puderam ver imediatamente que a submissão de Celestio era insincera, e que Pelágio havia cuidadosamente omitido em seu libellus a condenação das heresias particulares das quais ele era acusado. Foi no dia 24 de setembro que Santo Agostinho pregou em Cartago, dizendo: (Roma locuta est); causa finita est. A carta anterior não havia chegado, e Paulino recebeu sua intimação a Roma como acusador, do portador Basiliscus apenas em 2 de novembro. Isso é por volta da data em que a segunda carta, escrita em 21 de setembro, teria chegado; então pode-se presumir que ambos vieram pelo mesmo mensageiro. [23] Uma resposta parece ter sido enviada imediatamente por Aurelius, provavelmente com a ajuda de alguns bispos vizinhos. Santo Agostinho deveria ainda estar em Cartago. A carta pedia ao papa que prolongasse o prazo insuficiente de dois meses, que já haviam se esgotado, a fim de que um relatório completo fosse enviado. [24]

O concílio dos 214 Bispos Africanos

O concílio que se reuniu em dezembro ou janeiro consistiu em não menos que 214 bispos, e é chamado por Santo Agostinho de Africanum concilium, [25] como sendo representativo de toda a África. Mas aparentemente não incluía um número suficiente de deputados regularmente eleitos de cada província para merecer o título de plenarium ou universale. Foi enviado, pelo subdiácono Marcelino, uma carta ao Papa, que continha ou era acompanhada de certas constituições ou decretos, do tamanho da qual o papa parece reclamar. Um dos decretos é citado duas vezes por São Prospero:

Estabelecemos que a sentença contra Pelágio e Celestio publicada pelo venerável Bispo Inocêncio a partir da Sé do Beato Pedro, permanece firme, até que confessem isso pela graça de Deus”, etc. [26]

Isso não era nada mais do que o próprio São Zózimo havia decidido, já que ele insistira que Celestio declarasse sua concordância com as cartas de Santo Inocêncio, e mesmo assim não o libertara da excomunhão, para que ele também negasse as doutrinas que Paulino havia acusado-o, e encontrasse quaisquer outras objeções que os africanos pudessem trazer.

Eles ainda  explicaram ao papa que não era suficiente para os menos instruídos que Celestio dissesse em geral que ele consentia com as cartas do papa Inocêncio, mas que ele deveria abertamente anatematizar tais ensinamentos falsos contidos em seu próprio libelo, uma vez que, se ele não o fizesse, pareceria aos ignorantes que o veneno foi aprovado pela Sé Apostólica, porque o próprio libelo foi declarado católico, em vez de ser expiado por seu consentimento às cartas de Santo Inocêncio. [27] Eles lembraram Zósimo de como seu antecessor havia julgado que Pelágio escapara da condenação em Diospolis por subterfúgio do que havia sido absolvido, [28] e eles tentaram mostrar-lhe a natureza enganosa e evasiva da profissão de fé que Pelágio enviara para Roma. [29] Eles também enviaram os atos do concílio que havia condenado Celestio em 411, e sugeriram ao papa que talvez tenha sido mais apressado em absolvição do que em julgamento. A perda deste importante documento é para ser lamentada.

Bispos africanos apelam ao papa Zózimo

Na mesma época Paulino enviou o seguinte libellus:

Suplico a justiça de sua bem-aventurança, Senhor Zózimo, Venerável Papa. A verdadeira fé nunca é perturbada, e acima de tudo na Igreja Apostólica [Roma], na qual os mestres da falsa fé são tão verdadeiramente punidos quanto são facilmente descobertos, que eles morram nos males que cometeram, a menos que os corrijam, de modo que eles possam voltar a verdadeira fé que os Apóstolos ensinaram, e que a Igreja Romana assegura com todos os doutores da fé católica. E se como os outros heresiarcas (que, há muito temposão julgados pela Sé Apostólica ou pelos Padres, e expulsos do seio da Igreja Católica, são entregues à morte eterna), estes também, que são ou serão descobertos, se permanecerem em sua perfídia, sejam entregue à espada espiritual para serem destruídos, assim como agora Pelágio e Celestio, que foram condenados pelo predecessor de sua bem-aventurança, o papa Inocêncio, de abençoada memória, se rejeitarem a verdadeira fé, e permanecerem em sua doutrina perversa”.

Aqui está um discípulo de Ambrósio e amigo de Agostinho, diácono de Milão e morador da África, declarando com a decisão de um cipriota que “a verdadeira fé nunca é perturbada na Igreja Apostólica”, pela qual ele se refere a Roma, caso contrário “especialmente”, maxime, não tem sentido. Ele atribui a essa Igreja o direito e o dever de cortar hereges com a “espada espiritual”, da qual São Prospero falou, viz. excomunhão. Ele continua:

Após sua sentença, sua bem-aventurança deu a Celestio o seguinte comando, entre outros, quando foi ouvido pela Sé Apostólica: ‘Você então condena todas as coisas que estão contidas no libellus de Paulino?’ E em outro lugar: ‘Você conhece as cartas que a Sé Apostólica enviou aos nossos irmãos e colegas bispos da província africana?’ E então: ‘Você condena tudo o que condenamos e retém tudo o que retemos?’ E, novamente: ‘Você condena todas as doutrinas às quais seu nome é dado?’ E, novamente, ‘Ou aquelas coisas que Paulino expôs em seu libellus?’ E quando ele disse que eu poderia ser um herege pelas minhas acusações contra ele, você, cheio do Espírito Santo, pela sua autoridade Apostólica, rejeitou suas palavras selvagens e caluniosas, e deu um julgamento pelo qual eu fui declarado católico, e ele poderia ser perdoado se quisesse. ‘Eu não quero que você fique dando voltas; você condena tudo o que foi contestado por Paulino, ou espalhado por boato?’ Para quem esta decisão não é suficiente? Quem rejeitaria tão saudável, tão acolhedora, tão piedosa decisão, a não ser aquele que se desviou da fé? E ele que tinha acima confessado que iria condenar o que foi objetado contra ele, se você julgou ser contrário à fé, ouvisse a palavra ‘condenar’, e não apenas ‘não condena’, mas ao insulto de tão grande Sé (ler injuriam tantae, para tantam, sedis), ele contesta o seu julgamento. Daí a Igreja Romana não mais ignora o caráter do acusado, que ousou em espírito audacioso contradizer, e não condenar o que sua santidade decretou que ele deveria condenar”.

Assim, Paulino prova que o papa realmente instigou Celestio a condenar explicitamente sua negação do pecado original, como estava no antigo libellus do diácono. Ainda melhor para o nosso propósito é o seu comentário sobre a recusa de Celestio. Foi um insulto à Sé Apostólica duvidar de seu julgamento; contradizê-lo por mera hesitação era mostrar-se um herege; unde non ignorat jam Ecclesia Romana reum suum. [30]

Paulino passa a agradecer a Deus que as doutrinas que ele havia acusado Celestio de proferir, deveriam ter sido assim condenadas pela Sé Apostólica, “pela qual esta heresia seria condenada, pela boca de dois Pontífices” [Papas Inocenci e Zózimo]". Pelágio também mantém essas doutrinas, e ambas são refutadas pelo Conselho de Diospolis, por muitos médicos do leste e oeste, sul e norte, Cipriano, Ambrósio, Gregório, Inocente, e também por muitos ainda vivos,

ou melhor, desde que ele deveria segui-lo, se ele prefere aprender a verdade em detrimento do ensino da falsidade, ele tem, antes de mais nada, quod primum est, sua bem-aventurança, cuja sentença ele deveria ter obedecido, quando o ouviu você dizer ‘condenar’. .... Portanto, eu oro que seu Apostolado recebea este meu libellus, para que eu possa ser capaz de dar graças a sua grande Sé (tantae sedi), e às suas mais justas decisões dadas em meu favor. Eu escrevo isto porque o subdiácono Basilisco me convocou, embora apenas de boca em boca, em Cartago, em nome da vossa santidade, com os atos da Sé Apostólica dirigida a mim, no dia 2 de novembro, para estar presente diante da Sé Apostólica e do juízo da sua santidade, ao qual estava implícito que eu tinha apelado. Eu deveria prometer (leitura promitterem) não estar querendo, se a sentença tivesse sido dada contra mim, e não a meu favor. Na primeira ocasião (em 411) eu não pude fazer nada, pois depois ele tinha apelado para a Sé Apostólica, ele não viria...

A insinceridade de Celestio fica clara para o papa Zózimo

Paulino continua, que pela ordem que Zózimo deu para ele condenar, e a recusa de Celestio, a insinceridade deste é clara:

Que aquilo que não pode mais ser escondido, mas foi publicamente trazido à luz, seja agora cortado por sua santidade com a espada espiritual, para que o rebanho do Senhor, que você governa como um bom Pastor com ansiosa solicitude, não mais seja rasgado pelos dentes desta besta selvagem”. [31]

O “rebanho do Senhor” é aqui claramente toda a Igreja. Sem dúvida, este documento foi visto por alguns dos Padres do concílio Africano, cuja carta foi enviada a Roma, e sua doutrina quanto à prerrogativa papal não pode razoavelmente ser considerada diferente de sua crença. O libellus é esperto, justificando seu autor pelas ordens dadas pelo próprio Zózimo. Aparentemente, Celestio não se recusou absolutamente a obedecer, mas havia demorado, e era esperado que condenasse esses pontos no próximo julgamento. [32]

Sumário da Situação

Vamos agora resumir onde a situação chegou. Em Roma, o papa tem certeza de que Pelágio e Celestio são ortodoxos; mas ele não os declarará isentos de sua excomunhão sem ouvir da África, e depois de um julgamento solene. Os dois hereges pareciam provar sua inocência pela submissão completa e sem hesitação que haviam feito na forma usual de um libellus, [33] diretamente eles tinham sido excomungados por Santo Inocêncio. Pelágio foi ainda recomendado pelo bispo de Jerusalém e um concílio da Palestina, e pelo suposto mau caráter de Heros e Lázaro, seus acusadores, Celestio, por sua aceitação das cartas que o haviam condenado, e sua promessa de condenar todas as doutrinas ele havia sido acusado de professar. O que mais o Papa poderia pedir?

Em sua alegria paterna, ele escreve as duas cartas imensas, acima citadas para a África, e espera por uma resposta sintonizada em um pensamento semelhante. Em vez disso, ele recebe uma resposta branda, alerta e incrédula, pedindo mais tempo. Ele espera seis meses e depois vêm as cartas e os longos decretos do concílio e o libellus de Paulino. São Zózimo fica desapontado. Ele está zangado com os africanos por sugerir que sua linguagem pode parecer a alguns como aprovando cada palavra do libelo de Celestio, e ele entende que eles querem dizer que eles acham que ele realmente fez isso. Ele acha que suas cartas não mostram reconhecimento suficiente dessa grande condescendência, e ele demonstrou isso ao consultá-los sobre esse assunto. Ele retoma, portanto, em sua réplica o estilo estatal oficial da corte romana, e evidentemente se sente envergonhado de sua antiga explosão de sentimentos, que teve tão pouca resposta na África. No entanto, as evidências contemporâneas nos asseguram que foi a explicação enviada pelo concílio que o fez mudar de ideia; e, de fato, lendo nas entrelinhas, fica claro que a mudança já havia chegado. Ele parece meio que se desculpar com a sua bondade a Celestio e está evidentemente a ponto de retomar a questão, agora que não há mais nada a esperar. O texto da carta é muito corrompido:

Papa Zózimo responde aos bispos africanos

Embora as tradições dos Padres atribuíssem à Sé Apostólica uma autoridade tão grande que ninguém ousaria contestar seu julgamento, e preservou isso sempre em seus cânones e regras, e a atual disciplina eclesiástica em suas leis ainda dá a reverência que deveria ao nome de Pedro, do qual tem sua própria origem, para a antiguidade canônica (canonica antiquitas) quis que este apóstolo tivesse tal poder pelas decisões de todos (per, ou super sententias omnium), e pela promessa de Cristo nosso Deus, que ele deveria ligar e desligar, e uma condição igual de poder foi dada àqueles que com o seu consentimento receberam a herança de sua Sé. Pois ele mesmo tem cuidado de todas as Igrejas, e acima de tudo aquela em que ele se sentou, ele não sofre nada com seus privilégios ou decisões para ser abalado por qualquer vento, desde que ele estabeleceu isto no fundamento, firme e imóvel, de seu próprio nome, que ninguém correrá o risco de atacar precipitadamente.

“Desde então, Pedro é o chefe de tão grande autoridade, e confirmou os sufrágios de nossos antepassados ​​desde sua época, de modo que a Igreja Romana é confirmada por todas as leis e disciplinas, divinas ou humanas; cujo lugar nós governamos, e o Poder de cujo nome nós herdamos, como vocês não desconhece, meus irmãos, mas vocês o conhecem bem, e como bispos vocês são obrigados a conhecê-lo; mas, embora tal fosse a nossa autoridade que ninguém poderia reconsiderar nossa decisão, ainda não fizemos nada além do que nós próprios referimos para o seu  conhecimento por carta, dando valor à nossa irmandade, a fim de que, tivessem pensamentos em comum, não porque não soubéssemos o que deveria ser feito, ou porque poderíamos fazer algo o que poderia desagradá-los como sendo contrário ao bem da Igreja, mas nós desejamos tratar junto com você, um homem que foi acusado diante de você (como você mesmo escreveu), e que veio à nossa Sé afirmando que era inocente, não recusando o juízo sobre o seu recurso inicial; por sua própria conta chamando seus acusadores, e condenando as coisas de que ele disse que foi falsamente acusado por boato.

“Nós pensamos, e de fato sabemos, que toda a petição foi explicada em nossa carta anterior, e acreditamos que respondemos suficientemente às cartas que você escreveu em resposta. Mas nós desdobramos o rolo inteiro de sua carta que foi enviada mais tarde pelo diácono Marcelino. Você entendeu todo o texto de nossa carta como se tivéssemos acreditado tudo que Celestio falou e tivéssemos dado nosso assentimento, por assim dizer, a todas as sílabas sem discutir as palavras. Casos que precisam de um longo tratamento nunca são imprudentemente adiados, nem sem grande deliberação devem ser decididos qual julgamento final deve ser dado. Portanto, que sua irmandade saiba que nada mudamos desde que escrevemos para você ou você nos escreveu; [34] mas que deixamos tudo no mesmo estado em que foi quando informamos a sua santidade do assunto em nossa carta, a fim de que seu pedido sincero seja aceito. Adeus.

Papa Zózimo condena os hereges pelagianos no Tractoria

Não demorou muito para São Zózimo escrever uma carta muito diferente, a famosa tractoria ou tractatoria, que finalmente condenou os hereges. Que Mario Mercator conte a história:

Quando os bispos da África escreveram uma resposta expondo toda a causa que havia sido esmiuçada lá, enviando os atos de seus concílios que tinham sido realizados sobre ele, presente ou ausente, ele foi então chamado para uma audiência mais completa, para que ele pudesse acelerar e cumprir sua promessa de condenar os capítulos citados [de Paulino], e assim ser absolvido da excomunhão que ele havia recebido dos bispos africanos. [35] Mas não só ele não apareceu, mas fugiu de Roma, e por isso foi condenado pelo dito bispo Zózimo, de abençoada memória, num documento muito longo e completo, no qual estão contidos os capítulos de que foi acusado, e todo o caso do próprio Celestio e seu mestre, ainda mais depravado, Pelágio está claramente relacionado. Nestes escritos, notamos que exemplares semelhantes foram enviados aos bispos, às Igrejas do Oriente, à província do Egito, a Constantinopla, Tessalônica e Jerusalém.

Depois de citar passagens dos escritos de Pelágio, Mercator continua:

Todos esses capítulos estão contidos naquela carta do bispo Zózimo, de abençoada memória, que é chamada de tractoria, pela qual Celestio e Pelágio são condenados.” [36]

Aqui está o relato de Santo Agostinho a respeito de Celestio:

Quando depois que as esperadas cartas da África chegaram a Roma... então quando sua presença foi exigida, que por certas e claras respostas poderia ser trazido à luz se era enganosa ou ortodoxa, ele fugiu e recusou o exame. Se a decisão fosse adiada por mais tempo, não seria proveitosa para o bem dos outros, se não para sua própria obstinação e loucura”. [37]

E de Pelágio ele escreve:

Ele enganou o julgamento dos palestinos; portanto, ele foi absolvido lá. Mas a Igreja de Roma, onde você sabe que ele é bem conhecido, ele não poderia de forma alguma enganar, embora ele tenha tentado o seu melhor; mas, como eu disse, ele não poderia ter sucesso. Pois o bem-aventurado Papa Zózimo recordou o que seu antecessor, digno de imitação, tinha pensado de seus atos. Ele teve igualmente à opinião em conformidade com fé romana que merece ser proclamada no Senhor (praedicanda in Domino Romanorum fides); ele [Pelágio] viu o zelo comum inflamado em concordância contra o seu erro em nome da verdade católica. Pelágio viveu muito tempo entre eles, e suas doutrinas não podiam ser desconhecidas; e eles conheciam suficientemente bem Celestio para ser seu discípulo, a fim de serem capazes de dar um testemunho mais fantástico e firme do fato.” [38]

Mais adiante ele fala novamente da maneira pela qual Pelágio tentou enganar o “julgamento episcopal da Sé Apostólica” (ibid xvii. 19):

Ele pareceu por um tempo dizer o que estava de acordo com a fé católica [em sua carta e libellus], mas ele foi incapaz de enganar aquela Sé até o fim. Pois depois dos rescritos do Concílio Africano, província na qual suas doutrinas pestilentas haviam se infiltrado, mas que não haviam sido tão amplamente difundidas, outros escritos seus foram tornados públicos pelo cuidado de irmãos fiéis na cidade de Roma, onde ele havia vivido por um longo tempo, e se ocupado primeiramente com estes conversas e disputas. Estas foram anexadas pelo Papa Zózimo, para serem anatematizadas, as suas cartas que ele escreveu para serem difundidas em todo o mundo católico” (ibid xxi. 24).

O tractoria de Zózimo foi perdido e não sabemos sua data. O julgamento de Celestio seria naturalmente o mais breve possível depois de 18 ou 21 de março, quando o papa escreveu para a África. Isto está implícito nas passagens de Mercator e Santo Agostinho que acabamos de citar. Na verdade, o papa só esperava a resposta do concílio, e ele já havia esperado seis meses em vez de dois. Em todo caso, ocorreu antes de 30 de abril, pois naquela data um rescrito do imperador Honório expulsou Celestio, Pelágio e seus partidários de Roma; qualquer convocação a comparecer e qualquer condenação por falta de comparecimento deve ter sido anterior a isto, a menos que fosse uma mera farsa; enquanto Celestio poderia ser expulso depois que ele fugisse, como Pelágio, que não estava lá há anos.

Os irmãos Ballerini pensam que a convocação ocorreu dentro de uma semana depois da carta do papa, pois a Páscoa caiu em 7 de abril, e o Domingo de Ramos, 31 de março, seria o dia apropriado para absolver Celestio, para que ele pudesse comungar na Páscoa. Em si, isso parece mais provável. Só se pergunta por que o papa deveria ter escrito para a África sem esperar pelo resultado do julgamento alguns dias depois. Talvez, por prever que os africanos estivessem certos, preferiu enviá-los de imediato uma repreensão e uma desculpa, antes de ser obrigado a reconhecer o seu próprio erro. [39]

A decisão final do papa Zózimo será assinada por todos os bispos

De fato, nada poderia ser mais generoso do que a maneira como ele consertou o erro de seu bondoso coração, pois ele anexou as constituições do concílio africano, para serem assinadas por todos os bispos do mundo. Esta assinatura foi feita duplamente obrigatória por um segundo decreto do imperador Honório no ano seguinte; já obrigada como demanda papal. Ninguém vai supor que o Papa Zózimo considerasse que as assinaturas dos bispos dariam à sua decisão uma força ecumênica que de outra forma não teria. Era para ser uma notificação de um decreto, e a assinatura seria uma submissão, assim como um julgamento episcopal aumentando o peso moral do documento. A visão galicana não é mais aceita por outros contemporâneos do que por Santo Agostinho. Todos saúdam a decisão como final, [40] e nenhum coloca qualquer contestação no consentimento da cristandade como dando-lhe validade.

Pelo contrário, São Prospero diz que o papa “armou todos os bispos com a espada de Pedro”:

Africanorum conciliorum decretis beatae recordationis Papa Zosimus sententiae suae robur annexuit, et ad impiorum destruncationem gladio Petri dexteras omnium armament antistitum”. [41]

Mais uma vez, ele diz que a aprovação do concílio Africano foi uma condenação do Pelagianismo em todo o mundo:

Concilio apud Carthaginem habito ccxiv episcoporum, ad Papam Zosimum synodi decreta perlata sunt, quibus probatis, por totum mundum haeresis Pelagiana damnata est.” [42]

Assim, ele introduz uma citação da tractoria: “Sacrosancta beati Petri sedes ad uniuersum orbem sic loquitur”. [43] (A visão sagrada de Pedro, portanto, aborda o mundo inteiro.)

Marius Mercator escreve:

(A tractoria) foi enviada a Constantinopla e para todo o mundo, e foi fortalecida (roborata) pelas assinaturas dos Santos Padres. Juliano e seus cúmplices recusando-se a assiná-la, e consentir (consentaneos se facere) àqueles Padres, foram depostos não só por leis imperiais, mas também por decretos eclesiásticos, e banidos de toda a Itália. Muitos deles voltaram a si e, sendo corrigidos de seus erros, voltaram como suplicantes à Sé Apostólica, e sendo aceitos, receberam de volta suas Sés” [44]

A última parte da passagem é indicação suficiente de que “roborata” na primeira parte não significa um fortalecimento do fraco, mas um reforço para o forte. São Possídio, que foi um dos cinco bispos que enviaram a Santo Inocêncio uma carta comum, escreve em sua vida de Santo Agostinho:

E como esses hereges estavam tentando levar a Sé Apostólica à sua visão, os concílios africanos dos santos bispos também fizeram o possível para persuadir o santo Papa da Cidade (primeiro o venerável Inocente e depois seu sucessor, São Zózimo), que esta heresia devia ser abominada e condenada pela fé católica. E esses bispos de uma grande Sé (tantae sedis) condenaram sucessivamente, e os separaram dos membros da Igreja, dando cartas às Igrejas africanas no Ocidente, e às Igrejas do Oriente declararam que eles  deveriam ser anatematizados e evitados por todos os católicos (eos anathemandos et deuitandos ab omnibus Catholicis censuerunt). O julgamento pronunciado sobre eles pela Igreja Católica de Deus foi ouvido e seguido também pelo piedosíssimo Imperador Honório, que os condenou por suas leis, e ordenou que fossem tratados como hereges. Portanto, muitos deles retornaram ao seio da Santa Madre Igreja, de onde haviam perambulado, e ainda estão retornando, enquanto verdade da fé correta se torna conhecida e prevalece contra o detestável erro”. [45]

Claramente, São Possídio considera que os papas tinham o direito que reivindicavam, de decidir a fé para todos os católicos.

No último mês deste ano, 418, São Zózimo morreu, depois de uma doença prolongada. Ele está contado entre os santos, e a generosidade de seu caráter brilha sobre os desafortunados erros que preenchem seu curto pontificado, e cuja história não é pode ser ignorada. Seus contemporâneos, com exceção daqueles hereges aos quais ele era gentil demais, não têm nada além de elogios por sua memória.

Os Bispos Africanos escrevem ao Papa Zózimo

Enquanto isso, na África, outro grande concílio, desta vez plenário, estava sendo realizado. Foi aberta no dia primeiro de maio, a terceira carta de São Zózimo, repreendendo os africanos, chegando dois dias antes. Se é verdade que Celestio foi condenado antes do Domingo de Ramos, a notícia disso já poderia ter chegado. Em todo caso, sabemos que os primeiros cânones do concílio foram nove cânones contra os pelagianos, que Santo Agostinho descreve como um resumo das constituições do concílio anterior. Mais dez cânones sobre a disciplina foram redigidos, e finalmente foi aprovada uma resolução de que de cada província três delegados deveriam ser escolhidos para continuar o concílio, para que o restante dos bispos pudesse estar livres para retornar. É pouco provável que a tractoria tenha chegado neste momento, de modo que a carta em resposta foi sem dúvida enviada ao Papa por esses quinze deputados, [46] que incluíam os Primazes da África e Numídia, Aurelius e Donatian, com Agostinho e Alípio. Um fragmento da carta é preservado por São Prospero: Os bispos africanos, escrevendo em resposta ao mesmo papa Zózimo, e louvando-o pela salubridade desta sentença, dizem:

Como você colocou em suas cartas que ordenastes serem enviadas a todos, dizendo: ‘Pela assistência (instinctu) de Deus (pois todas as coisas boas devem ser encaminhadas ao seu Autor de quem elas sua origem), nós trouxemos todas essas coisas ao conhecimento de nossos irmãos e companheiros bispos. Isto nós entendemos assim: que você cortou, como se fosse de passagem, com a espada da verdade, aqueles que exaltam a liberdade do livre-arbítrio humano contra a assistência de Deus. Por que mais liberdade do que trazer todos esses assuntos ao conhecimento de nossa humildade? No entanto, você tem fiel e sabiamente visto que foi com a ajuda de Deus, e você verdadeiramente e com confiança disse isso...

Ainda em Cartago, Santo Agostinho dirigiu a Albina, Piniano e Melania os dois livros “De gratia Christi” e “De peccato originali”, dos quais tivemos ocasião de citar. Ele explica no primeiro as falácias na teoria da graça de Pelágio, e no último ele relaciona a recente condenação dos dois hereges, e explica o dogma do pecado original. Especialmente notável é a maneira em que Santo Agostinho defende a Santa Sé da acusação de ter aprovado o erro antes de condená-lo. Celestio  “não poderia enganar aquela Sé”; Pelágio “não poderia enganar essa Sé até o fim”. Santo Agostinho se esforça para refutar Pelágio com as palavras de Santo Ambrósio, porque Pelágio lhe fez os maiores elogios em seu livro sobre o livre-arbítrio. As palavras são:

Beatus, inquit, Ambrosius, in cujus praecipue libris Romana elucet fides, qui scriptorum inter Latinos flos quidam speciosus enituit, cujus fidem et purissimum in Scripturis sensum, ne inimicus quidem ausus est reprehendere.[47]

O bem-aventurado bispo Ambrósio, em cujos livros, principalmente, resplandece a fé romana, brilhou como formosa flor entre os escritores latinos; e sua fé e legítima interpretação das Escrituras nenhum inimigo ousou censurar [47]

Santo Agostinho continua: Ecce qualibus e quantis praedicat laudibus, e no próximo livro: Quem tanto praeconio laudauit. [48] Ele cita toda a passagem novamente em duas ocasiões distintas, [49] e refere-se a ela pelo menos dez vezes. [50] A inferência é que Santo Agostinho concordou com Pelágio que Romana fides [a fé de Roma] e integerrima fides [a fé de toda a Igreja] são sinônimos.

Santo Agostinho Elogia os Papas Santo Inocêncio, São Zózimo e São Bonifácio

O concílio acabou, Santo Agostinho foi por ordem do Papa Zósimo para Cesaréia, na Mauritânia, em uma missão desconhecida. [51] Ele também teve uma conferência com o Bispo Donatista Emérito, e estava muito ocupado. Ele se sentiu obrigado, no entanto, a responder a carta de um bispo Optatus, que o consultou se “criacionismo” poderia ser crido por um católico. Ele fala para ele de Pelágio e Celestio:

Pela vigilância dos concílios episcopais, com a ajuda do Salvador que guarda Sua Igreja, foram condenados em todo o mundo cristão por dois venerados bispos da Sé Apostólica, papa Inocêncio e o papa Zózimo, a menos que se arrependam e façam penitência” [ 52]

Ele cita uma passagem da tractoria e comenta:

Nestas palavras da Sé Apostólica, tão antiga e fundada, tão certa e clara é a fé católica, que seria um pecado para o cristão duvidar dela.” [53]

Não podemos ignorar a expressão “palavras da Sé Apostólica"; elas significam “as palavras autorizadas do sucessor de Pedro”, não meramente a doutrina de um eminente bispo.

Retornando a Hipona, Santo Agostinho encontrou aguardando o uma carta de Marius Mercator, junto com um livro dele contra o pelagianismo. Ele responde calorosamente, elogiando o zelo de seu querido filho por sua conversão. [54] Sem dúvida é por causa deste encorajamento que devemos os escritos de Marius, tantas vezes citados acima.

A inocência de Pelágio tinha sido defendida em Roma pelo padre Sisto, depois tornado papa São Sisto III, que confirmaria o Concílio de Éfeso. Ele agora renunciou publicamente sua defesa, e Santo Agostinho escreveu-lhe uma carta de felicitações (Ep 191). Sisto respondeu, e Santo Agostinho escreveu uma longa resposta, na qual ele diz:

Devemos reconhecer à sua caridade que ficamos muito tristes quando haviam rumores de que você favorecia os inimigos da graça de Cristo. Mas que essa tristeza seja apagada de nossos corações, da mesma forma rumor semelhante declarou, primeiro, que você tinha sido o primeiro a pronunciar anátema contra eles em um aglomerado de pessoas. Agora, quando as cartas da Sé Apostólica sobre a condenação deles foram enviadas para a África, a sua carta ao venerável Aurélio também foi; e, embora curta, indicou suficientemente o seu vigor contra Mas agora, quando você escreve mais clara e totalmente a sua opinião sobre esse dogma, é a fé da própria Igreja Romana que fala - aquela Igreja à qual o Apóstolo Paulo falou em tal extensão da graça de Deus através de Jesus Cristo nosso Senhor”.

Por volta do início ou meio do ano de 419, duas cartas de autoria pelagiana (a atribuída a Juliano, bispo de Eclanum, e endereçada ao novo papa Bonifácio, a outra, por dezoito outros bispos desapropriados) foram muito lidas. A vigilância dos fiéis romanos levou-os ao conhecimento do Papa e enviou-os a Santo Agostinho por São Alípio de Tagaste, o famoso companheiro da conversão daquele santo, que estivera em viagem à corte de Ravenna e ficou um tempo curto em Roma. Santo Agostinho imediatamente escreveu os quatro livros Contra duas Epistolas Pelagianorum, e dedicou-os ao Papa nas seguintes palavras: [55]

Eu já o conhecia, ó beatíssimo e venerável papa Bonifácio, pela fama universal que proclamou o seu nome, e por muitas e muitas verdadeiras notícias eu sabia o quanto você estava cheio da graça de Deus. Mas depois que meu irmão Alipio te visitou. e você deu tantas amostras de carinho sincero, ele desfrutou do doce tratamento que inspira a caridade mútua, e, no pouco tempo que ele ficou na sua companhia, ele se juntou a você com muito carinho, juntando você e eu também em seu coração e trazendo você no dele, depois disso, eu digo, a fama de sua santidade cresceu em mim na mesma medida em que os laços de amizade foram confirmados. Porque você, que não é arrogante, embora tenha maior dignidade, não desdenha ser amigo dos humildes e sabe corresponder ao amor que eles professam. Pois o que é essa amizade, cujo nome é derivado do amor (amicitia, do amor), e que nunca é frutífero salvo em Cristo, somente em quem pode-se ser eterno e feliz?

Portanto, tomando maior confiança através de meu irmão, por meio do qual aprendi a conhecê-lo mais familiarmente, atrevo-me a escrever algo à sua beatitude sobre os assuntos que agora despertam todo o nosso cuidado episcopal para a vigilância em nome do rebanho do Senhor. ...

Uma vez que os hereges não cessam de atacar o curral do rebanho do Senhor, e procuram por toda parte à entrada, para que eles possam rasgar em pedaços as ovelhas compradas a um preço tão grande, e já que a torre de vigilância pastoral é comum a todos nós que ocupamos o ofício episcopal (no qual você, no entanto, é levantado em um pináculo mais alto), eu faço o que posso, na pequena porção daquele dever que me cabe, na medida em que o Senhor me dá poder, com a ajuda de suas orações, para fornecer antídotos e remédios para os escritos venenosos e insidiosos deles.

Esta resposta que estou enviando a eles às suas duas epístolas, uma das quais é dito ter sido enviada por Juliano a Roma, para, digamos, descobrir ou fazer partidários; a outra, que dezoito outros auto-intitulados bispos, que compartilham seus erros, ousaram escrever para Tessalônica, para tentar ganhar por seus artifícios não menos que o bispo daquela cidade, [56] esta resposta, então, eu decidi enviar a sua santidade, não que você possa aprenda com isso, mas que você possa examiná-la e, em qualquer coisa que possa lhe desagradar, corrija-a, pois meu irmão Alípio mencionou para mim que você se dignou a lhe dar as cartas que não poderiam ter chegado em suas mãos, mas a grande vigilância de nossos irmãos, vossos filhos. Eu agradeço a vossa cordial bondade, porque não desejastes que estas cartas dos inimigos da graça de Deus permanecessem desconhecidas a mim, quando encontrou meu nome abertamente caluniado.

Essa longa passagem, que não precisa de comentários, pode encerrar nossa série de extratos de Santo Agostinho, embora seus trabalhos contra essa heresia continuassem por mais dez anos, até a época de sua última doença.

 

História remanescente do pelagianismo após Agostinho

A história remanescente das lutas do pelagianismo com a Santa Sé exige apenas um breve resumo. Juliano de Eclanum, que se recusou a assinar o tratado, enviou um libelo ao papa na forma usual. Depois de uma confissão de fé, concluí com submissão:

Nós escrevemos e enviamos isto para sua Santidade, como lhe parece de acordo com a regra católica. Se você acha que deveríamos professar de outra forma, nos escreva uma resposta. Mas se é impossível nos contradizer, e ainda que alguns desejem suscitar escândalo contra nós, declaramos a vossa Santidade que apelamos ao plenário do concílio”.

Assim, ele não pensa em apelar para um concílio geral da decisão do papa, mas apenas para impor a hipotética aprovação do papa à sua doutrina. Santo Agostinho reduz a fala ao desejo de notoriedade. [57] Juliano prossegue explicando que sua razão para não assinar a carta do papa é sua relutância em condenar os inocentes não ouvidos, que haviam se purificado por libellus, e se declararam católicos. Nunca renunciará ao seu zelo pela justiça! [58]

O restante da vida de Pelágio, Celestio e Juliano é obscuro e sem importância. Daí em diante, o interesse se fixa na história dos semi-pelagianos, e isso não entra em nosso plano atual. Celestio foi novamente banido de Roma, por outra edição, [59] sob o papa Bonifácio. O Papa São Celestino também baniu os pelagianos e confirmou os decretos de seus predecessores. Ele enviou São Germano para a Grã-Bretanha como seu legado (vice sua mittit), [60] que havia sido escolhido, com Lupus de Troyes, para esta missão por um concílio na Gália. Assim, nossa ilha foi libertada da heresia à qual ela deu à luz e, pela aceitação de um representante papal, sua catolicidade é testemunhada.

Sob o mesmo Papa Celestino, o pelagianismo foi condenado pelo Concílio Ecumênico de Éfeso (431), que declarou em sua carta ao Papa que havia confirmado todas as suas decisões sobre o assunto. [61] Além disso, S. Prospero foi feito seu legado na Gália contra os semi-Pelagians, [62] e escreveu uma famosa carta aos bispos daquele país, aprovando os escritos de Santo Agostinho, que S. Prospero trata como um juízo final que deve calar para sempre a boca daqueles que lutaram contra eles: maleloquentiae est adempta libertas. [63]

Escrevendo seu livro conira Collatorem contra Cassiano, no tempo de Sisto III, o próximo Papa, S. Prospero afirma sua confiança:

 “que o que Deus tem trabalhado em Inocêncio, Zózimo, Bonifácio, Celestino, ele também trabalhe em Sisto, que possui a tutela do rebanho do Senhor, e está reservado a este pastor a glória especial de expulsar lobos escondidos, como eles fizeram aos descobertos.”

À carta de São Celestino à Gália está anexado em todos os MSS e edições uma curta coleção de citações de decisões recentes da Sé Apostólica. Parece mais provável que este apêndice tenha sido composto por S. Prospero. [64] Ele testifica não apenas a crença de seu autor na infalibilidade da Sé Romana, mas também a profissão dessa mesma crença na Gália, e declara que qualquer um que desobedece é herege. O trabalho é uma defesa da doutrina de Santo Agostinho, apelando para a autoridade superior; e ninguém pode supor que o autor não acreditasse que o santo, recentemente morto, tivesse tido a mesma visão que ele da autoridade da Santa Sé em questões de fé, uma visão na qual ele supõe que todos os católicos concordem. A introdução começa assim:

Como muitos que ostentam o nome de católico permanecem nas opiniões condenadas de hereges, seja por maldade ou por falta de sabedoria, e pretendem disputar com devotos defensores da fé; e desde que, enquanto não hesitam em anatematizar Pelágio e Celestio, eles ainda acusam nossos médicos de exceder a medida certa, e porque eles professam seguir e aprovar somente o que a mais sagrada Sé do bendito Apóstolo Pedro sancionou e ensinou contra os inimigos da graça de Deus pelo ministério de seus prelados, [ 65] tornou-se necessário investigar diligentemente o que os governantes da Igreja Romana julgaram sobre a heresia que surgiu em seu tempo, e o que eles decidiram que deveria ser considerado quanto à graça de Deus contra os perigosos defensores do livre-arbítrio. Ao mesmo tempo, acrescentaremos algumas decisões dos concílios africanos, que os prelados apostólicos, de fato, fizeram quando decidiram aprová-los. Portanto, para que aqueles que duvidam de qualquer ponto possam ser instruídos, trazemos as constituições dos santos padres em uma tabela comparativa, para que qualquer um que não seja excessivamente contencioso possa reconhecer que toda a disputa é resumida na citações curtas conjugadas, e que nenhuma razão para contradição permanece para ele, se ele acredita e professa como católicos.

O autor dá quatro pequenos trechos das cartas de Santo Inocêncio aos concílios de Cartago e Milevis, e os próximos dois da carta de São Zózimo “aos bispos do mundo inteiro”. Ele acrescenta a um deles o comentário dado pela resposta do concílio africano (que citamos acima de S. Prospero, contra Collatorem). Em seguida, ele faz uma citação do concílio cartaginês de 214 bispos, dizendo: “Quasi proprium Apostolicae Sedis amplectimur”. Depois destas “sanções invioláveis da abençoadíssima Sé Apostólica” (beatissimae et Apostolicae Sedis inviolabiles sanctiones), ele se refere à intercessão costumeira na Missa, e à lei do batismo infantil como testemunhando o mesmo efeito, e conclui, que ele deixa de lado questões mais sutis, pois:

Acreditamos ser amplamente suficiente em tudo que os escritos da Sé Apostólica nos ensinaram, de acordo com as regras acima mencionadas; de modo que nós absolutamente consideramos como não católico qualquer coisa que seja vista como contrária à decisão que acabamos de citar.”  (satis sufficere credimus quicquid secundum praedictas regulas apostolicae sedis nos scripta docuerunt; ut prorsus non opinemur catholicum, quod apparuerit praefixis sententiis esse contrarium)

Com essa estimativa da autoridade do papa Santo Inocêncio e do papa São Bonifácio, podemos concluir. Aqueles que se importam em ler os documentos (dados no apêndice de Santo Agostinho, volume x) sobre os semipelagianos, encontrarão mais uma vez toda a questão referida ao sucessor de Pedro por um bispo africano, Possessor; enquanto o famoso segundo concílio de Orange, cujos decretos são geralmente aceitos pelos anglicanos da Igreja Suprema, foi confirmado pelo papa Bonifácio II a pedido de seu presidente São Cesário de Arles, e assim o último fantasma do pelagianismo foi deposto, até que o moderno o racionalismo negasse novamente a necessidade da graça de Deus.

 

NOTAS


[1] De Acordo com o reconhecimento de Coustant

[2] Zózimo, Epistola I, Migné, vol XX, p. 462

[3] São Leão (Ep x, 4) declara que nenhum bispo de Arles antes de Pátroclo exerceu o direito.

[4] Assim, S. Prospero, Chron PL II, p. 578

[5] PL II, p. 86

[6] M. Mercator, Commonitorium, c. 3

[7] Zózimo, Ep 2 (em App Aug vol x, p. 1719).

[8] Do Pecado Original XXIII, 26.

[9] Do Pecado Original VI, 6.

 [10] Do Pecado Original VI-VII, 6-8, p. 388-9.

[11] O libelo de Paulino é dado adiante. Conta de Mercator encontrada em Common PL vol XLVIII, p. 75 e App Aug vol x, p. 1687. Refutação ao Dr. Bright e Tillemont omitido.

[12] Conta as Duas Epistolas dos Pelagianos II, 3, 5, p. 575

[13] l.c. p. 575. Muito omitido.

[14] Nas cartas para ambos os concílios, ver Conta as Duas Epistolas dos Pelagianos 1. para citar

[15] De pecc orig i-iv, p. 385-7.

[16] Veja a passagem citada App Aug vol x, p. 1723

[17] Então os Ballerini mostraram, Opp St. Leon vol iii, p. 853 (1012).

[18] Aug vol x, p. 1721

[19] Ver artigo de Chapman "Papa Zósimo e o C. de Turim" em Dublin Rev Oct 1904, e Duchesne em Rev Hist 1905, p. 278

[20] De gratia Christi xxx, 32; Do pecado original XVII, 19.

[21] Em agosto vol x, p. 1716

[22] veja Aug De gr Christi xxxii, 35.

[23] A seqüência de eventos é difícil de seguir com certeza. Muito omitido.

[24] O fato desta carta é reunido a partir da resposta de Zósimo de 18 ou 21 de março.

 [25] Do pecado original vii, 8; viii, 9; xx, 24; Ep 215,2; etc.

[26] C. Coll v, 15 PL vol li, p. 319 (227), ou em Aug vol x, p. 1724 e 1808.

[27] C. duas Ep Pel II, iii, 5.

[28] Do pecado original VIII, 9.

[29] ibid xxi, 24.

[30] Compare a sentença final de Pelagius libellus, citada acima.

[31] Libellus Paulini diaconi, em agosto vol x, p. 1724

[32] Então Mercator, id uehementius expectabatur. Commonit cap I.

[33] Outros exemplos são Rufinus mais cedo, e Bachiarius mais tarde, ambos existentes.

 [34] Leia com o Ballerini, l.c. iv, p. 585 (1015): Nihil nos post illa qua uobis scripsimus uel litteras uestras quas accepimus.

[35] Em 411. Isso nunca havia sido removido, embora Celestius o tenha ignorado até ser confirmado por St. Innocent.

 [36] Commonit c. Eu, PL vol xlviii, p. 78; e em agosto vol x, p. 1687

[37] Contra duas Epistolas de Pelágio II, 3,5 p. 574

[38] Do pecado original VIII, 9 p. 389

[39] Nota técnica longa sobre a data omitida.

[40] Ag. Retirar ii, 50 vol i, p. 650

[41] C. Collat ​​xxi (xli), 57 p. 362 (271) ou App vol x, p. 1831

[42] Chron ad an 418, p. 740 (591); Aug ibid p. 1724

[43] C. Collat ​​xv e cf. Carmen de Ingratis, i. Muito omitido.

[44] Commonit vi, 10 e ib PL 48 p. 107 e Aug vol x, p. 1689

[45] Possidius, Vita Aug xviii (vol i, p. 48).

 [46] As palavras de Aurelius em latim omitiram.

[47] De gr Chr XLIII, 47 p. 381

[48] ​​ Do pecado original XLI, 47-8 p. 409-10.

[49] De nupt e conc I xxxv, 40 p. 436 e C. Jul I vii, 30 p. 661

[50] De nupt e II xxix, 51 p. 466; C. duas Ep Pel IV xi, 29; C. Jul I vii, 35, p. 666 e 44 p. 671. Ibid II v, 2 p. 681 etc. O orgulho de São Jerônimo na fé romana é contínuo.

[51] Epistola 190,1; cf. Epistola 193,1 e Retratações II, 51; Possidius Vida de Santo Agostinho 14.

[52] Epistola 190,22.

[53] Epistola 190, 23. vol ii, p. 866.

[54] Epistola 193

[55] Contra os Pelagianos Livro I, 1

[56] Legado Metropolitano e Papal.

[57] Contra os Pelagianos IV xii, 33 p. 638

[58] App vol x, p. 1732-6.

[59] S. Prospero, em Chron e 429.

[60] ibid, p. 1755

[61] S. Prospero (c. Coll xxi 58; l.c. p. 1831) somas da ação de São Celestino. Latino omitido.

[62] Prospero, Resp cap ad Cap (ibid, p. 1843), e Celestino Ep XXI ad Gallos, PL 50, p. 528

[63] A continuação da passagem já citada. O todo deve ser lido.

[64] Então, Coustant. omitido.

[65] Cf. Aug Op Imperf VI, XI p. 1520

 

PARA CITAR


 

CHAPMAN, Dom Jhon. O Papa Zózimo e o Pelagianismo. Retirado do Livro "Studies On Early Papacy". Disponível em: <>. Desde: 06/05/2019. Traduzido Por Rafael Rodrigues.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS