São Cipriano e o Primado Romano

Estudos Patrísticos
Typography

INTRODUÇÃO


Durante séculos, tem sido comum na Inglaterra, falar da “teoria Ciprianica do episcopado”. Desde o tempo da “reforma”, anglicanos episcopais têm apelado ao grande mártir de Cartago como testemunha de sua própria teoria do governo dos bispos sem um Papa. O estudo “ciprianico” tem sido uma especialidade Anglicana, desde os grandes nomes como Dodwell, Pearson e Fell até o Arcebispo Anglicano Benson em nossos dias, além de inúmeros controversialistas.

Na Alemanha, por outro lado, para os protestantes já não atribuem importância às opiniões de São Cipriano, pois luteranos não estão tão ansioso para reivindicar do seu lado o terceiro século, nem São Cipriano foi de qualquer utilidade a eles em qualquer caso. Consequentemente, um número de autoridades protestantes alemães teve a mesma estimativa de suas opiniões como católicos têm. É de notar que muitos católicos têm exagerado ao afirmar São Cipriano como testemunha das doutrinas “ultramontanistas”, o que ele não ensinou. E eles podem ser também, em certa medida, responsáveis pela reação do Dr. Koch, que publicou um estudo sobre São Cipriano em alemão, o qual reproduz os principais argumentos que têm sido por muito tempo muito familiares na Inglaterra e tão pouco ouvidos na Alemanha.[1] O professor Koch escreveu abstemiamente e com cuidado, e estudou seu tema. Eu não acho que ele tenha dito nada de muito novo. Mas ele é um pouco mais rígido e rigoroso do que a maioria dos anglicanos aventurou a ser em suas teorias.

A teoria examinada: “Pedro é o “Primeiro” significa prioridade de tempo”?

Prof. Koch começa dando uma interpretação do quarto capítulo da famosa De Unitate (Da Unidade da Igreja Católica), com a qual não posso concordar totalmente. Ele cita a explicação de Poschmann, e comenta assim:

Isso é até aqui verdade, que Cipriano faz distinção entre o edifício da Igreja sobre Pedro e a comissão do poder das chaves, ele reserva o primeiro a Pedro, e deixa o outro ser recebido por outros Apóstolos também. Correto também é a comparação: super unum ecclesiam aedificat - unitatis originem ab uno incipientem sua auctoritate disposuit - exodium ab proficiscitur unitate. Mas justamente esta comparação mostra como Cipriano entende super unum ecclesiam aedificat. Esta cláusula tem a sua interpretação nas outras duas cláusulas, e significa simplesmente: a construção da Igreja começa com um (einem mit)”.

Não mit mas auf, e isso faz toda a diferença: sobre um, não com um. Cipriano nunca pensou de Pedro como a primeira das pedras fundamentais a serem estabelecidas, mas como a rocha sobre a qual as bases são lançadas. Você não pode começar a construir com uma pedra; Você começa a construir sobre a Rocha! Firmiliano entendeu a passagem, com razão, quando disse: super quem fundamenta ecclesiae collocata sunt. “Sobre quem os fundamentos da Igreja foram estabelecidos”. Koch continua (p. 13):

O Senhor poderia ter entregado o poder das chaves para todos os apóstolos de uma vez. Mas deu plenos poderes primeiro a Pedro, e só depois para o resto dos Apóstolos, a fim de que ele pudesse mostrar claramente que a Sua Igreja deveria ser una.

E (p. 14):

Como uma distinção para Pedro resta apenas a prioridade do momento de sua investidura com o poder das chaves, a lembrança da unidade numérica de curta duração da autoridade apostólica, e a exemplificação, que foi, assim, criada para todos os tempos, da unidade moral da Igreja. Neste sentido Pedro é para todos os tempos ‘o fundamento da Igreja’, o homem ‘super quem aedificauit Dominus Ecclesiam’”.

São Cipriano não diz explicitamente isso. Será que ele quer dizer isso? Há boas razões, penso eu, para duvidar.[2] A priori, podemos argumentar que é uma explicação muito forçada da “rocha sobre a qual a. Igreja é edificada”, dizer que ela significa que um homem por um curto período de tempo, enquanto o nosso Senhor ainda estava na terra, possuía nominalmente (mas sem exercê-lo), o governo supremo da Igreja. Eu acho que não me sentiria confortável em uma casa construída sobre uma rocha temporária.

 

EPÍSTOLA 73 E O PODER DOS BISPOS


Eu admito que para Cipriano Mateus 16, 18 “não é um projeto de lei promissório para um tempo futuro, mas uma tomada de real sobre a autoridade.”. Mas desta passagem não poderíamos reunir muito: é a partir da Epístola 73 que nós aprendemos isso diretamente. Cipriano não está falando lá da unidade da Igreja, nem do episcopado, mas do poder dos bispos sozinhos para perdoar os pecados:

Nam Petro primum Dominus, super quem aedificauit ecclesiam et unde unitatis originem instituit et ostendit, potestatem istam dedit ut id solueretur quod ille soluisset. Et post resurrectionem quoque ad Apostolos loquitur dicens...

Mas é claro onde e por quem pode ser dada a remissão dos pecados, isto é, a remissão que é dada no batismo. Primeiro, o Senhor deu esse poder a Pedro sobre qual ele construiu a Igreja e quem constituiu e declarou a origem da unidade, que o que ele desligasse fosse desligado. E, depois da ressurreição, ele fala aos apóstolos também dizendo...” (Epístola 73, 7)

Mas, certamente, temos que presumir que na ideia de Cipriano Mateus 16, 18 “deu um poder”, que não era para ser exercido ainda, enquanto João 20, 21ss, era uma investidura real; pois ele não era ignorante de Mateus 18, 18, onde antes da ressurreição, o Senhor diz a todos os apóstolos palavras não meramente equivalentes, mas a mesma que ele havia recentemente dirigida ao Pedro. Consequentemente, devemos supor que ele prefere citar João 20, 21 porque essa ocasião solene foi uma investidura real dos Apóstolos com um poder real, não um poder meramente futuro. É inconcebível que ele deveria ter considerado Pedro como o único detentor do poder de ligar e desligar a partir da promessa ou dom em Cesaréia de Filipe até depois da ressurreição, como se o texto Mateus 18, 18 fosse inexistente!

A Epístola 33 e a Sucessão Apostólica

Atrevo-me a sugerir que é uma pena Koch não tratar a visão de Cipriano sobre Pedro cronologicamente, e que ele teria feito bem em considerar Epístola 33 antes de vir a De Unitate. Nessa carta, o que Koch tem frequentemente citado, mas nunca discutido, não há questão da unidade da Igreja, mas apenas da autoridade do bispo, que tinha sido atacada pelos problemas de uma “indulgência”, em nome da Igreja, sem o conhecimento de Cipriano. Ele está indignado por ter sido, portanto, ignorado:

Dominus noster, cuius praecepta metuere et seruare debemus, episcopi honorem et ecclesiae suae rationem disponens in euangelio loquitur et dicit Petro: "Ego dico tibi . . . etc . . . et in caelis." Inde per temporum et successionum uices episcoporum ordinatio et ecclesiae ratio decurrit ut ecclesia super episcopos constituatur et omnis actus ecclesiae per eosdem praepositor gubernetur. Cum hoc ita diuina lege fundatum sit, miror quosdam audaci temeritate...

Nosso Senhor, cujos preceitos e admoestações devemos observar, descrevendo a honra de um bispo e a ordem de Sua Igreja, fala no Evangelho, e diz a Pedro: ‘Eu ti digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela e eu ti darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na. terra será desligado no céu.’ Daí, através das mudanças dos tempos e das sucessões, a ordenação de bispos e do plano dos fluxos partir da Igreja, de modo que a Igreja se funda sobre os bispos, e cada ação da Igreja é controlada por estes mesmos governantes. Uma vez que esta, então, está fundada sobre a lei divina, admira-me que alguns, com ousada temeridade, optam por escrever a mim como se escrevessem em nome da Igreja; Quando a Igreja está estabelecida no bispo e no clero, e todos os que estão firmes na fé.” (Cipriano, Carta 33 (26), aos apostatas AD. 250)

Aqui não há nada sobre pos Resurrectionem; o texto de Mateus 18, 18 é a carta de monopiscopado totalmente além de qualquer consideração de Pedro possuir seus poderes sozinho por um determinado período. O poder dado a Pedro de ligar e desligar é o poder episcopal. O que é mais importante é que a fundação da Igreja sobre bispos: et ecclesia de super episcopos constituatur, e o significado de “e baseando na” é explicado como “sendo governado por’. Bispos são sucessores dos Apóstolos [Ep 3, 3; 45, 3; etc]; mas, até aqui o caráter monárquico do episcopado está em causa, eles são bastante claros para Cipriano, os sucessores a posição única de Pedro como pedra sobre a qual está construída a Igreja, que ele não tem em comum com os outros Apóstolos, como Koch permitiu.

Mas será que é consistente com isto dizer: “Como uma distinção para Pedro resta apenas a prioridade do momento de sua investidura”? Se Pedro é o fundamento apenas no sentido de que ele foi sozinho por um tempo o titular dos poderes episcopais, como a Igreja pode ser “fundada sobre os bispos”? Certamente os bispos não zeitliche Prioritat! Não é bom para Koch explicar que Pedro recebendo sozinho os poderes episcopais é o tipo do bispo - todos podem ver isso, e ninguém nega - mas Koch explicou que “ser uma fundação” significa ser primeiro em ordem de tempo, e é equivalente a unitatis originem ab uno incipientem compreendido de tempo, num sentido transiente, e exodium ab unitate no mesmo sentido transiente. Aplicar isto aos bispos, e que tem a sensação de “bispos são o fundamento da Igreja como tendo autoridade primeiro em ordem de tempo!” Se Cipriano realmente falava de prioridade de tempo por fundamento, ele poderia nunca ter pensado em dizer que a Igreja foi fundada sobre os bispos.

São Pedro é pastor e fundação.

No tratado De Habitu virginum [C. 10] que é, sem dúvida é anterior a De Unitate, Cipriano diz:

Petrus etiam, cui oues suas Dominus pascendas tuendasque commendat, super quem posuit et fundauit ecclesiam”

Pedro também, a quem o Senhor recomenda suas ovelhas para serem alimentadas e protegidas, sobre quem ele colocou e fundou a Igreja...

Agora Cipriano como habitualmente, diz que Cristo fundou a Igreja sobre Pedro, quando ele menciona esse Apóstolo, e é certo que ele considerava isso como uma prerrogativa especial de Pedro. Aqui ele nomeia o encarregado de alimentar as ovelhas com uma distinção honrosa pertencente somente a Pedro. Ele, sem dúvida, pensou que essa investidura a Pedro foi dirigida aos bispos em sua pessoa, pois é impossível considerar todas as suas expressões sobre bispos como pastores de um rebanho a serem proveniente exclusivamente de João 10; ao invés disso a aplicação de bispos é a partir do capítulo 21, e a unidade do rebanho a partir do capítulo 10. Podemos supor que ele não sabia que a investidura somente a Pedro no capítulo 21 foi posterior à investidura de todos os Apóstolos no capítulo 20? Isso seria ainda mais violento do que supor que ele sempre esquecia Mateus 18, 18!

Epístola 43: Uma Igreja e uma cátedra fundada sobre a rocha (Pedro)    

Pouco antes da De Unitate, Cipriano escreveu a Epístola 43, que foi na realidade a base deste livro. Nela nós encontramos:

"Deus unus est et Christus unus et una ecclesia et cathedra una super Petrum Domini uoce fundata. Aliud altare constitui aut sacerdotium nouum fieri praeter unum altare et unum sacerdotium non potest. Quisque alibi collegerit spargit.

“... Eles, que se afastaram da Igreja, não permitem que a Igreja se lembre e traga de volta os apóstatas. Há um só Deus, e um só Cristo, e uma Igreja, e uma cátedra fundada pela voz do Senhor sobre a rocha. Outro altar não pode ser posto, nem um novo sacerdócio feito, além do altar único altar e do único sacerdócio.” (Epístola 43 (39), 5)

Aqui nos é dito, como se o argumento não precisasse de desenvolvimento, que uma Igreja e uma cadeira (ou seja, o caráter monárquico do episcopado) foi fundada sobre Pedro. Mais uma vez - como na Epístola 33 - nenhuma palavra sobre prioridade de tempo. A fundação sobre Pedro é realizada para provar da mesma forma tanto a unidade da Igreja quanto a monarquia do bispo. O que é quer dizer? Parece-me bastante claro que Cipriano quer dizer que Pedro tanto quanto o bispo é uma garantia permanente não transitória da unidade do edifício que se ergue sobre uma única pedra.

 

SOBRE A OBRA A UNIDADE DA IGREJA CATÓLICA: SOBRE UM [PEDRO] CRISTO CONSTRUIU SUA IGREJA


Em seguida, a fim voltamos para De Unitate 4.
 

"O Senhor disse a Pedro: ‘Digo-te (disse Ele) que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Inferno não prevalecerão contra ela.’ E, embora a todos os apóstolos conferido o poder mesmo após ressurreição diz: ‘Como o Pai me enviou, eu também vos envio. Recebei o Espírito Santo. “Se a alguém perdoar-lhe os pecados serão perdoados; se a alguém retiveres serão retidos”, no entanto, para mostrar a unidade estabeleceu uma cátedra, e com a autoridade determinou que a origem desta unidade empezasse por um. É verdade, que o mesmo que Pedro, eram os outros Apóstolos, adornados com a mesma proporção de honra, e poder, mas o princípio é derivado da unidade. A Pedro foi dada a primazia, para manifestar que a Igreja é uma em Cristo... Aquele que não tem esta unidade da Igreja, crer ter fé?... Quem se opõe e resiste à Igreja tenha confiança de estar dentro da Igreja? [...] O episcopado é um só, que é parcialmente propriedade por cada[...] A Igreja também é uma, que estende a sua fertilidade prodigiosa no meio da multidão, a maneira que muitos raios do sol, e um só sol, e muitos ramos de uma árvore, mas um só trono é fundada no tronco raiz, e quando vários córregos vêm da mesma fonte, embora seu número aumente com a abundância de água, preserva a unidade de sua origem.”(De Unitate 4, 5).

A estrutura da passagem é bastante fácil de analisar:

(1) Introdução: Tractatu Longo atque argumentis opus non est... (Se alguém considerar e examinar essas coisas, não há necessidade de alogar a discussão e os argumentos. Há uma prova fácil para a fé em um resumo da verdade...)

(2) Argumento: Loquitur Dominus ad Petrum: ‘Ego dico tibi... et em Caelis.’ SVPER VNVM AEDIFICAT Ecclesiam. (O Senhor diz a Pedro: ‘Eu te digo’, diz ele, ‘que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja...’ etc em cima de um [Pedro] ele edifica a Igreja.)

(3) Objeção: apostolis Quamuis omnibus parem potestatem tribuat... tenebuntur. (e que a todos os apóstolos, depois da ressurreição, ele dá um poder igual e diz [citação de João 20, 21-23]...)

(4) Resposta: ut Tamen unitatem manifestaret, unitatis eiusdem originem ab uno incipientem sua auctoritate disposuit. ( ...ainda, a fim de que ele possa deixar clara a unidade, por sua autoridade, ele colocou a fonte da mesma unidade, começando de um [Pedro] ...)

(5) Repete a objeção: Hoc erant Utique et ceteri apostoli quod fuit Petrus, pari consortio praediti et honoris et potestatis. (Certamente os outros apóstolos eram o que Pedro era, dotado de igual comunhão tanto de honra e de poder...).

(6) Resposta repetida: Sed exórdio ab proficiscitur unitate... ( ...mas o princípio é derivado da unidade, para que uma Igreja de Cristo possa ser mostrada...)

Agora Koch faz a objeção parte integrante do argumento: “que só no início Pedro era o que os outros apóstolos só tornaram-se mais tarde”. Mas isso não condiz com a estrutura da frase, e as passagens anteriores nos ensinaram que todo o argumento está contido em Mateus 16, 18-19. Ele se resume em quatro palavras Super Vnvm Aedificat Ecclesiam (em cima de um constrói a igreja). A objeção não tem a intenção de tornar o argumento mais claro. Pelo contrário, é uma objeção que se apresenta (ou muito provavelmente foi instado pelo Felicíssimo ou cinco sacerdotes rebeldes) e devem ser atendidas de alguma forma. As respostas são realmente nada mais do que reiterações de Super Vnvm Aedificat Ecclesiam em linguagem pesada e pomposa. Se Cipriano quis responder: “De qualquer forma, Pedro foi o primeiro a receber o poder, e é isso que eu quero dizer com ele ter a Igreja construída sobre ele”, poderia ter dito tão claramente, que ele teria sido uma completa mudança de sua visão nas Epístolas 33 e 43. Mas suas palavras estão longe de ter tal significado na superfície.

Analisando a solene métrica mais de perto Sua Auctoritate Disposuit: Devemos entender: “Ele fez por Sua autoridade a disposição que Pedro fosse o primeiro em ordem de tempo”? Certamente é estranho invocar “disposição de autoridade” para uma precedência meramente típica e alegórica! E exórdio ab proficiscitur unitate - podemos interpretar: Exordium - a primeira doação do poder, proficiscitur - leva o seu início, ab unitate - a partir de um único indivíduo? Não é isto um exagero? Certamente ab uno significa “de Pedro considerado como o Rocha” e Ab Unitate significa “da unidade de um homem que é a rocha”.

Eu parafrasearia as duas respostas mais ou menos assim: “Que Ele pode fazer a unidade manifesta, por sua autoridade ele ordenou para esta mesma unidade uma origem começando por um, ou seja, ele construiu a sua única Igreja sobre um” e “mas o início da Igreja tem o seu início a partir da unidade da único rocha”. Eu não acho que Cipriano queria dizer mais do que isso. Zeitliche Prioritat nunca lhe passou pela cabeça; ele apenas repete o que havia de fato muitos Apóstolos com cordenação e jurisdição, mas apenas uma rocha: super unum aedificat ecclesiam (sobre um Ele edifica a Igreja).

A prioridade do tempo permanece?

Em que essa prerrogativa de Pedro consiste? “Nada permanece”, diz Koch, “mas prioridade de tempo.” Eu dei motivos suficientes para mostrar que a prioridade de tempo não permanece. O que resta é, obviamente, uma metáfora usada por nosso Senhor, o nome que ele deu a Pedro - isso por si só é suficiente para provar a unidade do edifício construído sobre ele, sem definir precisamente o que isso implica. A objeção não está realmente na questão, ela é posta de lado: “Sim, eu sei que todos eles tinham o mesmo poder, mas a Igreja está edificada sobre um.”. Eu acho que é inútil interrogar a passagem ainda mais, pois Cipriano nunca viu muito longe, embora ele sempre foi muito claro e lógico, na medida do que via. A falha de Koch, e um perdoável, é que ele tentou produzir um teoria completa do que está incompleto. Agora eu não quero cair no mesmo erro (eu me encontro constantemente à beira ou sobre o ponto em que escrevo), e, portanto, eu não vou tirar qualquer conclusão a partir desta passagem como além da posição de Pedro como centro da unidade Igreja; Eu só observo que há algo substancial e permanente sobre a rocha-base.

Mas eu acho que pode-se dizer que Cipriano não estava satisfeito com a passagem, e por esta razão reescreveu-a. Koch, de fato, não aceita as provas que eu dei em 1902-1903, de que a chamada “interpolação”, ou forma alternativa deste capítulo (De Unitate 4) foi realmente escrita por Cipriano. Eu não vou jurar isso. Mas eu simplesmente não consigo descobrir qualquer outra explicação dos fenômenos. As objeções levantadas por Koch não são muito importantes, e assim como Dr. Watson e Mgr. Batiffol, ele negligenciou um ponto que sempre me pareceu de primeira importância: a variedade de leituras no capítulo 19. O texto de Hartel desse capítulo faz o lapsi “aqui” e os schismatics “lá”; no MSS. que tem as “interpolações", encontramos todos os sucessivos hics e illics trocando os cismáticos estando “aqui” e os apostatas são removidos para “lá”; Isto parece implicar adaptação a um cisma que não foi em Cartago, mas no momento em que os apóstatas cartaginêses ainda estavam lamentando seus erros; deve, portanto, (até onde eu posso ver) ser uma mudança contemporânea, e uma mudança feita pelo compositor da versão alternativa de Capítulo 4, uma vez que é testemunhado pelos mesmos códices. Além disso, ambas as alterações parecem destinar-se contra o novacianismo.

Outro argumento tem mais força do que Koch percebeu. Eu dei muitas passagens paralelas de São Cipriano, com a intenção de mostrar como a versão alternativa está saturada com expressões “Ciprianicas”, que o resultado foi bastante confuso. Vou aqui dar paralelos cuidadosamente escolhidos, omitindo as mil e uma passagem distante semelhantes; Eu coloco a palavra da passagem alternativa em caixa alta, os paralelos também:

1. ET EIDEM POST RESURRECTIONEM  DICIT PASCE OVES MEAS.

petrus etiam cui OVES SVAS dominus pascendas tuendasque commendat. De hab. uirg. 10, p. 194.

 2.  UNAM TAMEN CATHEDRAM CONSTITVIT.

Una ecclesia et CATHEDRA VNA super Petrum  Domini ouce fundata. Ep. 43, 5, p. 594.

 3. (unitatis originem) ATQUE RATIONEM.

Una ecclesia... super Petrum origine unitatis ET RATIONE fundata. Ep. 70, 3, p. 769.

 4. SED PRIMATUS PETRO DATUR.

Nec Petrus... adsumpsit, ut diceret se PRIMATUR tenere. Ep 73: P. 773

 5. CATHEDRA VNA, como acima, n° 2.

 6 PASTORES SVNT OMNES SED GREX UNUS OSTENDITVR.

Et Si PASTORES multi sumus, UNUM tamen GRECEM PASCIMVS Ep. 68, 4, p. 747.

 7. QVI AB APOSTOLIS OMNIBUS VNANIMI CONSENSIONE PASCATUR

Haec VNANIMITAS sub APOSTOLIS olim fuit. De Unit 25, p. 232. Coepiscoporum... quorum numerus...  concordi VNANIMITATE CONSENSIT. Ep. 55, 8. p. 629.

 8. QVI CATHEDRAM PETRI... DESERIT.

Ad PETRI CATHEDRAM atque ad ecclesiam principalem, unde unitas sacerdotalis exorta est,... Ep. 59, 14, p. 683.

 9. PETRI... SUPER QUEM FUNDATA ECCLESIA EST.

SVPER QVEM posuit et FUNDAVIT ECCLESIAM. De Hab. uirg, 10, p. I94, e frequentemente em outros lugares.

Agora, a doutrina desta interpolação é tão “moderada”, se o compararmos com, digamos, Santo Optato e Santo Agostinho, que é antiga; e é certamente contra Novaciano e não contra os donatistas. Ninguém, apoiando as reivindicações romanas, mesmo nos dias de Estevão teria sido tentado a dizer mais. Não é uma falsificação pró-roma.

Mas é impossível negar que cada expressão é “Ciprianica” (não estou falando da doutrina), e deve ter sido escrita por alguém que estava saturado com estilo de São Cipriano. Seria isso característico dos próprios discípulos de Cipriano? Não é verdade para Pôncio, pelo menos! Seria verdade de um aluno depois de Cipriano. Eu duvido.

É um falsificador inteligente com quem estamos lidando? Isso parece muito mais impossível, as passagens imitadas estão em todas as partes dos escritos de Cipriano. Um falsificador ou imitador deve ter consultado pelo menos os seguintes documentos:

De Habitu Virginum para I. (Nenhuma outra passagem é paralela).

Epistola 43, 5, para 2 e 5. (Nenhuma outra passagem é paralela).

Epistola 70  para 3.

Epistola 59, I4 para 8 (a única paralela).

Provavelmente também Ep. 71; e ele deve ter observado com atenção quão amante Cipriano é de unanimis e consensio, e como ele repetidamente fala da unanimitas dos tempos apostólicos. Os documentos não são de nenhuma forma encontrados juntos no MSS, De hab. Virg, pertencem ao grupo de tratados e cartas mencionadas por Pôncio; Ep. 43 pertence ao grupo que chamei Dg.; Ep. 70, 71 ao grupo batismal Cg; Ep. 59 ao grupo de Cornélio Bg. Estes não estão entre os grupos mais raros, é verdade, mas apenas um códice grande e abrangente conteria todos eles. O segundo destes grupos é, por exemplo, que falta na lista de Cheltenham (4 século, parece); o primeiro está faltando no famoso MSS. L e N; eles não estavam todos no arquétipo do MQ; nem todos estão em H, e assim por diante. Ainda assim, é não é forma improvável que o compreensivo MSS, do tipo de T, ou, pelo menos, MSS, contendo todos, possam ter existido em uma data próxima. A impossibilidade reside na ideia de que o imitador ou falsário deveria ter passagens de partes distantes de um MS combinado. Ou do MSS. Com essa simplicidade um sucesso, sem a introdução de uma palavra não Ciprianica. Ele produziu um conjunto harmonioso perfeitamente lógico. Ele ainda observou cuidadosamente as cadências métricas de seus finais com as que Cipriano era tão particular; isto foi recentemente apontado pelo padre L. Laurand SJ no Berliner Philologische Wochenschrift (1909, 7 de agosto p. 1016).

Agora estou muito impressionado com a maneira em que todos os dados da prova são contabilizados pela hipótese de que o próprio São Cipriano compôs a passagem alternativa. Esta suposição explica a alteração do capítulo 19, a data de início de acordo com a evidência do MS (Eu não espero que muitas pessoas a seguir isso), as primeiras citações e (sobretudo) a língua, pois Cipriano tinha o hábito de repetir-se, e é certeza de ter a mesma frase novamente, quando ele retorna a mesma ideia. Esta hipótese não parece deixar qualquer dificuldade séria, e eu fui incapaz de produzir uma teoria alternativa. Nenhum de meus corteses críticos, Dr. Watson e Prof Koch, sugeriram qualquer explicação. Até que outra teoria seja proposta, eu imagino, a minha vence. Mas isso depende inteiramente de provas circunstanciais, e é, portanto, passível de ser destronada, se uma hipótese melhor ou igualmente satisfatória for sugerida.

São Cipriano e a Primazia Romana

Até agora tenho falado apenas sobre assuntos de estudos, que pouco afetam a questão da opinião de Cipriano sobre o primado romano. Mas este último é o que interessa principalmente a Koch. Devo dizer que eu não acho que é uma questão muito importante. Há de fato muito espaço para diferença de opinião quanto aos detalhes. Mas o ponto principal é claro - Sobre um assunto importante Cipriano se recusou a aceitar a decisão do Papa, e enunciou a doutrina absurda de que os bispos devem concordar em discordar em todos os pontos onde a fé não entra. Isto é pelo menos o que suas palavras mostram, se transformarmos em uma teoria de governo da Igreja.

Mas eu sempre considero que este tipo de tratamento de Cipriano é injustificável. Ele era um homem prático, sem filosofia ou teologia. Suas generalizações são regras de trabalho para o momento, e não se aplicam para além das circunstâncias em relação ao qual ele estruturou-as. Sua visão era extremamente estreita, e sua lógica era muito míope. Em sua ira apaixonada pela irracionalidade (como ele pensava) do Papa Estevão, ele argumenta como se a tradição romana fosse heresia do caráter mais absurdo e blasfemo, mas ele acrescenta que cada bispo é livre para mantê-la se ele quiser – a visão romana corta na raiz da unidade da Igreja e, portanto, no chão de toda a verdade e de toda a autoridade, mas seria errado romper com um bispo que a mantém – o batismo pelos hereges contamina em vez de limpar, até mesmo o bispo é para rebatizar ou não como ele acha que deve!

As medidas que ele tomou no caso dos apóstatas são baseadas na propriedade, prudência e bondade, em vez de princípios teológicos. Não que ele não pudesse argumentar por princípio; pelo contrário, ele estabelece a lei e deduz a conclusão, sem ver o quão longe ele pode levá-la. Ele nunca percebe que sua teoria da independência dos bispos conduz à anarquia, e não poderia ser posta em prática por um único ano. Ele não percebe que sua doutrina da unidade da Igreja levou-o a heresia e cisma. Quando a tradição é citada contra ele, sua resposta é pronta: Tanto pior para a tradição! O que Irineu e o que Tertuliano disseram sobre tal doutrina?

Cipriano e Firmiliano

O contraste com Firmiliano é divertido. O capadócio não atropela a tradição, ele compara a tradição romana, com uma tradição asiática – isto é discutir como um clérigo. Ele aceita os argumentos de Cipriano contra Estêvão, mas racionalmente conclui: “Tu és pior do que todos os hereges”. Com a ameaça de excomunhão Cipriano, aparentemente, não está determinado a romper com Roma, mesmo que Roma rompesse com ele; mas Firmiliano não tem escrúpulos, para ele Estevão excomungou a si mesmo, é um cismático, também um herege - aqui novamente ouvimos um discurso clérigo. Em contraste com este grande bispo oriental, o mártir de Cartago é um recém-converso que dominou somente alguns princípios da Igreja e exagerou nesses poucos. Ele sabe que ele é supremo em sua diocese como bispo, e suas maneiras autocráticas despertam uma oposição feroz, apesar de sua santidade, a sua eloquência e da generosidade com que ele distribui sua riqueza.  A oposição faz ele agarrar-se mais à sua autoridade, ele faz a unidade da diocese e a monarquia do bispo, a mesma que a unidade de toda a Igreja, e o desprezo do poder do bispo é a raiz de toda heresia e cisma! O novacianismo lança a Igreja em um tumulto, e isso confirma a sua teoria, pois na sua origem o cisma novaciano era simplesmente uma questão de bispos rivais, e não de pontos de vista rivais sobre a penitência. Ele havia se defendido contra as invasões dos confessores, dos cinco sacerdotes opostas, do diácono Felicíssimo, e do bispo rival Fortunato, quando ele ainda estava mais rudemente perturbado com o edital de Estevão. É mais um ataque a seus direitos como bispo - isso é tudo o que ele vê. Seu principal argumento é que Estevão é ilógico e errado, mas ele acrescenta que a própria ideia de uniformidade em tal matéria é chocante, pois isto interfere com os direitos episcopais!

Isto é muito notável. Sabemos por Cipriano que Estevão emitiu um édito que ordenou a obediência sob pena de excomunhão. Aprendemos com Firmiliano que Estevão baseou seu decreto sobre um recurso a sua sucessão de Pedro. Quanto a estes dois pontos Firmiliano tem, naturalmente, uma resposta pronta: ‘a excomunhão recai sobre Estevão, e seu decreto mostra que ele não é um verdadeiro sucessor de Pedro’. Mas Cipriano não tem nada a dizer sobre qualquer ponto. Ele está irritado com a ameaça, mas permanece passivo; nunca vem a ele que ele está no mesmo caso que Privato de Lambese quando marcado pelas cartas de Donato de Cartago e Fabiano de Roma, ou como Marciano de Arles quando denunciou foi denunciado a Estevão pelo próprio Cipriano! E ele não lida com a afirmação do Papa para dar uma decisão vinculativa; sua resposta é simplesmente que ninguém pode interferir - ele nunca acrescenta, “nem mesmo o sucessor de Pedro”. Esta omissão é tão surpreendente que eu sempre entendi que significa que Cipriano nunca levou bastante na situação; ele nunca percebeu, como Firmiliano percebeu de uma só vez, que ali estava um comando de alguém que queria ser obedecido, ou ele teria negado as suas credenciais. Eu acho que ele estava muito convencido de que o Papa tem alguma esfera indefinida de autoridade, mas ele não deveria interferir com os direitos dos bispos como exercidos em Cartago!

Mas é um assunto prático, sem base em nenhuma teoria longa; pois ele afirma que, apesar de um grande número de bispos concordarem com Novaciano sobre a penitência dos apostatas, não têm direito à sua opinião, eles são hereges! Se os bispos do sul da Gália não podem se livrar de seu colega de Arles, o bispo de Roma é a pessoa para notificá-los de seu dever. Por que Marciano de Arles não deveria ser tão livre quanto Faustino de Lion para agir como quisesse sobre o decorrido? Não há nenhuma resposta, exceto que Cipriano de fato concordou com Estevão sobre o decorrido e discordou dele sobre o rebatismo. No caso dos bispos espanhóis que se dizia terem apostatado, ambos os lados tentaram levar o semblante ao Papa - Não vejo que estaremos dizendo muito, se nós chamamos isso de apelar a Roma.

Mais sobre a “Teoria do Episcopado” de Cipriano

Cipriano deve, penso eu, ter sido no momento cego pela raiva contra Estêvão, pois ele ouviu apenas um lado, e ainda declarou que Estevão tinha sido vilmente enganado! Ele vê que Estevão deu uma sentença formal; mas ele nunca nega o seu direito de fazê-la. No entanto, sua decisão é que o julgamento é errado e, portanto, não precisa ser acatado; os direitos do outro lado permanecem o que eram, mas esta é uma lei ruim.

Tanto os concílios não têm força convincente, quanto o Papa não precisa ser obedecido, a menos que se passe a concordar com ele, não há remédio para a doença. No entanto Cipriano tem total confiança na ordenação divina da unidade da Igreja, e em unanimidade moral dos bispos “juntos”. Temo que era a falta de experiência o que possibilitou a apresentar uma teoria que ninguém jamais idealizou antes ou depois. É por isso que eu acho que a “teoria do episcopado de São Cipriano” não tem nenhuma importância, exceto para sua própria biografia. Ninguém jamais teve isso, e o próprio Cipriano fez apenas como uma determinação prática: “Eu serei o mestre em minha diocese”, e não levou até as últimas consequências; ele não vê onde ele deve levar e ele não aplica- a outros bispos.

 

EPÍSTOLA 59: PARA A CÁTEDRA DE PEDRO E A IGREJA PRINCIPAL EM ROMA


É apenas quando percebemos quão fortemente Cipriano sentia sobre esta autoridade dos bispos que vemos o quão importante são as suas admissões e seus silêncios sobre o assunto de Roma. Aqui temos não a sua própria teorização, mas as visões eclesiásticas práticas que ele não podia evitar assimilar. O texto principal é Epístola 59, 14:

 Post ista adhuc pseudoepiscopo sibi ab haereticis constituto nauigare audent, et ad Petri Cathedram adque ad ecclesiam principalem unde unitas sacerdotalis exorta est ab schismaticis et profanis litteras ferre, nec cogitare eos esse Romanos, quorum fides Apostolo praedicante laudata est, ad quos perfidia habere non possit accessum”

 “Com um bispo falso apontado eleito por hereges, eles se atrevem a navegar e levar cartas de cismáticos e blasfemos para a cátedra de Pedro e à Igreja principal, em que a unidade sacerdotal tem a sua fonte; eles nem pensaram que estes são romanos, cuja fé foi elogiada na pregação pelo Apóstolo, e entre os quais não é possível a perfídia ter entrada.” (Cipriano, Carta 59 (54), 14)

Koch é obrigado a admitir que Cipriano vê em Roma uma dignidade peculiar, mesmo que não admitam autoridade; mas aos invés disso ele acha que a linguagem de Cipriano é outra e que chega a negar toda a autoridade acima dos bispos, e que ele fala de Roma como tendo apenas a supremacia moral e uma fama honrosa. É bem verdade, se formos levar seus protestos ocasionais sobre a independência dos bispos como seu pensamento uma completa, teoria lógica (e absurda). Mas mesmo assim, essa passagem é atribuída somente a Roma! A Tentativa de Koch de harmoniza-la com esta suposta teoria de Cipriano não é muito afortunada. Olhe para o contraste entre os “cismáticos e pessoas profanas” e a fé imaculada dos romanos, que o Apóstolo tinha elogiado 200 anos antes, onde a infidelidade não tem acesso.[3]

E por que tem essa prerrogativa? É a Cátedra de Pedro, sobre quem a Igreja foi construída, é assim a “Igreja primacial”, a partir do qual a unidade do episcopado teve sua ascensão. Não é cortá-lo pra melhor dizer que isto significa apenas que Pedro recebeu seus poderes apostólicos como um tipo de unidade antes dos outros apóstolos receberem o deles, consequentemente, a Igreja onde se estabeleceu mais tarde é dito ser “o lugar onde a unidade teve sua ascensão”? Eu não acho que eu poderia acreditar, por mais que eu tentasse. Eu não tento definir exatamente o quanto de São Cipriano queria dizer, mas ele quis dizer bem mais do que isso.
Eu posso parecer falar desrespeitosamente de um santo ilustre. Pelo contrário eu tenho defendido ele. Ele não era tão clarividente ou consistente como Koch pensa, mas ele tinha sentido muito mais comum, e sua devoção à unidade da Igreja harmônica, como Santo Agostinho viu, por sua paixão e exageros.

 

UMA NOTA PESSOAL


Estudei São Cipriano antes de me tornar católico. Fui apresentado a ele em uma faculdade teológica, onde me foi dito para entendê-lo da mesma forma que Koch entendia. Mas eu fiquei principalmente impressionado com seus argumentos sobre a unidade. Eu acho deles agora, depois de 20 anos o que eu achava antes: argumentos irrefutáveis para a verdade da Igreja Católica. Eu não estava e não estou preocupado com a sua oposição ao Papa - "quae em Stephanum irritatus effudit" - pois a Igreja decidiu contra Cipriano; Optato é um antídoto completo; Agostinho descreve seu ponto de vista como sendo heresia e sua conduta repreensível, embora seu martírio expiou-as; São Jerônimo fala ainda mais claramente; São Vicente de Lerins diz que Estevão comportava-se como convinha ao alto cargo que ele ocupava. Os bons anglicanos ao apelar para Cipriano negligenciam sua principal doutrina: a necessidade de uma Igreja, e apelam ao seu erro como os donatistas e os luciferianos.
 

Prof Koch é um polemista honesto; ele é preciso e nunca faz violência intencional aos textos que ele interpreta, embora eu não possa sempre achar que ele teve interpretação correta. Ainda assim, muitas vezes eu concordo com ele. Sua falha é sua tentativa de sistematizar o que é assistemático. Ele estudou os resultados finais de algumas expressões, e usa-as como uma norma, explicando tudo o que não está em harmonia com eles. Da mesma maneira que alguns polemistas católicos ficaram tão impressionados com alguns textos de Cipriano sobre Roma que entendem outras passagens sem garantia suficiente, em um sentido similar, e tem encoberto algumas dificuldades. Isto é um método igualmente equivocado, mas é, pelo menos, mais gentil com o santo!

E afinal, quão fúteis seus erros são! Ele resiste ao Papa em um ponto que ele tem certeza de não tocar na fé, e que, consequentemente, o Papa poderia estar errado. Ele desejava mais elasticidade na disciplina do que a experiência encontrou na prática. Ele é um pouco irreverente com a tradição, mas não a tradição sobre a fé. Seu principal erro - um dia chamado de heresia - foi causado por seu próprio ódio a heresia e sua devoção à unidade. Compare os erros, alguns monstruosos, algumas infantis, de Clemente de Alexandria, de Tertuliano, de Hipólito, de Orígenes. Ninguém deseja apelar para os erros desses grandes homens, como testemunhas da antiga tradição, porque eles são, na maior parte visualizações que ninguém quer manter hoje. Em comparação com eles, o grande episcopado de Cipriano (marcado apenas por alguns erros não desprezíveis de julgamento) e sua fé imaculada brilha com brilho redobrado, nada ofuscou nem mesmo a glória de seu martírio.

 

SÃO JERÔNIMO SOBRE SÃO CIPRIANO


São Jerônimo nos diz:

Cipriano de abençoada memória tentou evitar as cisternas e não beber das águas estranhas, e, portanto, rejeitando batismo herético, convocou seu Sínodo Africano em oposição a Estevão que era o vigésimo segundo sucessor do bem-aventurado Pedro na Sé de Roma. Eles se reuniram para discutir o assunto, mas a tentativa falhou. Por último aqueles bispos que tinham se reunido com ele e determinado que os hereges deveriam ser re-batizados, voltaram para o velho costume e publicaram um novo decreto... (Contra os Luciferiano 23)

Este evento não é de outra maneira testificado. De fato não sabemos o que aconteceu depois da última carta de São Cipriano ao papa Estevão. Nós não podemos saber qual é a fonte de São Jerônimo. É bastante claro que São Cipriano não estava cortado da comunhão com Roma, sob Dionísio e Sixto. É inconcebível que Estevão retirou a sua decisão, é quase tão improvável que Dionísio ou Sixto tiraram também. Por outro lado, a raiva extrema de São Cipriano, mostrada em sua carta a Pompeu e na carta a Firmiliano, é provável que se passou, como a raiva passa. Ele já havia admitido o antigo costume, para os bispos que preferiam. Não é muito provável que esta centena de bispos continuaria a apoia-lo contra Roma. Ele fez algumas explicações ou concessões? Os donatistas não sabiam nada mais do que Santo Agostinho sabia. Santo Optatus assume que a paz nunca foi quebrada. Na verdade, Cipriano e toda a África foi cortada de Roma por uma menor excomunhão (como nós reunir das cartas de Firmiliano) o evento seria tremendo em importância e notoriedade. Santo Agostinho deve estar certo que a paz de alguma forma veio sem qualquer fraqueza da parte de Roma.

 

SANTO AGOSTINHO SOBRE SÃO CIPRIANO


Santo Agostinho chegou a duvidar se as cartas de São Cipriano contra o papa Estevão eram genuínas - Contra Cresconium I 32 (38), II 31 (39), porém ele preferiu simplesmente dizer que elas não eram Escritura canônica, e que ele não as seguia (ibid). Mas em outros lugares, ele admite que o estilo é de Cipriano - Epístola 93, 10 (35), lembrando que, embora não sabemos se ele mudou de ideia,não é incongruente supor que um homem tão grande corrigiu sua visão”; em qualquer caso, si quid in eo fuerat emendandum, purgauit Pater falce passionis (compare De bapt I, xviii:28, in catholica unitate permansit, et charitatis ubertate compensatum est, et passionis falce purgatum).
 

A questão se Cipriano provavelmente cedeu depende da outra questão, qual opinião será que ele manteve mais fortemente: uma, que nada pode justificar a quebra da unidade; a outra, que era admissível que alguns bispos ensinassem que os hereges só poderiam batizar o mal, enquanto que os outros possam justamente manter seu batismo como válido, de acordo com uma tradição equivocada.

 É natural que os anglicanos assumam que Cipriano adere leal e generosamente à abrangência que inclui teorias contraditórias e atos, ao passo que ele estaria disposto a desistir (por causa da opinião de que o preto é branco) de suas antigas declarações de que é necessário estar dentro da Igreja. Santo Agostinho julga pelo contrário, que o mártir não era no coração um latitudinarian, mas foi acima de tudo um amante da unidade. Talvez os séculos IV e V foram mais próximo em solidariedade a Cipriano do que foi o XVII ou XIX.

O que ele derramou contra Estevão em sua irritação não vou discutir de novo.” (De bapt V, XXV, 36).

Ele acredita que “uicit tamen pax Christi em eorum cordibus.” Mas somente donatistas conseguiam pensar que Cipriano estava com a razão, e não o Papa. Puller toma o lado da donatista e parodia palavras de Santo Agostinho sobre Cipriano. Ele duvida que Estevão foi um mártir (e o fato é duvidoso), acrescentando:

"Se ele [Stephen] assim morreu, podemos esperar que ele purgou nesse segundo batismo o que estava errado em sua vida." (Puller, Santos primitivos, 3 ª edição, página 70) Ele [Cipriano] mereceu alcançar a coroa do martírio, de modo que qualquer nuvem que tinham obscurecido o brilho de sua mente foi expulsa pelo sol brilhante de seu sangue glorioso”. (Santo Agostinho, De bapt I, xviii, 28)

 

SÃO VICENTE DE LERINS SOBRE SÃO CIPRIANO E O BISPO DE ROMA


São Vicente de Lerins toma a visão ortodoxa:

...efetivamente, nela sempre se observou que quanto mais se cresce o fervor da piedade, com maior presteza se põe barreira às novas invenções. Tem-se uma grande quantidade de exemplos, mas para não alongar-me muito, citarei apenas um, adequadíssimo para nossa finalidade, tomando-o da história da Sé Apostólica. Todos poderão ver, com mais claridade que a própria luz, com quanta fortaleza, diligência e zelo os veneráveis sucessores dos santos Apóstolos têm defendido sempre a integridade da doutrina recebida uma vez para sempre. Sucedeu que o bispo de Cartago, Agripino, de piedosa memória, teve a ideia de fazer que os hereges fossem rebatizados; e isto contra a Escritura, a norma da Igreja universal, a opinião de seus colegas, os costumes e os usos dos Padres. Isto deu origem a grandes males, porque não só oferecia a todos os hereges um exemplo de sacrilégio, mas também foi ocasião de erro para não poucos católicos. Dado que em todas as partes se protestava contra esta novidade, e em cada sítio os bispos tomavam diferentes posturas com respeito a ela, segundo lhes citava seu próprio zelo, o Papa Estevão, de santa memória, bispo da Sé Apostólica, se somou com maior força que nada à oposição de seus colegas, pois entendia –acertadamente, a meu ver – que devia superar a todos na devoção à fé tanto quanto os superava pela autoridade de sua Sé. Escreveu então uma carta à África e decretou nestes termos: “Nenhuma novidade, mas só o que tem sido transmitido”. Sabia aquele homem santo e prudente que a mesma natureza da religião exige que tudo seja transmitido aos filhos com a mesma fidelidade com a qual tenha sido recebido dos pais, e que, ademais, não nos é lícito levar e trazer a religião por onde nos pareça, mas que melhor somos nós os que temos que segui-la por onde quer que ela nos conduza. E é próprio da humanidade e da responsabilidade cristã não transmitira quem nos sucedam nossas próprias opiniões, mas conservar o que foi recebido de nossos superiores. Como acabou, pois, a situação? Como haveria de acabar senão da maneira comum e normal? Se agarraram à antiguidade e rechaçou-se a novidade. Então não houve defensores da inovação? Ao contrário, houve um tal desdobramento de ingênuos, uma tal profusão de eloquência, um número tão grande de partidários, tanta verossimiltude nas teses, tal acúmulo de citações da Sagrada Escritura, ainda que interpretada em um sentido totalmente novo e errado, que de nenhuma maneira, creio eu, se poderia superar toda aquela concentração de forças, se a inovação tão fortemente abraçada, defendida, louvada, não tivesse vindo abaixo por si mesma, precisamente por causa de sua novidade. O que ocorreu com os decretos daquele concílio africano e quais foram suas consequências? Graças a Deus não serviram para nada. Tudo se dissipou como um sonho e uma fábula e foi abolido como coisa inútil, desprezado, não levado em conta. Mas foi aqui que se produziu uma situação paradóxica. Os autores daquela opinião são considerados católicos, e em troca seus seguidores são hereges; os mestres foram perdoados e os discípulos condenados. Quem escreveu os livros errôneos serão chamados filhos do reino, enquanto que o inferno acolherá a quem se fazem seus defensores. Quem pode ser tão louco até o ponto de pôr em dúvida que o beato Cipriano, luz esplendorosa entre todos os santos bispos e mártires, reina junto com seus colegas eternamente com Cristo? E, ao contrário, quem poderia ser tão sacrílego que negasse que os donatistas e as outras pestes, que presunçosamente querem rebatizar apoiando-se na autoridade daquele concílio, arderão eternamente com o diabo? Astúcia tática dos hereges." (Commonitorium I, 6) [4]

No oriente haviam outros no século IV além de São Basílio que pensavam que poderia ser assim, algumas, e rebatizar os hereges; mas essas peculiaridades foram aparentemente só colocadas em prática em casos raros. Certamente não era o costume em qualquer lugar rebatizar arianos ou semi-arianos. A partir do século V em diante, o oriente está absolutamente em linha com o Ocidente, e a opinião teórica de São Basílio continua a ser letra morta. Todos as torrentes de argumento e eloquência de São Cipriano contra o ensino de Roma foram em vão.

NOTAS

[1] Cipriano e do primado romano por Hugo von Koch; Leipzig: 1910

[2] Ele certamente não chama Pedro “a fundação da Igreja”, mas diz que “a Igreja foi construída sobre ele” (Ep 71; 59: 7, 66: 8; 73: 7) ou “foi fundada sobre ele” (Ep 43, 70; 73:11; de hab virg 10; Ad Fortun 11

[3] Claro que perfídia significa “perfídia”, “heresia” e não simplesmente “engano” no latim eclesiástico antigo.

[4] "Et, o rerum mira conuersio! Auctores eiusdem opinionis catholici, consectatores haeretici, iudicantur; absoluuntur magistri, condemnantur discipuli; conscriptores librorum filii regni erunt, adsertores uero gehenna suscipiet?"

 

PARA CITAR


CHAMPMAN, Dom John. São Cipriano e o Primado Romano. Retirado de “Studies on Early Papacy” Disponível em: <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/estudos-patristicos/735-sao-cipriano-e-o-primado-romano>. Desde: 21/10/2014 Tradução: Rafael Rodrigues

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS