Pais da Igreja (pré Éfeso) e o Título “Maria Mãe de Deus”

Estudos Patrísticos
Typography
 
INTRODUÇÃO

A fim de combater o erro e aqueles que negam que o título de Maria “Mãe de Deus” foi algo inventado por volta do século V no concílio de Éfeso, a presente matéria foi feita, com os testemunhos mais antigos e autênticos dos grandes Pais da Igreja confirmando a fé primitiva no título atribuído a Maria, em virtude da sua missão na terra.  Todos estes testemunhos, que os leitores verão, dão fim a qualquer dúvida que possa existir sobre o tema.

 

A IGREJA PRIMITIVA E A MATERNIDADE DIVINA


Os Padres da Igreja Primitiva não tinham nenhum problema ao referir-se a Maria como a Mãe de Deus. Eles viam isso como uma consequência natural da Encarnação.

Santo Irineu (189 d.C)

A Virgem Maria, sendo obediente à sua palavra, recebeu do anjo a boa nova de que portaria (portaret) Deus” (Contra as Heresias, 5:19:1)

Santo Hipólito de Roma (217 d.C)

Para de todas as gerações eles têm retratado por diante os grandiosos assuntos para a contemplação e para a ação. Assim, também, eles pregavam o advento de Deus em carne e osso para o mundo, seu advento pela impecável e mãe de Deus (Theotokos) Maria no caminho do nascimento e crescimento, e a forma de sua vida e conversa com os homens, e sua manifestação por meio do batismo, e o novo nascimento, que era para ser para todos os homens, e a regeneração pela pia [do batismo]” (Discurso sobre o Fim do Mundo, 1).

Gregório de Taumaturgo (262 d.C)

Para Lucas, nas narrativas dos evangelhos inspirados, oferece um testemunho não apenas para José, mas também a Maria, a Mãe de Deus, e dá este relato com referência à própria família e da casa de Davi” (Quatro Homilias 1).

É nosso dever apresentar a Deus, como sacrifícios, todos os festivais e celebrações de hinário, e em primeiro lugar, [a festa] da Anunciação à santa Mãe de Deus, a saber, a saudação que lhe foi feita pelo anjo, ‘Ave, cheia de graça!’” (Quatro Homilias 2).

Pedro de Alexandria (305 d.C)

Eles vieram para a Igreja da Santíssima Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, que, como se começou a dizer, ele tinha construído no bairro ocidental, em um subúrbio, um cemitério dos mártires.” (Os Atos genuínos de Pedro de Alexandria).

Metódio

Salve a ti para sempre, Virgem Mãe de Deus, nossa alegria incessante, pois para ti Eu volto novamente. Você é o início de nossa festa; Você é o seu meio e fim, a pérola de grande valor, que pertence ao reino; a gordura de cada vítima, o altar vivo do Pão da Vida. Salve, você tesouro do amor de Deus. Salve, você,  fonte de amor do Filho para o homem [...] você brilhava, doce dom-outorgante Mãe , com a luz do sol, você brilhou com os fogos insuportáveis de da mais fervorosa caridade, trazendo no final, aquele que foi concebido de você [...] para manifestar o mistério escondido e indizível, o Filho do Pai invisível, o Príncipe da Paz, que de uma forma maravilhosa mostrou-se como menos do que toda pequenez.”(Oração sobre Simeão e Ana 14).

Cirílo de Jerusalém (350 d.C)

O Pai dá testemunho do céu para seu Filho. O Espírito Santo dá testemunho, descendo corporalmente  na forma de uma pomba. O arcanjo Gabriel é testemunha, trazendo as boas novas a Maria. A Virgem Mãe de Deus é testemunha... (Leituras Catequéticas 10, 19).

Efraim, o Sírio (351 d.C)

Apesar de ainda ser virgem, ela carregava uma criança em seu ventre, e a serva e obra de sua sabedoria tornou-se a Mãe de Deus” (Cantos de Louvor 1, 20).

Epifânio de Salamissa (374 d.C)

Ser perfeito ao lado do Pai, encarnado entre nós, não na aparência, mas na verdade, ele [o filho] homem remodelada para a perfeição em si mesmo a partir de Maria, a Mãe de Deus através do Espírito Santo” (O homem bem ancorada 75).

Ambrósio de Milão (377 d.C)

A primeira coisa que acende ardor na aprendizagem é a grandeza do professor. O que é maior do que a Mãe de Deus? O que é mais glorioso do que aquela a quem própria Glória escolheu?” (As Virgens 2, 2).

Gregório de Nazianzo (382 d.C)

Se alguém não concorda que santa Maria é Mãe de Deus, ele está em desacordo com a divindade” (Carta a Cledonius Sacerdote 101).

São Jerônimo (401 d.C)

Quanto à forma como a virgem tornou-se Mãe de Deus, ele tem pleno conhecimento; de como ele mesmo nasceu, ele não sabe nada.” (Contra Rufino 2, 10).

Teodóro de Mopsuestia (405 d.C)

Quando, pois, eles perguntam: 'Será que Maria mãe do homem ou Mãe de Deus?' Nós respondemos: ‘Os dois!’.  O primeiro pela própria natureza do que foi feito e outro pela relação.” (A Encarnação 15).

São Cirílo de Alexandria (427 d.C)

Eu fiquei impressionado que alguns estão totalmente em dúvida quanto à existência ou não da Virgem santa ser capaz de ser chamada de Mãe de Deus. Porque, se nosso Senhor Jesus Cristo é Deus, como deve ser a Virgem santa que lhe concebeu,  não ser a Mãe de Deus?” (Carta aos monges do Egito 1).

João Cassiano (429 d.C)

Você não pode deixar de admitir que a graça vem de Deus. Ele é Deus, então, quem lhe deu. Mas foi dado por nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, o Senhor Jesus Cristo é Deus. Mas se ele é Deus, como ele certamente é, então ela quem deu à luz a Deus é a Mãe de Deus. (Sobre a Encarnação de Cristo contra Nestório 2, 2).

Concílio de Éfeso (431 d.C)

Finalmente no concílio de Éfeso, isto é dogmatizado:

Confessamos, então, nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho unigênito de Deus, perfeito Deus e perfeito homem, de uma alma racional e de um corpo, gerado antes de todas as eras do Pai em sua divindade, o mesmo nos últimos dias, por nós e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria, de acordo com a sua humanidade, um e o mesmo consubstancial com o Pai em divindade e consubstancial a nós na humanidade, pois a união de duas naturezas ocorreu. Portanto, nós confessamos um só Cristo, um filho, um Senhor. De acordo com esse entendimento da união inconfudível, nós confessamos a Virgem santa como sendo a Mãe de Deus, porque Deus, o Verbo se fez carne e se fez homem e de sua própria concepção unido a si mesmo o templo ele tomou dela” (Formula da União [AD 431 ]).

Se alguém não confessar que o Emanuel é verdadeiro Deus, e que, portanto, a Santíssima Virgem é a Mãe de Deus (Θεοτόκος), na medida em que na carne, ela deu à luz o Verbo de Deus feito carne [como está escrito: "O Verbo era que se fez carne "] seja anátema. (1º Anátema de São Cirílo a Nestório).

 

CONCLUSÃO


Quem negava que Maria era mãe de Deus, nas épocas primitivas, eram os mesmos hereges que negavam a divindade de Cristo. Semelhante e ao mesmo tempo contraditoriamente, os mesmos protestantes que hoje dizem crer na divindade de Cristo, negam a maternidade divina de Maria.

 

PARA CITAR


RODRIGUES, Rafael. Pais da Igreja (pré Éfeso) e o Título “ Maria Mãe de Deus”. Disponível em: <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/estudos-patristicos/617-pais-da-igreja-pre-efeso-e-o-titulo--maria-mae-de-deus >. Desde 23/09/2013.

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS