Tertuliano interpretava as Escrituras como um protestante?

Controvérsias
Typography
INTRODUÇÃO

Recentemente, tive a oportunidade de conversar com um amigo protestante (Batista) que me afirmava que também Tertuliano (escritor eclesiástico da Igreja primitiva) tinham posições “protestantes”. Alegava que para Tertuliano, quando Cristo entregou as chaves do reino dos céus entregou a todos, as chaves significavam a pregação do evangelho.

 

QUEM É TERTULIANO?


Foi um importante escritor eclesiástico nascido por volta do ano 155. De pais pagãos se converte ao cristianismo por volta do ano de 193 e se estabelece em Cartago. Ele foi ordenado sacerdote (1) e teve sua atividade literária durante os anos 195-220. Infelizmente por volta do ano 207 abraçou a heresia do montanismo (2), e tornou-se chefe de uma das suas seitas (os Tertulianistas).

 

QUAL A IMPORTÂNCIA DOS ESCRITOS DE TERTULIANO PARA CATÓLICOS E PROTESTANTES?


Os escritos de Tertuliano (assim como os escritos dos Padres da Igreja e outros escritores eclesiásticos) são muito importantes, não só para os estudantes da patrística e patrologia, porque permitem conhecer a fundo o pensamento da Igreja primitiva e sua forma de interpretar as Escrituras.

Embora os protestantes rejeitem os escritos dos Padres e escritores eclesiásticos, muitos deles (não extremamente fundamentalista) reconhecem que são indispensáveis para o conhecimento da história da Igreja e do desenvolvimento da fé cristã. E isso muitas vezes acontece que, embora quase nunca citem os pais, o fazem quando pensam que o que dizem pode levar “água ao seu próprio moinho”. Eu queria aproveitar a ocasião para estudar os escritos de nosso autor, não só, enquanto aos pontos em que os protestantes frequentemente o citam, mas como um todo, a fim de fazer uma comparação justa e não fora do contexto do seu pensamento.

 

TERTULIANO, E O PRIMADO DE PEDRO E O PERDÃO DOS PECADOS POR PARTE DOS PADRES (PRESBÍTEROS)


Nos textos pré-montanistas do primado há uma aceitação implícita por Tertuliano da preeminência da Igreja de Roma. Em De praescriptione haereticorum (Prescrição dos hereges ou prescrições contra todas as heresias) afirma que da Igreja de Roma vem a autoridade e menciona o martírio de São Pedro e São Paulo lá.

Prescrições contra todas as heresias. Capítulo XXXVI.2-3.

"2. Mas se te encontras perto da Itália, tens Roma, de onde também para nós vem a autoridade . 3 Quão feliz é esta Igreja que os Apóstolos deram, com seu sangue, toda a doutrina, onde Pedro é igualado a paixão do Senhor , onde Paulo foi coroado com a morte de João [Batista], onde o apóstolo João, depois que, jogado em óleo fervente, não sofrendo dano algum, foi exilado em uma ilha. "

No mesmo tratado de onde tenta provar aos hereges que o Senhor não escondeunada ao conhecimento dos Apóstolos, coloca por exemplo São Pedro e São João, mas de São Pedro diz que é a pedra sobre a qual a Igreja foi edificada e que recebeu as chaves do reino dos céus e o poder de ligar e desligar. De São João faz referência, mas como o discípulo amado.

Prescrições contra todas as heresias. Capítulo XXII. 2-4

"3. Quem, pois, de mente sã pode acreditar que ignoraram algo àqueles que o Senhor deu como mestres, mantendo inseparáveis em sua comitiva, em seu discipulado, em sua convivência, a quem explicava todas as coisas escuras, além, dizendo-lhes que a eles era dado conhecer aqueles mistérios que ao povo não era permitido entender?

4. Ele ocultou algo de Pedro, que foi chamado de pedra sob a qual a Igreja  ia ser edificada, que obteve as chaves do reino dos céus e o poder de ligar e desligar no céu e na terra? "

É impossível entender que a posição de Tertuliano coincida com a posição protestante. Basta verificar todos os artigos protestantes que foram escritos contra o primado de Pedro, e todos sem exceção negam que Pedro é a rocha, alguns já até inventaram o argumento de que, como o texto grego não usa a mesma palavra para Pedro e Pedra, Cristo não estava chamando Pedro de "Pedra" (3). É claro que Tertuliano não interpretava dessa maneira.

Mas uma mudança significativa ocorreu na posição de Tertuliano uma vez tornou-se um discípulo do herege Montano, ignorou que o poder conferido a Pedro em virtude de suas chaves, também foi dado aos seus seus sucessores, nega também que os bispos em comunhão com ele poderiam utilizar, contradizendo o que ele mesmo havia estabelecido em De paenitentia (Sobre a penitência). Diz de forma tão acentuada em De Pudicitia (Sobre a modéstia):

Tertuliano, sobre a modéstia 21

"Se, pois o Senhor disse a Pedro:" Eu edificarei a minha Igreja sobre esta pedra; te darei as chaves do reino dos céus ", ou: "Tudo o que ligares ou desligares na terra será ligado ou desligado no céu " presume que o poder de ligar e desligar veio até você, ou seja,a  toda a Igreja que está em comunhão com Pedro, que tipo de homem você é? Você se atreve a perverter e mudar totalmente a intenção manifesta do Senhor, que conferiu este privilégio somente para a pessoa de Pedro. "Sobre ti edificarei a minha Igreja", Ele disse , "Eu te darei as chaves", não a Igreja. "Tudo o que ligares ou desligares", etc.  E nem tudo que ligarem ou desligarem ... Portanto, o poder de ligar e desligar, dado a Pedro, não tem nada a ver com a remissão dos pecados cometidos pelos fiéis ... Este poder, com efeito, de acordo com a pessoa de Pedro, não devia pertencer mais aos homens  espirituais, independentemente de apóstolo ou profeta. "

Embora o texto em questão seja escrito por um Tertuliano já herege é muito revelador, pelas seguintes razões:

Primeiro porque no texto é claro que ele enfrentou um bispo que utilizava Mateus 16,18-19 para afirmar que as Igrejas em comunhão com Pedro tinham autoridade de perdoar os pecados, mesmo os graves, em plena época de Tertuliano! Os Protestantes (exceto luteranos) negam que os presbíteros tenham esse poder, mas aqui você pode ver que a Igreja primitiva tinha convicção de que sim.

Segundo, mesmo sob este ponto de vista, a posição herética de Tertuliano está mais longe da posição protestante, como afirma explicitamente que o poder das chaves foi dada exclusivamente para Pedro. De alguma forma, os protestantes conseguiram interpretar Mateus 16, 18 como cada crente tem as chaves para confessar a Cristo como Senhor. A posição católica é a posição equilibrada e a que ataca Tertuliano em seu escrito contra o bispo: As Igrejas em comunhão com Pedro por meio dos presbíteros, são as que podem em virtude das chaves concedidas ao apóstolo, perdoar os pecados, desde que se mantenham na unidade da Igreja.

Vamos agora voltar ao tempo pré-Tertuliano montanista para estudar um pouco a sua posição sobre a penitência. Definitivamente, admiti que há perdão dos pecados após o batismo, deixa isso claro em De penitentia

Sobre penitência, 7

"Oh Jesus Cristo, meu Senhor, concede aos teus servos a graça de conhecer e aprender com a minha boca a disciplina da penitência, mas enquanto lhes convém e não para o pecado, em outras palavras, que depois (do batismo) não tenham que conhecer a penitencia e nem pedi-la. Odeio mencionar aqui a segunda, ou por melhor dizer, neste caso, a última penitência. Temo que, ao falar de um remédio da penitência que se tem em reserva, parece sugerir que existe, todavia, um tempo em que se pode pecar. Deus me livre alguém interprete mal meu pensamento, fazendo-os dizer que com esta porta aberta a penitência existe, portanto, agora uma porta aberta ao pecado, ... Temos escapado uma vez (no batismo). Não vamos entrar mais em perigo, mesmo que nos pareça que ainda escaparemos outra vez. "

Mas a penitência segundo a qual Tertuliano refere-se aqui, está muito longe do estilo da posição protestante "Confesso confesso direto com Deus" , mas uma reconciliação com a Igreja. O pecador deve ser apresentado de acordo com o escritor somente a exomologêsis ou confissão pública, conhecer os atos de mortificação, como explicado em pormenor nos capítulos 9 e 12.

Sobre a penitência, 9-12

"Quando mais estrita é a necessidade desta segunda penitencia, tanto mais trabalhosa deve ser a prova; não basta que exista a consciência de ter feito mal;  é necessário um ato que a manifeste exteriormente. Este ato, para usar uma palavra grega que é comumente usado, é o exomologesis, em virtude da qual confessamos a Deus nossos pecados, não porque Ele o ignorou, mas porque a confissão dispõe a satisfação e realiza a penitência, e esta, por sua vez, aplaca a ira de Deus. O exomologêsis é, pois, um exercício que ensina o homem a humilhar-se e rebaixar-se, impondo um regime capaz de atrair sobre ele a compaixão. Regulamenta a compostura exterior e sua alimentação; quer que deite sobre o saco e cinza, que se cubra o corpo em trapos, que se  entregue à tristeza, que se vá corrigir em suas falhas por meio de um tratamento severo. Além disso, o penitente deve estar contente, em termos de comida e bebida, com as coisas simples que são estritamente necessários para sustentar a vida, não para lisonjear o estômago; nutre o oração com o jejum; gemidos, gritos e se lamenta dia e noite do Senhor, teu Deus; prostra-se aos pés dos sacerdotes e se ajoelha diante os amigos de Deus; pede as orações de seus irmãos, para que sirvam de intercessores junto a Deus."

Quando o texto se refere a ajoelhar-se aos pés do sacerdote mostra que a disciplina penitencial era uma instituição e

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS