Pais da Igreja e a Pena de Morte; São João Crisostomo, São Gregório Nazianzeno e Santo Ambrósio.

Estudos Patrísticos
Typography

Santo Ambrósio confronta o imperador Teodósio por Rubens

INTRODUÇÃO


Visitamos os textos principais dos cristãos pré-Constantino que falam da pena de morte. Em seu livro Pena de morte e católica Tradição Moral, E. Christian Brugger resume o consenso pré-Constantino como aquele que consente, na lei bíblica e nos motivos naturais, que os governantes civis tem autoridade, dada por Deus, para condenar um malfeitor à morte, e, em casos apropriados, pode exercê-lo sem culpa moral.

Sem dúvida, no que diz respeito à sua relação com a autoridade civil, os cristãos antes da conversão de Constantino e do Edito de Milão (313 dC), estavam em uma posição significativamente diferente que os cristãos posteriores. Como, tudo isso, fez a doutrina cristã sobre pena de morte mudar após o Édito de Milão?

Muito se fala do início da disciplina cristã, pré-constantiniana, que proibia os cristãos de ingressar nas Forças Armadas, sentar em julgamento, ou participar na execução da pena capital. Há, como veremos, um real abrandamento dessas proibições após o Cristianismo ser tolerado pelo Estado, e um abrandamento ainda maior depois que o cristianismo se tornou a religião estabelecida. Participação cristãs nas forças armadas, no Judiciário, no exercício da pena de morte tornou-se aceitável. Muitos tomam a posição, o que é fundamentalmente falso, que a disciplina cristã antes do Edito de Milão foi "purista", e que a disciplina após o Edito de Milão, ou depois que o cristianismo se tornou a religião oficial era corrupto. Eu acho que não há o mesmo ensinamento antes de Constantino e depois de Constantino, a única diferença é que ele está sendo aplicado em diferentes circunstâncias históricas.

Uma analogia pode ser útil. A Igreja é contra o aborto. Suponha que os médicos católicos enfrentam um sistema de saúde que lhes obriga sob o poder de lei a fornecer abortos, sob pena de perder a sua licença. É claro que a Igreja Católica não poderia, nesse caso, participar nos cuidados de saúde. A Igreja viria a condenar o sistema de saúde e, por uma questão de disciplina, orientar seus fiéis que não poderão participar sem ter sangue nas mãos e sofrer excomunhão. Suponha que haja uma mudança significativa da lei que tornou o aborto ilegal, alterando fundamentalmente o sistema. Essa significativa mudança de paradigma seria permitir que os médicos mais uma vez a participassem nos cuidados de saúde, sem culpa moral. O ensinamento da Igreja sobre o aborto manteve-se inalterado, embora a disciplina mudou. Na minha opinião, algo semelhante ocorreu em termos de autoridade civil, o Poder Judiciário e o exercício da pena capital entre os cristãos antes de Constantino e do Edito de Milão e depois.

 

O PENSAMENTO DOS PAIS DA IGREJA

 


Há, sem dúvida, continuo consenso entre os Padres da Igreja, após o Edito de Milão, como havia antes que o Estado tem a autoridade dada a ele por Deus para colocar um malfeitor à morte. O exercício desse poder contra os culpados de ofensa grave nunca é questionada como algo em si proibido. Há, com certeza, trilhos justificáveis contra o seu uso injusto. Basta recordar aqui a excomunhão do imperador Teodósio feita por Santo Ambrósio após o massacre de Tessalônica como um excelente exemplo desafiando o uso imoral de um poder moral.

Para ter certeza, enquanto o direito do Estado de exercer a pena capital em si não é desafiado, a Igreja freqüentemente, pode-se dizer até mesmo habitualmente, confessou que tal punição não pode ser dispensada em razão da misericórdia. Como São João Crisóstomo menciona em uma de suas homilias sobre as estátuas, o Imperador foi desafiado por monges cristãos a abster-se de exercer o poder da espada indevidamente:

Se você colocar a morte a imagem de Deus”, os monges devem ter dito o imperador, “como você vai voltar a ser capaz de revogar o ato?” (São  João Crisostomo, Homilia sobre as estátuas, XVII.3.)

Da mesma forma, São Gregório Nazianzeno diz que um magistrado cristão é:

com Cristo que você mantém a sua autoridade e com Cristo que você administra seu ofício de governança. Dele recebeu a espada, não tanto que você pode usá-la, como que você pode ameaçar e intimidar".

Ele lembra ainda este magistrado:

Você é a imagem e você comanda a verdade de Deus também para aqueles que são feitos à imagem de Deus”.  (St. Gregório Nazianzeno, Oratio XVII.9)

A humanidade comum, que é quer dizer dignidade, entre magistrado e cidadão é enfatizada, o espírito de misericórdia cristã é invocado, o modelo da paciência e do perdão de Cristo é colocado diante dos poderes da terra. E assim gritos de clemência são tão freqüentes como a si mesmo para se tornar parte da prática da Igreja e do ministério e até mesmo doutrina. Como St. Ambrósio aconselhou o juiz cristão Studiuss:

A Autoridade, você vê, tem os seus direitos, mas a compaixão tem sua política.” (Santo Ambrósio, Epistola L(XXV) a Studius)

Em sua carta ao magistrado Studius, St. Ambrósio faz uma clara distinção entre o exercício do poder de colocar um homem à morte, o que pode ser dispensado, e a retenção desse poder, que pode ser elogiado. “Excusationem habebis, si feceris: laudem, si non feceris”. Studius tem uma desculpa, se ele coloca um homem à morte justamente, mas ele é digno de ser louvado, se, no exercício da misericórdia, ele estende a mão da justiça e permite que um homem viva. Com Cristo, a misericórdia deu uma cotovelada em seu caminho para as salas de justiça de uma forma institucional. “Veja a isso”, Ambrósio diz em outro lugar:

que Cristo é infundido no ato de matar um homem ímpio e que a santificação acompanha e faz parte de sua tentativa de abolir o que é abominável.(St. Ambrósio, Caim e  Abel, II.4.15.)

Além da dignidade com que o criminoso é visto e o exemplo da misericórdia de Cristo, outra coisa de grande valor interrompe equação do juiz, que é o bom da conversão. Salus animarum suprema lex. A salvação das almas é a suprema lei, e essa lei tem grande influência sobre a aplicação da pena de morte. Como Santo Ambrósio afirma em seu Caim e Abel:

Do ponto de vista da nossa fé, não se deve matar uma pessoa que, no curso da natureza ainda teria tempo para o arrependimento até o momento de sua morte. Um homem culpado,  promoveu uma punição prematura, não tinha o privado da vida e  poderia obter o perdão por redimir-se por um ato de arrependimento, no entanto tardio.” (St. Ambrósio, Caim e Abel, II.7.38)

Outra coisa que é muito clara em todos os Padres da Igreja pós-constantinianos é que o poder de colocar um malfeitor a morte é algo visto como um poder leigo, não clerical. Alguns sugeriram que esta proibição clerical é um resquício da proibição que uma vez incluía ambos os clérigos e leigos. Eu não estou convencido de que este é o caso. Eu acho que é o caso é que a Igreja viu uma clara distinção entre a Igreja e o Estado, entre o Ministério do juiz ou magistrado secular e o ministério do bispo e padre.

O poder de colocar um malfeitor a morte é dado ao Estado por Cristo, e não é residente na Igreja. A Igreja vê a si mesma como não ter o poder de colocar um malfeitor à morte, e seu clero (embora não a leigos que exercem o poder no saeculum) estão proibidos de pegar em armas, sentar em julgamento que vai levar à pena de morte, ou realizar execuções. Santo Ambrósio diz muito bem:

, de fato, dois tipos principais de poder em Deus. Há o poder que perdoa e o poder que pune. Pecados são perdoados pela Palavra de Deus. . . Pecados são perdoados pelo sacerdote em seu ofício sagrado e ministério. Eles são punidos, também, por homens que exercem o poder temporariamente, ou seja, pelos juízes.

Quando se trata de punições envolvendo a pena de morte, é impróprio para um sacerdote de Cristo estar envolvido. Este entendimento é formalmente e legalmente consagrado na disciplina da Igreja, como vemos refletido nos cânones do 11º  Concílio provincial do século VII de Toledo (675 d.C).

Não é lícito para aqueles por quem os sacramentos do Senhor devem ser executados a realização de um julgamento de sangue. Por conseguinte, esses excessos devem ser muito proibidos, para que depois de ser agitado pelos impulsos da presunção irracional, eles queiram a pretensão de julgar por sua própria frase de que algo é punível, ou realizar-se, ou para a realização de mutilações em ninguém. Mas, se alguém, sem se importar com esses preceitos, tem feito qualquer coisa do tipo para os membros de sua igreja ou a quaisquer outras pessoas, ele deve ser privado da honra e lugar de sua ordem concedida.


BIBLIOGRAFIA


E. Christian Brugger, Pena de Morte e Tradição Católica Moral (Universidade de Notredame Press, 2003).

 

PARA CITAR


GREENWEL , Andrew M. Os pais da Igreja e a Pena de Morte. Disponível em: <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/estudos-patristicos/607-pais-da-igreja-e-a-pena-de-morte-sao-joao-crisostomo-sao-gregorio-nazianzeno-e-santo-ambrosio> Desde 07/07/2013. Traduzido por: Rafael Rodrigues

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS