A rejeição de Calvino às Epistolas de Santo Inácio de Antioquia (110 d.C)

Controvérsias
Typography

Embora atualmente a maioria dos protestantes aceite a genuinidade das epístolas de Santo Inácio de Antioquia e até queiram utilizá-la em sua apologética anti-católica, o mesmo não acontecia com um dos pais do protestantismo: Calvino. Calvino ao ler as epístolas de Santo Inácio via que ela não se enquadrava em seu corpo doutrinário, por isto as rejeitava com a alegação de que elas eram totalmente espúrias. Não é de se estranhar que ele rejeitasse os principais documentos primitivos que minavam a ideologia protestante.

A Enciclopédia católica (Verbete: Santo Inácio de Antioquia) provê um sumário geral, com o qual nós podemos nosso exame:

Em intervalos durante os últimos séculos uma controvérsia quente tem sido exercida por patrólogos quanto à autenticidade das cartas de Santo Inácio. Cada recensão, teve seus defensores e seus opositores. Cada um tem sido favorecida com a exclusão de todas as outras, e todas, por sua vez, foram rejeitadas em massa, especialmente pelos correligionários de Calvino. O próprio reformador, em linguagem tão violenta quanto acrítica (Institutas, 1-3), repudia in globo as cartas que desacreditam completamente suas próprias visões peculiares sobre o governo eclesiástico. A evidência convincente de que as cartas suportam a origem divina da doutrina católica não é propícia para as predisponentes críticas não-católicas em seu favor, de fato, isso acrescentou não pouco ao calor da controvérsia. Em geral, os estudiosos católicos e anglicanos se mostram ao lado das cartas escritas aos Efésios, Magnesians, tralianos, romanos, Filadelfios, esmirniotas, e Policarpo; enquanto presbiterianos, como regra, e talvez a priori, repudiam tudo reivindicando a autoria inaciana.

Calvino exclama em suas institutas:

Com relação ao que eles fingem como de Inácio, se eles tivessem como se fossem de menor importância, que eles provem que os apóstolos promulgaram leis relativas a Quaresma, e outras corrupções. Nada pode ser mais repugnante do que os absurdos que foram publicados sob o nome de Inácio; e, portanto, a conduta daqueles que se oferecem com essas máscaras para decepção tem o menor direito à tolerância. (Livro I, Capítulo 13, Seção 29)

E mais uma vez em seu comentário a Filipenses 4, 3:

Aqueles que manter isso, citam Clemente e Inácio como suas autoridades. Se eles citaram corretamente, eu não iria certamente desprezar homens de tal eminência. Mas, como os escritos são apresentados a partir de Eusébio, que são falsas, e foram inventados por monges ignorantes, eles não são merecedores de muito crédito entre os leitores de bom senso. Vamos, portanto, interrogar-se sobre a própria coisa, sem tomar qualquer falsa impressão das opiniões dos homens.

O presbiteriano W.D. Killen escreveu um livro em 1886, intitulado, The Ignatian Epistles Entirely Spurious. [As Epístolas Inacianas Totalmente falsas]. Aqui está um trecho, onde ele menciona Calvino:

A questão da autenticidade das epístolas atribuídas a Inácio de Antioquia continuou a despertar o interesse desde o período da Reforma. Essa grande revolução religiosa deu um imenso impulso ao espírito crítico; e quando trouxe à luz do seu exame não poucos documentos e alegações que tinha passado por muito tempo incontestadas foram sumariamente declaradas espúrias. Eusébio escrevendo no quarto século nomeia apenas sete cartas atribuídas ao Inácio; mas muito antes dos dias de Lutero mais do que o dobro, estavam em circulação. Muitos destas foram rapidamente condenadas pelos críticos do século XVI. Mesmo as sete reconhecidas por Eusébio eram vistas com grave suspeita; e Calvino - que então estava à frente de teólogos protestantes - não hesitou em denunciar todas elas como falsificações. O longo trabalho empregado como um livro-texto em Cambridge e Oxford foi as Institutas do reformador de Genebra; [Nota de rodapé 2: 1] e, com seus pontos de vista sobre este assunto são há muito proclamados enfaticamente [2: 2] podemos presumir que todo o corpo da literatura inaciana era naquele momento visto com desconfiança pelos líderes de pensamento nas universidades inglesas.

Em outra parte do livro, ele exaltou grandemente Calvino por suas (agora completamente desacreditadas) opiniões:

Isto é prova da sagacidade do grande Calvino que mais de três séculos atrás, passou uma condenação arrebatadora sobre estas epístolas de St. Inácio... Calvino sabia que um homem apostólico deveria estar familiarizado com a doutrina apostólica, e ele viu que essas cartas deveriam ter sido produção de uma época em que a pura luz do cristianismo foi muito obscurecida. Por isso, ele denunciou-os de forma tão enfática; e o tempo verificou sua libertação.” (Citado na Enciclopédia de Literatuda bíblica, teológica e eclesiástica, John McClintock, pp. 492-493)

Apesar dos estudos de Zahn (1873) & Harnack (1878), ambos estudiosos protestantes, e Lightfoot (1885,1889), bispo anglicano, refutarem totalmente a teoria infundada de Calvino, de que as Epistolas de Santo Inácio teriam sido falsificadas, ainda houve quem acreditasse na palavra infundada dele, e rejeitasse os estudos destes proeminentes teólogos do meio protestante.

Robert Ellis Thompson (Presbiteriano) observa:

Em 1557 Valentin Pacaeus publicou em grego doze epístolas com o nome de Inácio de Antioquia. Sua autenticidade foi imediatamente posta em causa por Calvino e outros bons estudiosos, mas elas foram tratadas como uma autoridade para episcopado primitivo pelos Drs. Whitgift, Hooker, Andrews, Hall e outros que favorecia essa forma de governo” (The Historic Episcopate, Philadelphia: The Westminster Press, 1910, p. 76).

Historiador protestante Philip Schaff concorda:

A Recenssão grega maior de sete epístolas com oito outras adicionais. Quatro delas foram publicadas em latim em Paris, em 1495, como um apêndice de outro livro; mais onze por Faber Stapulensis, também em latim, em Paris, em 1498; em seguida, todas as quinze em grego por Valentine Hartung (chamado Paceus ou Irineu) em Dillingen, 1557; e doze por Andreas Gesner em Zurique, em 1560. Os católicos no início aceitaram como verdadeiros todos os trabalhos de Inácio; e Hartung, Baronius, Bellarmin defendiam pelo menos doze; mas Calvino e os centuriões de Magdeburgo rejeitaram todas elas, e os católicos mais tarde reconheceram pelo menos oito como absolutamente insustentáveis.” (History of the Christian Church, Vol. II: Ante-Nicene Christianity: A.D. 100-325, chapter 13, § 165. The Ignatian Controversy)

William Cureton, um estudioso inaciano importante e fundamental, também confirma essa avaliação:

...outros, com J. Calvino, não hesitaram em denunciar o todo como uma falsificação descarada e estúpida.” .(Corpus Ignatianum: A Complete Collection of the Ignatian Epistles, London: Francis & John Rivington, 1849, p. xvii)

Um recente livro sobre os Padres Apostólicos reitera não só de a posição de Calvino, mas a oposição protestante geral sobre a autenticidade das sete cartas inacianas, agora geralmente aceitas:

Estudiosos católicos geralmente defenderam a autenticidade das cartas por causa do valor polêmico óbvio da data de início de Inácio e a ênfase na forma monopiscopal da estrutura da igreja, enquanto os protestantes geralmente negaram a sua autenticidade, por razões semelhante...  Não até que o trabalho independente de Theodor Zahn (1873) e J.B Lightfoot (1885) reconheceu mundialmente a autenticidade das sete cartas contidas na recensão média alcançada. Desafios recentes ao consenso atual, não alteraram a situação. (Os Padres Apostólicos, segunda edição, traduzida por JB Lightfoot e JR Harmer, editado e revisado por Michael W. Holmes, Grand Rapids, MI:. Baker Book House, 1989, p 83)

Assim, Calvino não só aceitou o que Santo Inácio ensinou em suas epístolas; ele nem sequer aceitou as como genuínas. Assim, ele dificilmente pode ter incorporado os dados dele em sua apologética anti-católica. Para ele, o corpus inaciano era completamente fora da equação da disputa entre protestantes e católicos.

A questão que surge é: Se Calvino inventor do Calvinismo e pai da “reforma” protestante, via que as Epístolas de Santo Inácio não eram compatíveis com a teologia calvinista, como podem hoje os calvinistas e outros protestantes, quererem fazer uso destas epístolas para justificarem suas posições? Como pode o próprio Calvino rejeitar as epistolas como contrárias a doutrina cavinista e os calvinistas quererem utiliza-las para justificar as posições calvinistas e outras doutrinas protestantes? Há alguma coerência nisto?

Por fim, como diria o teólogo protestante alemão Adolf Harnack: “Quem considera as cartas inacianas como espúria, não estudou-as bem”.

PARA CITAR


ARMSTRONG, Dave. A rejeição de Calvino as Epistolas de Santo Inácio de Antioquia (110 d.C).  Disponível em: <http://apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/controversias/778-a-rejeicao-de-calvino-as-epistolas-de-santo-inacio-de-antioquia-110-d-c>. Desde: 04/03/2015. Traduzido por: Rafael Rodrigues.
BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS