Refutando alegações contra o desenvolvimento da doutrina

Protestantismo
Typography

Este texto é uma resposta direta ao artigo do polêmico protestante William Webster: “O Repúdio ao Desenvolvimento da doutrina referente Papado pelo Vaticano I e pelo Papa Leão XIII”. Seu artigo foi em grande parte uma resposta a certas afirmações do livro de Steve Ray Upon This Rock. Eu separei seus parágrafos para criar um diálogo mais legível (como é meu costume), mas os leitores podem facilmente ver o original do Sr. Webster para verificar o contexto, se desejarem. As palavras de Webster estarão em vermelho.

 

A LUZ SOBRE O DESENVOLVIMENTO PAPAL

 

“Uma das reivindicações feitas pelos apologistas católicos romanos de hoje é que, como instituição, o papado foi algo que se desenvolveu ao longo do tempo.”

Como de fato, toda outra doutrina mantida pelos católicos e protestantes foi, seja na compreensão e / ou na aplicação.

“Em seu livro, Upon This Rock, Steve Ray apresenta essa posição. Ele usa a metáfora da bolota e do carvalho. Ao criticar meu livro, The Matthew 16 Controversy, Peter and the Rock, Ray afirma:”

A seção de Webster sobre São Cipriano também demonstra sua falta de vontade de representar de forma justa o processo e a necessidade do desenvolvimento doutrinário dentro da Igreja. Como demonstramos anteriormente neste livro: o carvalho cresceu e parece perceptivamente diferente do broto frágil que rachou a bolota original, mas a essência e identidade orgânica permanecem as mesmas. As palavras dos primeiros cristãos contêm a compreensão do papado, tal como se expressa no Vaticano I? Não, eles não, como Webster observa corretamente.” (Steve Ray, Upon This Rock, San Francisco: Inácio, 1999, p. 184).

Meu bom amigo Steve Ray (nos conhecemos desde 1983 - muitos desses anos como evangélicos protestantes) está exatamente certo, e atualmente eu me esforço para mostrar por que ele está certo, e por que William Webster está errado, por meio de muitas maneiras diferentes de argumentos históricos e teológicos e analogias.

“Agora, há uma admissão implícita nestas declarações. Steve Ray admite o fato de que o papado não estava lá desde o início. Esteve sujeita a um processo de desenvolvimento e crescimento ao longo do tempo. Este é um fato histórico simples reconhecido pelos historiadores de quase todas as crenças.”

De fato, todos os elementos que decorrem dos aspectos essenciais do papado levaram tempo para se desenvolver completamente. Assim, o papado como o conhecemos hoje (ou seja, pós-Vaticano I, quando a infalibilidade papal foi definida) não estava presente "completamente" no primeiro século. Isso não deve nem surpreender nem escandalizar os católicos, como se fosse uma "dificuldade". A essência do papado esteve lá o tempo todo, e é precisamente o que os apologistas católicos e outros que compreendem a verdadeira natureza do desenvolvimento da doutrina de Newman, e de São Vicente referem-se, quando falam de doutrinas que foram "presentes desde o início", ou como "parte do depósito apostólico passado de Jesus aos Apóstolos". Também não é contrário ao ensino do Primeiro Concílio Vaticano ou de Leo XIII, como vou demonstrar. O Sr. Webster simplesmente não compreende nada.

A essência do papado é o primado petrino e a jurisdição divinamente concedida sobre a Igreja universal. Eu juntei muitos argumentos bíblicos e históricos a este respeito no seguinte artigo: 50 Provas do papado e primazia petrina no NT. Uma vez que a minha análise nesse artigo está inteiramente fundamentada na Bíblia (o único princípio formal de autoridade para o Sr. Webster - assumindo que ele domina a sola Scriptura), portanto, o único desenvolvimento que estes aspectos essenciais, pressuposicionais do papado sofreram - de forma remota, um sentido um pouco sensível - seria o desenvolvimento decorrente do processo de determinação do cânone do Novo Testamento.

Mas acho interessante que o Sr. Webster corte a segunda metade do parágrafo de Steve Ray, que ele cita. Eu acredito que o leitor poderá entender porque:

Mas, também, as palavras dos primeiros cristãos não apresentam a compreensão plenamente desenvolvida da Trindade e da divindade de Cristo (ou o cânone do Novo Testamento), conforme exposto e praticado pelas gerações posteriores da Igreja. É preciso ter cuidado para não ler demais nos primeiros séculos - mas também deve ser cuidadoso para não ignorar a substância doutrinária óbvia contida e praticada por nossos antepassados, que foi simplesmente desenvolvida e implementada conforme a necessidade surgiu ao longo dos séculos seguintes.” (Ray, ibid., P. 184; ênfase adicionada)

Isso mostra que o raciocínio do Sr. Webster também se aplicaria às doutrinas que ele mesmo também detém (como realmente Newman argumentou em seu Ensaio sobre o Desenvolvimento da Doutrina Cristã), fazendo com que seu argumento mais ou menos desabasse, então era melhor que isso não fosse revelado em um artigo como o presente - isso dá muito trabalho extra, e estamos todos muito ocupados. ..

 

Vaticano I e interpretação autoritativa bíblica

 

O problema para os católicos romanos não é se houve desenvolvimento. O problema reside no fato de que o Vaticano diz que não houve desenvolvimento.”

É claro que o concílio não afirma isso. Afirma que o papado esteve presente desde o início, e o Sr. Webster assume falsamente que, portanto, o papado como compreendido e praticado após 1870 está sendo referido como tendo estado presente o tempo todo (ou seja, o "carvalho" em vez da " bolota"). É fácil "ganhar" um argumento com um espantalho da própria criação (seja intencional ou não).

Em outras palavras, não havia bolota. Foi um carvalho cheio e cheio desde o início e foi, portanto, a prática da Igreja desde o início.”

Mais uma vez, esta é uma suposição gratuita e falsa. Tal coisa nunca é declarada pelo Vaticano I. E o que é declarado é interpretado erroneamente pelo Sr. Webster, como vou demonstrar no devido tempo. Acontece que eu anteriormente "antecipei" o argumento do Sr. Webster aqui (em trocas com outros) e que - eu acredito - (por meio do próprio Newman) respondeu de forma satisfatória suas afirmações já em um artigo: "O Desenvolvimento do Papado (Newman) ".

O Vaticano reafirmou o decreto do Concílio de Trento sobre o Consenso Unánime dos Pais que tem de ter especificamente com a interpretação da Escritura. Afirma que é ilegal interpretar as Escrituras de qualquer forma contrária ao consentimento unânime dos Padres.”

Eu suponho que o Sr. Webster faz referência à Constituição Dogmática sobre a Fé Católica, capítulo II, "Da Revelação" (final):

Todavia, já que o salutar decreto dado pelo Concílio Tridentino sobre a interpretação da Sagrada Escritura para corrigir espíritos petulantes é erradamente exposto por alguns, Nós, renovando o mesmo decreto, declaramos que o seu sentido é que, nas coisas da fé e da moral, pertencentes à estrutura da doutrina cristã, deve-se ter por verdadeiro sentido da Sagrada Escritura aquele que foi e é mantido pela Santa Madre Igreja, a quem compete decidir do verdadeiro sentido e da interpretação da Sagrada Escritura; e que, por conseguinte, a ninguém é permitido interpretar a mesma Sagrada Escritura contrariamente a este sentido ou também contra o consenso unânime dos Santos Padres.(Decretos Dogmáticos do Concílio Vaticano I, cap. 2).

Esta passagem não - estritamente falando - lida com interpretações obrigatórias de versículos particulares das Escrituras. A Igreja - neste caso, como sempre - está muito mais preocupada com doutrinas verdadeiras, em oposição às exigências absolutas de crença em relação a qualquer passagem bíblica dada. É por isso que o Concílio fala de “o verdadeiro significado e interpretação da Sagrada Escritura” (ou seja, como um todo, como um conjunto de crenças doutrinais ou a cristalização da Sagrada Tradição), em vez de “o verdadeiro significado e interpretação de cada passagem individualmente da Sagrada Escritura”. A Igreja, portanto, argumenta que a Sagrada Escritura ensina a doutrina do papado, e que qualquer pessoa que negue isso está errada e se opõe ao “consentimento unânime” dos Padres.

Sr. Webster, portanto (inadvertidamente, eu suponho) estabelece falsas premissas, sobre as quais ele baseia seu argumento, que ele aparentemente considera convincente e claro. Baseia-se em uma suposta exigência conciliar para interpretar todas as passagens bíblicas individualmente na forma como as interpreta, e uma suposta alegação de que todos os Padres as interpretaram desta forma. Mas essas exigências e reivindicações simplesmente não ocorrem nos decretos do Concílio. Como muitos polêmicos não-católicos, o Sr. Webster é vítima da tentação de atribuir à Igreja Católica um “dogmatismo” desagradável e excessivo que vai além do que a Igreja reivindica a si mesma.

 “O Vaticano I, então, procede a estabelecer seus ensinamentos sobre a primazia papal e a infalibilidade com a interpretação de Mateus 16:18, João 21: 15-17 e Lucas 22:32 como base para seus ensinamentos.

Até aqui, o Sr. Webster está correto. Como qualquer bom protestante, a Igreja Católica busca oferecer uma justificativa bíblica para suas crenças.

E então afirma que as interpretações que dá e as conclusões que extrai dessas interpretações, em termos da prática da Igreja, tem sido aquilo que já foi ensinado na Igreja e praticado por ela.

Em termos da essência do papado e dos núcleos contidos nessas passagens, sim. Mas, como veremos em breve, o Sr. Webster acusou falsamente que a Igreja está fazendo uma afirmação falsa sobre a exegese histórica - uma disputa que não consigo encontrar nos textos que ele cita (talvez eu me passei, e o Sr. Webster pode apontar isso para mim).

Aqui está o que o Vaticano diz:

Capítulo I: Da Instituição da Primazia Apostólica no abençoado Pedro.

Portanto, ensinamos e declaramos que, de acordo com o testemunho do Evangelho, o primado de jurisdição sobre a Igreja universal de Deus foi imediatamente e diretamente prometido e dado ao abençoado Pedro apóstolo por Cristo Senhor. Pois foi para Simão somente, a quem ele disse: "Serás chamado Cefas", que o Senhor após a confissão feita por ele, dizendo: ‘Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo’, abordou estes palavras solenes: ‘Bem-aventurado, Simão Bar-Jona, porque nem carne e nem o sangue revelaram a ti, mas meu Pai, que está nos céus. E eu digo a você que você é Pedro; e sobre esta pedra irei construir a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus. E tudo quanto ligares na terra, também estará ligado no céu; e tudo o que perderás na terra, será solto também no céu’. E foi Simão sozinho que Jesus, após a sua ressurreição, concedeu a jurisdição do pastor e governante em todas as suas dobras nas palavras: “Alimente os meus cordeiros, alimente minhas ovelhas”. Em discordância aberta a esta doutrina clara da Sagrada Escritura, que sempre foi entendida pela Igreja Católica, está a opinião perversa daqueles que, enquanto distorcem a forma de governo estabelecida por Cristo Senhor em sua Igreja, negam que Pedro em sua única pessoa, preferencialmente a todos os outros Apóstolos, seja levado separadamente ou em conjunto, foi dotado por Cristo com verdadeira primazia de jurisdição; ou daqueles que afirmaram que o mesmo primado não foi concedido imediatamente e diretamente sobre o próprio santo Pedro, mas sobre a Igreja e através da Igreja em Pedro como seu ministro. Se alguém, portanto, dizer que o abençoado Pedro Apóstolo não foi nomeado Príncipe de todos os Apóstolos e o chefe visível de todo  a Igreja militante; ou o mesmo e imediatamente recebido do mesmo Senhor Jesus Cristo para o primado da honra, e não da jurisdição verdadeira e apropriada: seja anátema.(Philip Schaff, The Creeds of Christendom [New York: Harper, 1877], Dogmatic Decrees of the Vatican Council, Ch. 4, pp. 266-71).

Observe aqui que o Vaticano I afirma que sua interpretação de Mateus 16 e João 21 foi a interpretação que já era compreendida na Igreja. Isto é, desde o início dela.”

Se por isso, o Sr. Webster está implicando que o concílio afirmou que todos os Padres interpretaram essas passagens particulares da mesma forma, o concílio simplesmente não faz. Uma distinção crucial deve ser feita neste momento. O Concílio (e os apologistas católicos de hoje) podem e devem usar vários textos bíblicos para apoiar alguma doutrina católica particular. O Vaticano I, então, está de fato argumentando:

“Estas são algumas das razões bíblicas pelas quais aceitamos essas crenças (sobre o papado), crenças que sempre foram cridas [na essência - com desenvolvimento ao longo do tempo] pela Igreja”.

Note-se que isso é bastante diferente (muito diferente, em termos de lógica) de argumentar o seguinte, o que - se não estou enganado - o Sr. Webster afirma falsamente que o Vaticano I que está fazendo:

Estas são algumas das razões bíblicas que sempre foram usadas pela Igreja - com o consentimento unânime dos Padres - para justificar essas crenças (sobre o papado), crenças que sempre foram cridas (na sua essência - com o desenvolvimento ao longo do tempo ) pela Igreja “.

Em outras palavras, as próprias crenças e os raciocínios bíblicos particulares e textos de prova para essas crenças não são um e o mesmo. Assim, mesmo que nem todos os Padres tivessem aceitado as interpretações de certas passagens “papais” que são freqüentemente usadas na apologética católica hoje, isso não significa que, portanto, rejeitaram a doutrina do papado. O Sr. Webster alterou sutilmente o sentido do Vaticano I e as ideias “contrabandeadas” que não estão realmente presentes nos próprios documentos, a fim de reforçar a sua posição anti-papal. Mais uma vez, não afirmo que ele seja deliberadamente enganador. A lógica é suficientemente sutil para ter sido engarrafada em sua aplicação, um faux pas todos os defensores de um ponto de vista particular são propensos a cometer, em seu zelo e paixão pelas idéias que eles possuem. Mas agora que essa falácia lógica foi apontada e exposta, o Sr. Webster deve encarar honestamente.

Além disso, é preciso compreender exatamente o que se entende por “consentimento unânime” dos Padres. Steve Ray também escreveu sobre isso. Em poucas palavras, isso não significa neste contexto (uso latino antigo), “absolutamente todos”. Isso significa “um consenso muito amplo / generalizado”.

 

Vaticano I, Cardeal Newman, & o papado versus William Webster

 

Além disso, afirma que Pedro foi dado a primazia de jurisdição desde o início pelo próprio Cristo e que este primado foi transmitido aos sucessores de Pedro, os bispos de Roma. Isto, diz, tem sido conhecido por todas as eras.”

Na verdade, a jurisdição estava presente desde o início e reconhecida pelos Padres, como evidenciado nas minhas 50 provas do NT para a Primazia Petrina e o Papado e em grande profundidade no livro de Steve Ray Upon This Rock. Estava presente quando Jesus deu a São Pedro as "chaves do reino", e renomeou-o "Pedra", com uma preeminência eclesiológica fortemente implícita (e em breve exercida), como mostrado nas muitas passagens que detalho. Os sucessores são uma questão de fato histórico. Roma tornou-se o centro da Igreja pelo designio de Deus: São  Pedro e São Paulo foram martirizados lá, afinal. Os cristãos americanos têm pouca noção do lugar e função do martírio na vida cristã. Roma também foi obviamente chave em termos de influenciar o Império Romano. Mas eu divago. .

Em outras palavras, não havia bolota. De acordo com o Vaticano I, o papado era um carvalho completo e completo desde o início porque foi estabelecido pelo próprio Cristo.”

O Concílio nunca afirma que foi um “carvalho completo desde o início" (porque isso seria claramente falso). Nada nos documentos contradiz o desenvolvimento da doutrina - justamente entendido - no mínimo. O fato de que o papado foi estabelecido pelo próprio Cristo não significa que inicialmente pareceria e operaria da mesma maneira que hoje, após quase 2000 anos de desenvolvimento. O cardeal Newman escreve muito eloquentemente (como sempre) sobre essa noção:

Vejamos como, nos princípios o que eu tenho apoioado e defenddido, a evidência reside na supremacia do Papa.

Quanto a esta doutrina, a questão é essa, se não havia, desde o início, um certo elemento no trabalho, ou existente, sancionado divinamente, que, por certas razões, não se mostrou imediatamente na superfície dos assuntos eclesiásticos e de quais eventos são desenvolvimento do século IV; e se a evidência de sua existência e operação, que ocorre nos séculos anteriores, seja muito ou pouco, não é exatamente como deve ocorrer sobre tal hipótese.

. . . Enquanto os apóstolos estavam na terra, não havia exibição de nem bispo nem papa; seu poder não tinha proeminência, como sendo exercido pelos apóstolos. Com o passar do tempo, primeiro o poder do Bispo se mostrou, e depois o poder do Papa. . .

Quando a Igreja, então, foi lançada sobre seus próprios recursos, os primeiros distúrbios locais deram tarefas aos Bispos, e os próximos distúrbios ecumênicos deram tarefas aos Papas; e se a comunhão com o Papa era necessária para a Catolicidade não seria e não poderia ser debatida até que a suspensão dessa comunhão realmente tivesse ocorrido. Não é uma dificuldade maior São Ignácio não ter escrito para os gregos asiáticos sobre os papas, do que São Paulo não escrever aos coríntios sobre os Bispos. E a dificuldade de que a supremacia papal não tenha sido formalmente reconhecida no segundo século é menor do que não haver reconhecimento formal por parte da Igreja a respeito da doutrina da Santíssima Trindade até o quarto século. Nenhuma doutrina é definida até que seja violada. . .

Além disso, um vínculo internacional e uma autoridade comum não poderiam ser consolidados, se alguma vez fosse certamente oferecida, enquanto as perseguições duraram. Se o Poder Imperial viu o desenvolvimento dos Concílios, viu também o poder do Papado. O Credo, o Canon, da mesma forma, ambos permaneceram indefinidos. O Credo, o Canon, o Papado, Concílios Ecumênicos, todos começaram a se formar, assim que o Império relaxou sua opressão tirânica na Igreja. E como era natural que seu poder monárquico se exibisse quando o Império se tornasse cristão, também era natural que outros desenvolvimentos desse poder ocorressem quando esse Império caiu. . .

Em suma, supondo que o poder que foi divinamente concedido, mas no princício mais ou menos adormecido, nenhuma história poderia ser rastreada como mais provável, mais adequada a essa hipótese, do que o curso atual da controvérsia que ocorreu era após era sobre a supremacia papal.

Diz-se que tudo isso é uma teoria. Certamente é: é uma teoria para explicar os fatos enquanto eles ocorrem na história, para explicar-nos muito sobre a autoridade papal nos primeiros tempos, e nada mais; uma teoria para reconciliar o que é e o que não está registrado sobre isso; e, qual é o ponto principal, uma teoria para conectar as palavras e atos da Igreja Ante-nicena com essa probabilidade antecedente de um princípio monárquico no Esquema Divino, e a sua exemplificação real no quarto século, que forma suas interpretações presunsosas. Tudo depende da força dessa presunção. Supondo que exista uma boa razão para dizer que a supremacia papal é parte do cristianismo, não há nada na história inicial da Igreja para contradizê-la. . .

Além disso, tudo isso deve ser visto à luz da probabilidade geral, tanto insistido acima, que a doutrina não pode deixar de se desenvolver à medida que o tempo prossegue e precisa surgir, e que seus desenvolvimentos são partes do sistema Divino e, portanto, é legal, ou, antes, necessário, interpretar as palavras e os atos da Igreja anterior pelo ensino determinado da posterior.”  (Essay on the Development of Christian Doctrine, 1878 edition, Univ. of Notre Dame Press, 1989, pp. 148-155; Part 1, Chapter 4, Section 3)

E então afirma que este ensinamento faz parte do conteúdo da fé salvadora. Desviar-se desse ensinamento é incorrer na perda da salvação. Esta é uma afirmação explícita de que fora da Igreja de Roma não há salvação.”

Isso é verdade, mas é claro que deve ser entendido como esse ensino é aplicado (uma tarefa além do nosso alcance imediato). Existem muitas “lacunas” que permitem ignorância e diminuição da culpa devido a uma variedade de fatores em que um determinado indivíduo pode não ser culpado por sua incredulidade. O ensino católico a este respeito é muito bíblico, matizado e complexo, ao contrário, por exemplo de calvinistas e outras visões protestantes fundamentalistas que remetem classes inteiras de pessoas a condenação e inferno devido à dupla predestinação mesmo que eles nunca tenham ouvido o evangelho. Eu tenho muitos links sobre esse tópico na minha página Ecumenism and Christian Unity.

Mais tarde, em seu ensino sobre infalibilidade papal, o Vaticano I afirma:

Pois o Espírito Santo não prometeu aos sucessores de Pedro, que por sua revelação eles poderiam dar a conhecer nova doutrina; mas que, por sua ajuda, poderiam inviolávelmente manter e expor fielmente a revelação ou depósito da fé entre os Apóstolos. E, de fato, todos os Padres veneráveis abraçaram, e os santos doutores ortodoxos veneraram e seguiram, sua doutrina apostólica; sabendo muito plenamente que esta Sé do santo Pedro permanece livre de todas as imperfeições de acordo com a promessa divina do Senhor, nosso Salvador, feita ao príncipe dos seus discípulos: “Roguei por ti para que a tua fé não falhasse e, quando Você te converteres, confirma teus irmãos”. Este dom, portanto, da verdade e da fé que nunca falhou foi conferido pelo céu sobre Pedro e seus sucessores em sua catedra, para que eles pudessem desempenhar seu alto cargo para a salvação de todos. . .” [segunda parte da citação omitida]

 “O Vaticano I baseia seu ensinamento da infalibilidade papal na interpretação de Lucas 22, 32. Um ensino ou tradição que diz que foi recebido desde o início da fé cristã. O Concílio afirma que a doutrina da infalibilidade papal é um dogma divinamente revelado e todos os que se recusam a abraçá-la são colocados sob anátema.

O concílio não afirma que todo o ensino seja baseado em Lucas 22, 32. Ele apenas dá essa passagem como um texto de prova, não para a infalibilidade papal per se, mas sim pela indefectibilidade da Igreja, centrada e fundamentada na ortodoxia dos papas. Novamente, isso não significa que absolutamente todo padre da Igreja tinha essa interpretação de Lucas 22, 32, se é o que está implícito. O que foi recebido desde o início foi o primado papal e a jurisdição universal, que é a essência e a “semente” da infalibilidade papal, assim como a declaração bíblica “Jesus é Senhor” é a “semente” da cristologia calcedoniana extremamente complexa e altamente filosófica de 451 d.C

Se a própria cristologia - a própria doutrina de Deus - levou mais de 400 anos para “se separar”, por assim dizer (na verdade, ainda mais, como a heresia do Monotelista ainda estava para aparecer), por que não o papado? Em 451, o Papa São leão Magno reinava e era uma figura-chave na determinação da cristologia ortodoxa (aceita até hoje por todos os três ramos do cristianismo). O papado era bastante robusto e “pleno” até então, como a maioria dos historiadores concordaria. Veja o meu artigo: “Papa Leão, o Grande e supremacia papal”. Quanto à infalibilidade papal: a verdadeira autoridade cristã deve ter um meio divinamente ordenado para protegê-a do erro. Servimos ao Deus da verdade, não do relativismo e da confusão. Em última análise, esse “protetor” é o próprio Espírito Santo, de acordo com tais passagens como João 14, 26 e 16, 13.

 

Vaticano I, Vincente de Lérins, Verdades e a Ginástica Verbal de Webster

 

Antes de avançar para as acusações equivocadas do Sr. Webster sobre o ensino do Papa Leão XIII em relação ao Vaticano I e ao desenvolvimento da doutrina, deixe-nos observar brevemente que o Vaticano I - longe de rejeitá-lo - abraçou o desenvolvimento da doutrina. Não pode haver qualquer dúvida sobre isso, como agora vou provar

Aqui está uma parte da Constituição dogmática sobre a fé católica, cap. 4, "Of Faith and Reason", dos Canons e Decretos Dogmaticos (Rockford, Illinois: TAN Books, 1977; reimpressão de 1912 ed. De traduções autorizadas dos Concílios de Trento e do Vaticano I, Imprimatur de John Cardinal Farley, de Nova York, pp. 232-233):

“Assim, também, os significados dos dogmas sagrados para serem perpetuamente guardados, são os que a nossa santa Mãe, a Igreja, já declarou; nenhuma interpretação deve se afastar, sob o pretexto ou pretenção de uma compreensão mais profunda deles (iii). Deixe a inteligência, ciência e sabedoria de tudo e de todos, de indivíduos e de toda a Igreja, em todas as idades e em todos os tempos, aumentar e prosperar em abundância e vigor; mas simplesmente em seu próprio caminho adequado, isto é, em uma e mesma doutrina, um e o mesmo julgamento. (29)”( Vincente de Lerins, Commonitório. n. 28)

Isso expressa precisamente a compreensão vincentiana e nemanmaniana (e católica) do desenvolvimento de doutrinas que permanecem essencialmente inalteradas. O desenvolvimento não é, enfaticamente, a evolução per se, que é a transformação ou mudança de uma coisa em outra coisa. Os dois conceitos são inteiramente distintos, filosóficamente e linguisticamente. Em breve devo citar o Papa São Pio X, que faz exatamente essa distinção em uma encíclica papal. Aqui está uma segunda tradução da passagem, da Fé Cristã: Documentos Doctrinais da Igreja Católica, editado por J. Neuner e J. Dupuis , Nova Iorque: Alba House, quinta edição revisada e ampliada, 1990, p. 47:

 “Portanto, também que os significados dos dogmas sagrados a serem perpetuamente mantidos, sejam os que a nossa Mãe Igreja Mãe já declarou, e nunca deve haver desvio desse significado sobre o motivo e o título especioso de um entendimento mais profundo. ‘Portanto, que haja crescimento e progresso abundante em compreensão, conhecimento e sabedoria, em todos e cada um, dos indivíduos e em toda a Igreja, em todos os momentos e no progresso dos tempos, mas apenas dentro dos limites adequados, isto é, dentro de o mesmo dogma, o mesmo significado, o mesmo julgamento.” (1)

(1) Vincent de Lerins, Commonitorium primum, 23.

Talvez, nas palavras do guarda da prisão em Cool Hand Luke, “o que temos aqui é um fracasso em se comunicar”. Não existe conflito entre a tese do Cardeal Newman em seu Ensaio sobre o Desenvolvimento da Doutrina Cristã e o pronunciamento infalível do Concílio ecumênico (que ocorreu durante a própria vida de Newman, na verdade).

Vaticano I cita São Vicente de Lérins como um precedente, assim como o próprio Newman 25 anos antes. Cita a própria passagem que é - de todas as contas - a exposição clássica do desenvolvimento dogmático nos Pais - a própria inspiração de Newman para expandir ainda mais a noção. São Vicente também desenha a analogia do crescimento orgânico dos corpos, usando uma metáfora (“semente”) que é a mesma noção da “bolota e o carvalho” que o Sr. Webster tão despreza.

E aqui está o trecho de São Vicente de Lerins que o Vaticano I citou (Nota, 23: 28-30), em mais uma tradução (William A. Jurgens, editor e tradutor, The Faith of the Early Fathers, 3 volumes, Collegeville Minesota: Liturgical Press, vol. 3, 1979, p.265). Vou fornecer o contexto, com a parte utilizada pelo Vaticano I entre os ***. Note-se que ao citar esta passagem - dado o contexto explícito - o Vaticano I está implicitamente e sem dúvida dando sanção à noção de desenvolvimento doutrinário. É expressamente negado (contra Webster) que a doutrina católica (incluindo, por extensão, o papado) começa como um “carvalho” e não como uma semente ou bolota:

Talvez alguém diga: então nenhum progresso da religião é possível na Igreja de Cristo? Certamente que deve haver progresso, e grandíssimo! Quem poderá sertão hostil aos homens e tão contrário a Deus que tentaria impedi-lo? Mas a condição de que se trate verdadeiramente de progresso pela fé, não de modificação. ***É característica do progresso de todas as maneiras possíveis a inteligência, o conhecimento, a sabedoria, tanto da coletividade como do indivíduo, de toda a Igreja, segundo as idades e os séculos; com tal de que isso suceda exatamente segundo sua natureza peculiar, no mesmo dogma, no mesmo sentido, segundo uma mesma interpretação.*** Que a religião das almas imite o modo de desenvolvimento dos corpos, cujos elementos, ainda que com o passar dos anos se desenvolvem e crescem, sem embargo permanecem sendo sempre eles mesmos....  Se com o passar do tempo, uma parte da semente original se desenvolveu alcançando felizmente a maturidade plena, não se pode dizer que tenha mudado o caráter específico da semente. pode se dar uma mudança no aspecto, na forma, umaformação mais precisa, mas a natureza própria de cada espécie permanece intacta.”

Se isso não fosse um obstáculo suficientemente desaprovador da afirmação do Sr. Webster de que o Vaticano I se opõe ao desenvolvimento doutrinário, no mesmo trabalho, São Vicente expressa seu famoso ditum (muitas vezes citados pelos polemistas protestantes contra o desenvolvimento):

Na própria Igreja Católica, todos os cuidados devem ser tomados para que possamos nos apegar àquilo que foi acreditado em todos os lugares, sempre e por todos. Pois isto é, então, verdadeiramente e devidamente católico. . . (Notebooks, 2, 3. Jurgens, ibid., Vol. 3, pág. 263)

Obviamente, a essência imutável e o desenvolvimento de elementos não essenciais são compatíveis, de acordo com São Vicente, Newman e Vaticano I. Aqui temos quase todos os elementos delineados por Newman catorze séculos depois, ainda controversialistas protestantes tais como George Salmon e William Webster continuam a afirmar que os pontos de vista de Newman eram uma saída radical do precedente católico! Que bobo; que triste!

Para estabelecer o fato de que São Vicente de Lérins é uma figura-chave no “desenvolvimento do desenvolvimento da doutrina”, devo citar o Papa São Pio X e quatro especialistas sobre a história da doutrina cristã: dois católicos e dois estudiosos protestantes, respectivamente:

Nada, portanto, Veneráveis Irmãos, se pode dizer estável ou imutável na Igreja, segundo o modo de agir e de pensar dos modernistas. Para o que também não lhes faltaram precursores, esses de quem o nosso predecessor Pio IX escreveu: estes inimigos da revelação divina, que exaltam com os maiores louvores o progresso humano, desejariam com temerário e sacrílego atrevimento introduzi-lo na religião católica, como se a mesma não fosse obra de Deus, mas obra dos homens, ou algum sistema filosófico, que se possa aperfeiçoar por meios humanos (Enc. "Qui pluribus", 9 de nov. de 1846). acerca da revelação particularmente, e do dogma, os modernistas nada acharam de novo; pois, a sua mesma doutrina, antes deles, já fora condenada no Silabo de Pio IX nestes termos: A divina revelação é imperfeita e por isto está sujeita a contínuo e indefinido progresso, correspondente ao da razão humana (Syllabo, proposição condenada 5); e mais solenemente ainda a proscreve o Concílio Vaticano I por estas palavras: A doutrina da fé por Deus revelada, não é proposta à inteligência humana para ser aperfeiçoada, como uma doutrina filosófica, mas é um depósito confiado à esposa de Cristo, para ser guardado com fidelidade e declarado com infalibilidade. Segue-se pois que também se deve conservar sempre aquele mesmo sentido dos sagrados dogmas, já uma vez declarado pela Santa Mãe Igreja, nem se deve jamais afastar daquele sentido sob pretexto e em nome de mais elevada compreensão (Const. "Dei Fillius", cap. IV). De maneira alguma poderá seguir-se daí que fique impedida a explicação dos nossos conhecimentos, mesmo relativamente à fé; ao contrário, isto a auxilia e promove. Neste sentido é que o Concílio prossegue dizendo: Cresça, pois, e com ardor progrida a compreensão, a ciência, a sapiência tanto de cada um como de todos, tanto de um só homem como de toda a Igreja com o passar das idades e dos séculos; mas no seu gênero somente, isto é, no mesmo dogma, no mesmo sentido, no mesmo parecer”[17] (Papa São Pio X, Pascendi Dominici Gregis, “Sobre As Doutrinas Modernistas” 8 Setembro 1907, seção 28)

Observe como o papa, que é conhecido por sua oposição ao modernismo teológico, ou o liberalismo - em sua famosa encíclica sobre esse mesmo assunto - cita a mesma passagem do Vaticano I que eu observei, incluindo a citação de São Vicente (que está no próprio final). Ele afirma que o desenvolvimento da doutrina não é nem a “evolução” (o que ele contrasta com ela) nem o modernismo. Por extensão, ele está verificando que o Vaticano I sustentou o desenvolvimento da doutrina (como explicado por São Vicente e, mais recentemente, no mesmo sentido, pelo Cardeal Newman) como inteiramente ortodoxo e católico.

Ele afirma isso de forma definitiva: Nem o desenvolvimento do nosso conhecimento, mesmo em relação à fé, impedido por este pronunciamento; pelo contrário, é suportado e mantido. Nada poderia ser mais claro. Este é outro prego no caixão das afirmações do Sr. Webster. O papado é uma das muitas doutrinas contidas na "fé" e no depósito apostólico. Desenvolve-se como todos os outros dogmas e, como todas as crenças no protestantismo também - incluindo o cânone da própria Escritura (muitos protestantes procuram negar isso).

Jurgens

O princípio doutrinal de Vincente não exclui o progresso e o desenvolvimento; mas exclui a mudança. Para Vincente, o progresso é um crescimento desenvolvimental da doutrina em sua própria esfera; A mudança, no entanto, implica uma transformação em algo diferente. Em sua encíclica Pascendi gregis contra o modernismo, o Papa São Pio X se refere favoravelmente a São Vicente; assim como o Concílio Vaticano II na sua Constituição dogmática sobre a fé católica.” (A fé dos primeiros pais, vol. III, Jurgens, ibid., P. 262)

Johannes Quasten

 “[Descrevendo o pensamento de São Vicente] Os critérios de tradição não levam à imobilidade, uma vez que se junta com um segundo critério, essencial e complementar, de progresso dogmático que opera de acordo com as leis do crescimento orgânico.

Este progresso realmente constitui um progresso e não uma alteração da fé, pois é característico do progresso que uma coisa cresce enquanto permanece o mesmo e característico da alteração que uma coisa é transformada em outra. Portanto, a inteligência, o conhecimento e a sabedoria crescem e aumentam consideravelmente tanto o indivíduo como de todos, tanto do homem solteiro quanto de toda a igreja, de acordo com as idades e os tempos. A natureza particular de cada um deve ser respeitada, no entanto; isto é, permanece exatamente o mesmo dogma, tem o mesmo significado e expressa o mesmo pensamento "(c.23).

O Vaticano I adotou esta fórmula bem conhecida como sua. . . Há, portanto, um triplo progresso: um progresso na formulação que a igreja, tendo sido desafiada pelos hereges, realiza por meio de decretos conciliares para iluminar o entendimento com termos novos e apropriados e transmiti-los para aqueles que virão mais tarde; progresso na vida orgânica que ocorre em verdades dogmáticas e sempre excede a linguagem que a expressa, da mesma forma que uma vida humana cresce desde a infância até a velhice, permanecendo sempre a mesma pessoa; progresso na aquisição final da verdade sem alteração ou mutilação. . .

Paradoxalmente, este professor da imutabilidade é revelado como teólogo das leis do desenvolvimento do dogma. O Commonitorium, como observou Bossuet, também se inspirou nos escritos de Agostinho.

Embora Vincente tenha se preocupado principalmente com as inovações das heresias, o Ocidente inspirou-se em seu ensino sobre o progresso do dogma desenvolvido em vários capítulos do Commonitorium (c. 23-24). Ele reconheceu esse desenvolvimento tanto no entendimento como na formulação da verdade dogmática. Sem alterar o depósito de fé de qualquer maneira, a igreja explora sua riqueza mais profundamente e expressa seu conteúdo com mais clareza. . . .

É certo que. . . a influência do Commonitorium não deixou de aumentar desde o século XVI. . . Belarmino descreveu-o como libellus plane aureus, enquanto Bossuet faz referência constante a ele em sua Defesa da tradição dos santos Peres. Católicos e protestantes o consideravam com a mesma admiração no inicio. Newman encontrou uma norma "ecumênica" no Commonitorium e adquiriu uma nova importância para o trabalho. . . o primeiro Concílio do Vaticano. . . citou a última palavra de Vincente de Lérins na Constituição Dogmática sobre a Fé. (Patrologia, Johannes Quasten, vol. IV, ed. Angelo di Berardino, traduzido por Placid Solari, Allen, Texas: Christian Classics, 1977, do capítulo 8, de Adalbert Hamman, pp. 548-550)

Philip Schaff

Agostinho. . . reconhece manifestamente um avanço gradual da doutrina da igreja, que atinge sua correspondente expressão de tempos em tempos através dos concílios gerais; mas um progresso dentro da verdade, sem um erro positivo. . . Do mesmo jeito, Vincentius Lerinensis ensina que a doutrina da igreja passa efetivamente através de vários estágios de crescimento no conhecimento e se define cada vez mais claramente em oposição a erros cada vez maiores, mas nunca pode ser alterada ou desmembrada.” (História da Igreja Cristã, vol. 3: Cristianismo Niceno e Pós-Niceno, Philip Schaff, Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 1974 [orig. 1910], pág. 344)

JND Kelly

“...Não que Vincente seja um conservador que exclua a possibilidade de todo progresso na doutrina. Em primeiro lugar, ele admite que tem sido o negócio de concílios para perfurar e polir as fórmulas tradicionais, e até mesmo conceitos, nos quais as grandes verdades contidas no depósito original são expressas, declarando assim “não novas doutrinas, mas antigas em novos termos” (non nova, sed nove). Em segundo lugar, no entanto, ele parece permitir um desenvolvimento orgânico de doutrina análoga ao crescimento do corpo humano desde a infância até a idade. Mas esse desenvolvimento, ele tem o cuidado de explicar, embora real, não deve resultar na menor alteração do significado original da doutrina em questão. Assim, no final, o cristão deve, como Timóteo, [1 Tim 6:20] "guardar o depósito", isto é, a revelação consagrada em sua plenitude na Sagrada Escritura e corretamente interpretada na tradição infalível da Igreja. (Early Christian Doctrines, J. N. D. Kelly, San Francisco: Harper Collins, edição revisada, 1978, pp. 50-51)

Salmon e os cavalos mortos (sendo espancados)

Em seu livro The Infallibility of the Church (originally 1890) o anglicano George Salmon's parece ser uma inspiração para as polêmicas anti-infalibilidade e anti-desenvolvimento da atual geração de cruzados anti-católicos, como William Webster e James White. No entanto, foi refutado decisivamente duas vezes, por B.C. Butler, em seu livro The Church and Infallibility: A Reply to the Abridged “Salmon” e também em uma série de artigos em The Irish Ecclesiastical Record, em 1901 e 1902. (1)

No entanto, até mesmo os mais ecumênicos apologistas protestantes Norman Geisler e Ralph MacKenzie alegaram em 1995, em uma crítica importante ao catolicismo, c Roman Catholics and Evangelicals: Agreements and Differences (2) que o livro de Salmon “nunca foi realmente respondido pela Igreja Católica”. "Geisler e MacKenzie citam Salmon como uma “testemunha” as suas opiniões (3).

George Salmon revelou em seu livro sua ignorância profundamente tendenciosa não apenas em relação à infalibilidade papal, mas também em relação aos princípios básicos do desenvolvimento da doutrina:

Os Defensores romanistas. . . agora se contentam em trocar tradição, que seus predecessores fizeram a base do seu sistema, para esta nova base de desenvolvimento. . . A teoria do desenvolvimento é, em suma, uma tentativa de permitir que os homens, espancados da plataforma da história, se agarrassem pelas pálpebras. . . A antiga teoria era que o ensino da Igreja nunca havia variado.” (4)

  1. Butler: New York, Sheed & Ward, 1954, 230 pages. A friend was recently able to obtain the articles from the Irish Ecclesiastical Record in the library of a well-known evangelical seminary in the Chicago area.
  2. Norman L. Geisler and Ralph E. MacKenzie, Roman Catholics and Evangelicals: Agreements and Differences, Grand Rapids, Michigan: Baker Books, 1995, p. 206, which calls it the “classic refutation of papal infallibility.” See also p. 459.
  3. Geisler and MacKenzie, ibid., pp. 206-207.
  4. Salmon, George, The Infallibility of the Church, Grand Rapids, Michigan: Baker Book House (originally 1888), pp. 31-33 (cf. also pp. 35, 39).

Aqui, Salmon (como Webster) está lutando quijateticamente com um espantalho de sua própria criação e procurando forçosamente forçar seus leitores na aceitação de uma dicotomia falsa e totalmente logicamente desnecessária: esse desenvolvimento da doutrina implica mudança na essência ou substância de uma doutrina e portanto, é totalmente contrário às reivindicações da Igreja para ser o Guardiã e o Custodiante de uma tradição autorizada de dogma sem mudança. Mas isso enfaticamente não é a crença católica, nem a de Newman, a quem Salmon respondeu em grande parte. Também não é verdade que o desenvolvimento fosse uma teoria "nova" introduzida pelo cardeal Newman no catolicismo, enquanto a "velha teoria" era diferente. Isto é comprovado de forma irreconhecível pelos escritos de São Vicente de Lérins, acima (eles mesmos, em paralelo com Santo Agostinho e outros pais, bem familiarizados com a noção ortodoxa de desenvolvimento).

 

Papa Leão XIII: inimigo do Desenvolvimento de Doutrina e de Newman?

 

“A encíclica papal, Satis Cognitum, escrita pelo Papa Leão XIII em 1896, é um comentário sobre o assunto e a confirmação papal dos ensinamentos do Vaticano I. Quanto à questão do desenvolvimento doutrinário, Leão deixa bem claro que o Vaticano não deixo espaço para tal conceito em seus ensinamentos.”

Se, de fato, isso fosse verdade (certamente não é), então seria extremamente estranho que o Papa Leão XIII nomeasse John Henry Newman a Cardeal em 1879, logo depois de se tornar papa (1878). Por que ele faria isso ao famoso expoente do tratamento clássico do desenvolvimento da doutrina, se ele mesmo rejeitou essa mesma noção? Não; como antes, o Sr. Webster está (conscientemente ou não) subitamente alterando definições e declarações de um papa e um concílio para que pareça que há uma contradição flagrante, quando na verdade não existe. Esse estado mítico é mais que absurdo:

Il mio cardinale”, o Papa Leo chamou Newman, “meu cardeal”. Houve muita resistência a indicação. “Não foi fácil”, lembrou o Papa mais tarde, “não foi fácil”. Eles disseram que ele era muito liberal.”(Marvin R. O'Connell, ‘Newman and Liberalism’, em Newman Today, editado por Stanley L. Jaki, San Francisco: Ignatius Press, 1989, página 87)

E o próprio fato de que Newman era agora um membro do colégio sagrado acabou com isso, como ele expressou, ‘todas as histórias que foram feitas sobre mim como sendo meio católico, um católico liberal, sem confiança. . . A nevoa se dispersou para sempre.’ (Ibid., P. 87; Carta de Newman para R. W. Church, 11 de março de 1879, Cartas e diários, vol. XXIX, página 72)

Ian Ker, autora da enorme biografia de 764 páginas, John Henry Newman (Oxford University Press, 1988) explana sobre o papa Leão XIII em relação a Newman:

O duque de Norfolk apresentou pessoalmente a sugestão ao Papa. O objetivo explícito do duque era garantir o reconhecimento de Roma da lealdade e da ortodoxia de Newman. Tal reivindicação não era apenas pessoal devida a Newman, mas era importante para remover entre os não-católicos a suspeita de que seus escritos apologéticos imensamente persuasivos e populares não fossem realmente propriamente católicos. Parece, de fato, como se Leão XIII já tivesse tido a própria idéia, como Newman foi mais tarde dado a acreditar. . . Depois de ser eleito Papa, ele deveria ter dito que a política de seu pontificado seria revelada pelo nome do primeiro Cardeal que ele criou. Vários anos depois, ele contou a um visitante inglês:. . .

‘Eu tinha decidido honrar a Igreja em homenagem a Newman. Eu sempre tive um apreço por ele. Estou orgulhoso por ter sido capaz de homenagear esse homem.’(p. 715).

Newman escreveu:

Por 20 ou 30 anos, os católicos ignorantes ou esquentados disseram quase que eu era um herege. . . Eu sabia e senti que era um mal miserável que a única verdadeira religião apostólica fosse tão caluniada que levasse os homens a supor que meu retrato não era o verdadeiro - e sabia que muitos se tornariam católicos, como deveriam ser, se eu fosse pronunciado pela Autoridade como sendo um bom católico. Por outro lado, há muito me irritou, que os protestantes deveriam dizer com condescendência que eu era apenas meio católico e muito bom para ser o que eram em Roma.” (em Ker, ibid., pp. 716-717; Cartas e diários, vol. XXIX, página 160)

Tais são os grandes homens; gênios; aqueles que estão à frente de seu tempo. Agora, o Sr. Webster junta-se a esta miserável e iludida corja daqueles que fingem que Newman era um católico heterodoxo e que sua teoria do desenvolvimento é de alguma forma não-católica ou - pior ainda - um método deliberadamente cínico de racionalização destinado a liquidar as chamadas “Contradições” da história doutrinal católica.

Leão afirma várias vezes que o papado foi totalmente estabelecido por Cristo desde o início e que tem sido o fundamento da constituição da Igreja e reconhecido como tal desde o início e em todas as idades.

Verdadeiro o suficiente, no sentido que eu enfatizei repetidamente.

Ele afirma ainda que o ensino do Vaticano I tem sido a crença constante de todas as idades e, portanto, não é uma doutrina nova:”

Céu misericordioso! Uma “doutrina nova” é algo como sola Scriptura, ou sola fide, das quais a última o apologista protestante Norman Geisler afirma que ninguém acreditou desde o tempo de São Paulo até Lutero (e os católicos também negariam fortemente que Paulo ensinou). Do mesmo modo, o estudioso protestante Alister McGrath confessa:

A característica essencial das doutrinas da Reforma da justificação é que é feita uma distinção deliberada e sistemática entre justificação e regeneração. Embora seja preciso enfatizar que essa distinção é puramente nocional, na medida em que é impossível separar os dois no contexto do ordo salutis, o ponto essencial é que é feita uma distinção teórica onde ninguém havia reconhecido antes na história da doutrina cristã. Uma descontinuidade fundamental foi introduzida na tradição teológica ocidental, onde nunca existiu, ou já foi contemplada, antes. A compreensão da Reforma sobre a natureza da justificação, em oposição ao seu modo, deve, portanto, ser considerada como uma verdadeira novidade teológica.” (Iustitia Dei: Uma História da Doutrina Cristã da Justificação, os Inícios da Reforma, Cambridge: Cambridge University Press, 1993, pp. 186-187)

Muitas outras inovações do protestantismo - estabelecidas contra todo precedente contrário da Igreja - se qualificam amplamente como verdadeiras “novidades”. O papado (mesmo considerado como explicitamente infalível) – seja lá como pensem - certamente não está no mesmo campo que todas essas novas invenções protestantes. Mas vejamos o que o Sr. Webster seleciona da encíclica do Papa Leão XIII, para supostamente reforçar suas tênues afirmações:

Portanto, como aparece do que foi dito, Cristo instituiu na Igreja um Magistério vivo, autoritário e permanente, que por seu próprio poder fortaleceu, pelo Espírito de verdade que ensinou e por milagres confirmados. Ele quis e ordenou, sob as penas mais graves, que os ensinamentos fossem recebidos como se fossem dele... Jesus Cristo, portanto, designou Pedro para ser o chefe da Igreja; e Ele também determinou que a autoridade instituída em perpetuidade para a salvação de todos deveria ser herdada por seus sucessores, em quem a mesma autoridade permanente do próprio Pedro deveria continuar. E assim fez essa notável promessa a Pedro e a ninguém mais: ‘Tu és Pedro e, sobre esta pedra, edificarei a minha Igreja’ (Mt. xvi., 18) ... Era necessário que um governo desse tipo, desde que pertence à constituição e formação da Igreja, como seu elemento principal - isto é, como o princípio da unidade e o fundamento de uma estabilidade duradoura - não deveria, de modo algum, chegar ao fim em São Pedro, mas deve passar para seus sucessores de um para o outro ... Quando o fundador divino decretou que a Igreja deveria ser uma na fé, no governo e na comunhão, escolheu Pedro e seus sucessores como o princípio e o centro, por assim dizer, desta unidade ... Na verdade, a Escritura Sagrada atesta que as chaves do Reino dos Céus foram dadas a Pedro apenas, e que o poder de unir e afrouxar foi concedido aos Apóstolos e a Pedro; mas nada mostra que os apóstolos receberam o poder supremo sem Pedro e contra Pedro. Tal poder que certamente não receberam de Jesus Cristo. Portanto, no decreto do Concílio do Vaticano quanto à natureza e à autoridade do primado do Romano Pontífice, nenhuma opinião recém-concebida é apresentada, mas a crença venerável e constante de todas as idades (Sess. Iv., Cap. 3).

Novamente, isso não é de modo algum inconsistente com a idéia de uma versão primitiva do papado consistentemente em desenvolvimento na instituição que vemos hoje. O Sr. Webster simplesmente levanta a questão ao assumir que o Papa Leão se refere a um papado de pleno direito e não à semente essencial e imutável do papado desenvolvido mais tarde, na pessoa de São Pedro. Leão XIII nunca faz qualquer declaração explicitamente denunciando o desenvolvimento (o que é a tese do Sr. Webster, afinal).

E quando ele se refere ao papado como a “crença constante”, ele não se expressa de forma diferente de um protestante que afirma que “a divindade de Cristo sempre foi crida”, ou “a Trindade sempre foi crida”, ou o Novo Testamento foi sempre aceito pelos cristãos do século 1, quando eles sabem muito bem (se eles conhecem a história de sua Igreja) que as doutrinas de Deus (teologia trinitária) e especialmente Cristo (Cristologia) também sofreram muito desenvolvimento (Duas Naturezas, Credo Atanasiano, Theotokos, batalhas com hereges como os Monotelistass, Arianos e Sabelianos), enquanto ao mesmo tempo permanecem iguais em essência.

Do mesmo modo, não houve um consenso total sobre o Novo Testamento até o cânon ter sido finalizado no final do século IV. No entanto, a Escritura era o que sempre foi: inspirado e ditada por Deus. A Igreja não conseguiu isso (como o próprio Vaticano afirma explicitamente). Os protestantes, ao falar do amplo consenso dos primeiros Padres em relação ao cânon das Escrituras, afirmam basicamente o “consentimento unânime dos Padres” da maneira como um católico argumentaria. Do mesmo modo, o papado era o que era, o tempo todo, mesmo que nem todos os reconhecessem. Nem todos reconheceram Jesus como o Messias e o Senhor, também. Isso não é desaprovação.

 

Conclusão: Tolices, falsos "fatos" e falácias

 

A própria Igreja Católica Romana declarou oficialmente que não havia desenvolvimento desta doutrina na Igreja primitiva.”

Onde? Isso certamente não foi demonstrado pelo Sr. Webster. Ele tem que fazer falsas deduções e redefinir palavras e frases para fazer o seu caso que nunca existiu, enquanto eu demonstrei claramente o contrário, diretamente do texto explícito do Vaticano I.

Afinal, se a plenitude da definição de primazia papal, tal como definida pelo Vaticano, foi instituída por Cristo imediatamente sobre Pedro, como ambos afirmam o Vaticano I e Leão XIII, então não há espaço para o desenvolvimento.”

Este é um caso clássico da lógica falaz do Sr. Webster e curioso método retórico. Onde se afirma que a “plenitude da definição de primado papal” foi conferida a Pedro? O primado em si foi dado a ele; o dever e as prerrogativas do escritório papal e as chaves do reino, mas nada disso implica que uma compreensão completa ou aplicação, ou reconhecimento unânime por parte de outros, também estava presente desde o início. A própria coisa - em seus aspectos essenciais, ou a natureza, está presente. E é isso que se desenvolve, sem contradição interna ou mudança de princípio, como Newman apontou claramente na longa citação acima.

Foi instituído pelo próprio Cristo e, portanto, estava presente desde o início e teria sido reconhecido como tal pela Igreja como diz o Vaticano I: “De onde, quem é que sucede com Pedro nesta Sede, pela própria instituição de Cristo obtém a Primazia de Pedro sobre toda a Igreja” -, um fato que o Vaticano diz que tem sido conhecido por todas as idades levando à prática “que sempre foi necessário que toda Igreja particular - ou seja, os fiéis em todo o mundo - deveria concordar com a Igreja Romana, devido à maior autoridade da promazia que recebeu. Esta documentação demole completamente a teoria do desenvolvimento atual dos apologistas católicos romanos. Eles estão em desacordo com o magistério de sua própria Igreja. Na verdade, esses apologistas devem apresentar uma teoria do desenvolvimento por causa da realidade histórica, mas essa teoria está em clara variação com o claro ensino do Vaticano I e do Leão XIII.”

Falso! Como mostrado, o Vaticano I aceitou explicitamente o desenvolvimento da doutrina, citando a própria passagem de São Vicente Lérins, que é a exposição clássica nos Pais - essencialmente idêntica à análise de Newman. O Papa Leão XIII nomeou Newman um cardeal - o seu primeiro ato, destinado a enviar uma mensagem, mas o Sr. Webster quer nos fazer acreditar que ele era diametralmente oposto ao pensamento pelo qual Newman ficou mais famoso (e notório, em alguns círculos): desenvolvimento da doutrina. Então, devemos acreditar que Leão XIII tornou Cardeal alguém que ele considerou um herege? Suponho qualquer cenário absurdo e surreal dentro da Igreja Católica seja possível na mente de muitos deles - dizemos - críticos zelosos. Do mesmo modo, o próximo papa e vigoroso condenador do modernismo, o Papa São Pio X, também apoiou não só São Vicente de Leéins, como vimos acima, mas também John Henry Newman (veja abaixo).

Assim, há evidências bastante positivas de que o desenvolvimento da doutrina foi (e é) realmente aceito pela Igreja Católica. O Sr. Webster, por outro lado, para apresentar sua tese, tem que confiar em distorções do que o desenvolvimento significa, e deduções improváveis de sugestões indiretas em documentos conciliares e papais, que ele interpreta como hostil ao desenvolvimento. É uma empreitada errada. Newman era ortodoxo, apesar do que Webster, Salmon e outros polêmicos protestantes querem nos fazer acreditar:

Para piorar as coisas e para aprofundar a decepção de Newman, sua obra tinha sido ansiosamente aproveitada pelos Unitários americanos como uma demonstração de primeira ordem de que a doutrina trinitária não era primitiva, mas era um desenvolvimento do terceiro século. Em meio à conseqüente excitação, o convertido militante americano, Orestes Brownson, fez uma série de ataques a obra, começando por um texto na Brownly's Quarterly Review em julho de 1846. Brownson chamou o trabalho de Newman “essencialmente anticatólico e protestante”; ele se opôs a ideia do cristianismo sendo tratado como uma “idéia”; e ele também se opôs à terceira marca de Newman de um verdadeiro desenvolvimento, o “poder da assimilação”...

Não é surpreendente, portanto, que a edição de 1878 seja de muitos modos, grande e pequena, diferente da de 1845. No entanto, nos trinta e três anos entre as duas edições, o Ensaio abriu caminho com a Igreja, e foi aceito em sua forma original como, nas palavras do Dr. Benard, “simplesmente uma maneira original e altamente engenhosa de apresentar uma doutrina católica estritamente tradicional”. Mas as vicissitudes do Ensaio de Newman não foram finalizadas. Durante os últimos anos do século XIX e início do vigésimo, surgiu o Movimento Modernista, no qual o volume de Newman foi feito instrumento de heresia. . .

Pode-se observar que quando o Papa Pio X emitiu a encíclica Pascendi dominici gregis em julho de 1907, condenando o Movimento, muitos dos leitores de Newman imediatamente temiam que o Ensaio sobre o Desenvolvimento fosse condenado também. . . Mas no auge da excitação ocasionada pela encíclica Pascendi, o Reverendo Edward Thomas O'Dwyer, bispo de Limerick, publicou seu panfleto sobre o Cardeal Newman e a Encíclica Pascendi Dominici Gregis (Londres: Longmans, Green e Co., 1908), o que mostrou claramente que os modernistas não podiam depender legitimamente de Newman para o seu ensino. A resposta final e autoritária aos modernistas, no entanto, apareceu quando o papa Pio X enviou uma carta ao bispo O'Dwyer, confirmando a defesa deste último de Newman. (Prefácio ao ensaio sobre o desenvolvimento da doutrina cristã por Charles Fredrick Harrold, Nova York: Longmans, 1949 pp. Vii-ix)

Então, quando analisamos esses ensinamentos papais à luz da história, é perfeitamente legítimo fazer a pergunta em dois níveis. Quanto à instituição real do papado, encontramos os ensinamentos do Vaticano I  expressado pelos pais da Igreja em sua prática?

Não está em plenitude, mas isso não é necessário para que a essência imutável e o desenvolvimento de aspectos secundários coexistam harmoniosamente.

E, em segundo lugar, quanto à questão da interpretação, encontramos o consentimento unânime dos pais sobre a interpretação do Vaticano I de Mateus 16, 18, João 21, 15-17 e Lucas 22,32 que apóia o primado papal e a infalibilidade? Em ambos os casos, a resposta é um decidido não.

Como já mostramos, o consenso sobre versos individuais das Escrituras não é exigido pela Igreja, e o Sr. Webster não documentou que o Vaticano I ensinou o contrário. O que é necessário é concordar com as premissas e características essenciais da doutrina, que de fato eram desde o início, a partir do tempo do comissionamento de São Pedro por Cristo. O caso do Sr. Webster, portanto, colapsa, tendo demonstrado ser lamentavelmente insuficiente ou totalmente contraditório em todos os seus principais pontos de disputa.

Eu encerro com uma citação do apologista protestante C. S. Lewis, que confirma a compreensão do desenvolvimento da doutrina de Newman e Católica:

Como um sistema imutável pode sobreviver ao aumento contínuo do conhecimento?.. A mudança não é um progresso, a menos que o núcleo permaneça inalterado. Um pequeno carvalho cresce e se trona um grande carvalho; Se se tornasse uma faia, isso não seria crescimento, mas mera mudança. .. Existe uma grande diferença entre contar maçãs e chegar às fórmulas matemáticas da física moderna. Mas a tabela de multiplicação é usada em ambos e não está fora desafasa. Em outras palavras, sempre que houver um progresso real no conhecimento, há algum conhecimento que não é substituído. De fato, a própria possibilidade de progresso exige que haja um elemento imutável... Eu aceito que todos nós concordemos em encontrar isso... nas regras simples da matemática. Eu também acrescentaria a estes os principais princípios da moralidade. E eu também acrescentaria as doutrinas fundamentais do cristianismo... Afirmo que as declarações históricas positivas feitas pelo cristianismo têm o poder, em outros lugares, principalmente em princípios formais, de receber, sem mudanças intrínsecas, a crescente complexidade do significado que o conhecimento crescente coloca neles... Como a matemática, a religião pode crescer de dentro ou decair... Mas, como a matemática, ela permanece simplesmente em si, capaz de ser aplicada a qualquer nova teoria.” (God in the Dock, ed. Walter Hooper, Grand Rapids, Michigan: Eerdmans, 1970, pp.44-47. From “Dogma and the Universe,” The Guardian, March 19, 1943, p.96 / March 26, 1943, pp. 104 ,107)

 

FONTE


 

ARMSTRONG, Dave. William Webster’s Misunderstanding of Development of Doctrine Read. http://www.patheos.com/blogs/davearmstrong/2017/06/william-websters-misunderstanding-development-doctrine.html

 

PARA CITAR

ARMSTRONG, Dave. Refutando alegações contra o desenvolvimento da doutrina. Disponível em < > Desde 11/03/2018. Tradutor: Rafael Rodrigues.

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS