Citações de Calvino aos livros deuterocanônicos: Casos documentados

Deuterocanônicos
Typography

INTRODUÇÃO


É certo que João Calvino (um dos primeiros “reformadores” protestantes) rejeitou alguns livros deuterocanônicos como parte da Sagrada Escritura. Veja, por exemplo: Antídoto ao Concílio de Trento (Sessão Quatro), Institutas da Religião Cristã, Livro I, capítulo 8, secção 10, Livro III, Capítulo 5, Seção 8, e Livro IV, capítulo 9, Seção 14. Seu registro escrito, no entanto, não é sem suas inconsistências quando se trata de determinados livros deuterocanônicos. Tal como o seu companheiro de armas, Martinho Lutero, ele parece ser incapaz de conter-se da auto-contradição com o protestantismo moderno citando os deuterocanônicos como Escrituras. É um estudo fascinante. Vamos examinar um pouco suas obras.

 

CITAÇÕES DE CALVINO AOS DEUTEROCANÔNICOS


 

João Calvino, em três trabalhos diferentes, chama Baruc de profeta, cita o livro que leva seu nome, e o cita como autoritativo:

Você sabe o que a é morte da alma? É ser sem Deus - ser abandonado por Deus, e deixado a si mesmo: se Deus é a sua vida, ela perde a sua vida quando se perde a presença de Deus. O que tem sido dito em geral pode ser mostrado em partes específicas. Se, sem Deus, não há raios para iluminar a nossa noite, certamente a alma, enterrada em sua própria escuridão, é cega. Também é muda, não sendo capaz de confessar a salvação que ela crê para justiça. Ela é surda, não ouvindo a voz viva. É coxa, ou melhor, incapaz de se sustentar, ter ninguém a quem ela possadizer: “Tu seguraste a minha mão direita, e conduziu-me na tua vontade.” Em suma, não executa uma função da vida. Porque assim fala o profeta, quando ele mostraria que a fonte da vida está com Deus, (Baruc 3, 14) – ‘Saiba onde há prudência, onde há virtude, onde há compreensão, onde não há tempo de vida e alimentos, onde há luz para os olhos e paz.’

 

"O que mais você precisa para a morte? Mas, para não parar por aqui, vamos considerar com nós mesmos que vida Cristo nos trouxe, e depois vamos entender o que é a morte de que ele nos resgatou. Somos ensinados tanto pelo Apóstolo, quando ele diz: ‘Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará.’ (Efésios 5, 14). (Psychopannychia, 1536, em Obras seletas de João Calvino: Tratados e Cartas, Vol. 3, Tratados, Parte 3, editado e traduzido por Henry Beveridge, em Grand Rapids, MI:. Livro Baker House, 1983; pp 454-455 [de Tratados, Vol. 3, contendo “Antidoto ao Concílio de Trento”. Edinburgh: Calvin  translantion  Society, 1851]; disponível online)

 

Nos 66 livros da Bíblia que são aceitos pelos protestantes, Baruc nunca é chamado de “profeta” (a menos que eu perdi, eu não pude encontrar qualquer exemplo) Ele é, sim, descrito como o  escriba do profeta Jeremias ou secretário (por exemplo, Jeremias 36:4-8,27,32). Na verdade, quando Jeremias e Baruch são mencionados juntos, o primeiro é descrito como um profeta, mas o último não é:

Jeremias 43, 6 . . . entre eles o profeta Jeremias e Baruc, filho de Néria.


Jeremias 45, 1 Eis a mensagem que o profeta Jeremias enviou a Baruc, filho de Néria, quando este escreveu todos estes oráculos, ditados pelo profeta...

Contudo, Calvino quer chamá-lo de “profeta” e cita seu livro como uma fonte autorizada, ao refutar a falsa doutrina do sono da alma (um erro que Lutero, por sinal, parece ter aceito de alguma forma). Isso não faz sentido se o livro não é considerado como Escritura inspirada. Mas, então, muitas coisas em Calvino, fazem pouco sentido.

Esta visão é claramente confirmada por um discurso que ocorre no Livro de Baruc, ou pelo menos no livro que leva seu nome, - ‘Abri os vossos olhos, e volvei-os sobre nós! Não são os mortos das moradas subterrâneas, cujo sopro se lhes desprendeu das entranhas, que rendem glória ao Senhor, (e louvam) sua justiça’ (Baruch 2,  17) Aqui, sem dúvida, vemos que, sob os nomes de ‘mortos’ estão incluídos aqueles que, aflitos e esmagados por Deus, têm ido em direção a destruição; e que a alma triste, curvada, e fraca, é aquela que, na falha da sua própria força, e não tendo confiança em si mesma, corre para o Senhor, e chama-o, e dele espera de assistência”. (Psychopannychia, ibid, p 484;.. disponível on-line).

Embora não seja claro se é apenas um argumento retórico ou opinião própria de Calvino, ele apela a Baruc como um registro das próprias palavras do profeta Jeremias neste exemplo:

Eles procuram algum apoio de uma passagem na Epístola que se diz ter sido escrito por Jeremias aos israelitas, quando no exílio na Babilônia. (Baruch 6,3.) Como o profeta, ou quem foi o autor da Epístola, lá aconselhou o povo cativo que quando quer vissem os deuses de prata e ouro levados aos ombros dos homens, e a multidão que se reuniam em volta com admiração estúpida, eles não deveriam imitá-los em seu estupor, mas, adorando em seu coração, dizendo: “Tu, ó Senhor, cabe-nos a adorar” então os nossos opositores manter, que quando eles estão presentes nos ritos sacrílegos da época presente, eles levantam seus corações para o Senhor, e refletem que é a Ele sua adoração pertence.Como se o Profeta, quando ele chama a adoração interior do coração, não insinuasse quão perigoso seria gratificar os babilônios, assumindo características expressivas da adoração de imagens. Como cada um vê que seu único objetivo era  exortar seus compatriotas, uma vez que eles não tinham poder para verificar a superstição pública de uma nação sob cujo poder e jugo que estavam vivendo, em particular para manter intacta a sua religião em suas próprias mentes, nossos opositores dignos não tem base nenhuma para trazê-lo para a frente como o patrono de sua idolatria!

Eles poderiam ser induzidos a pesar as suas ações, mesmo no equilíbrio do Profeta, eles facilmente veriam que apelando para ele, eles estariam arruinando sua causa.(On Shunning the Unlawful Rites of the Ungodly, and Preserving the Purity of the Christian Religion, 1537, in Beveridge, ibid., pp. 403-404; Diponível online)

Da mesma forma, nos próprios famosos Institutas, Calvino chama Baruc de profeta e cita o livro com o seu nome.

Pois foi mais verdadeira e piedosamente escrito pelo autor incerto (quem quer que ele pode ter sido), que escreveu o livro que é atribuído ao profeta Baruc, ‘e sim a alma (viva), por mais acabrunhada que esteja de tristeza, aquele que caminha curvado e esfalfado, o olhar desfalecido, e a alma a penar de fome - estes vos rendem glória e louvam a vossa justiça, ó Senhor. Não é em nome dos méritos de nossos pais e reis que vos apresentamos nossa súplica, Senhor, nosso Deus.’, ‘Ouve, ó Senhor, e tem misericórdia, porque tu és misericordioso, e tem piedade de nós, porque pecamos diante de ti" (Baruc 2, 18-19; 3, 2)” (Institutas da Religião Cristã. 1536 edição, Livro III, Capítulo 20, Seção 8:; disponível online [Henry tradução Beveridge de 1845: Edimburgo: Tradução Calvin Sociedade]: ‘Um Exercício de Oração Perpétuo da Fé os benefícios diários derivado dele.’)

No tratamento de Calvino sobre a doutrina da alma, ele cita tanto Siraque (Eclesiástico) quanto a Sabedoria como “escritores sagrados” e “escritores piedosos” que, embora não “canônico”, “deveria ter um pouco de peso”:

Quando ele nos exorta a ‘colocar o homem novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou’, ele mostra claramente que esta imagem é, ou em que ela consiste, como ele também faz quando ele diz: ‘revesti vos do novo homem, que foi criado por Deus em conhecimento e santidade.’ (Efésios 4, 24), Quando compreendermos todas essas coisas, em uma palavra que dizemos, que o homem, no que diz respeito de espírito, foi feito participante da sabedoria, justiça e bondade de Deus.Este modo de expressão foi seguido por dois escritores sagrados. A uma, ao dividir o homem em duas partes - corpo, retirados da terra, e da alma, derivada da imagem de Deus - brevemente compreendido o que Moisés tinha mais plenamente expresso, ‘Deus criou o homem, e fez ele após a sua própria imagem.’ (Eclesiástico 17, 1). O outro, desejando afirmar exegeticamente quanto a imagem de Deus estendida, chamado homem ‘inexterminable’, porque foi criado à imagem de Deus. (Sabedoria 2, 23.) Eu não gostaria de solicitar à autoridade desses escritores fortemente sobre os nossos adversários, eles não alegam contra nós. Ainda assim, eles devem ter algum peso, se não como canônico, pelo menos tão antigos escritores piedosas são fortemente apoiado.(Psychopannychia, ibid, 424;. Disponível on-line).

A versão online absurdamente lista a passagem de Eclesiástico como “Eclesiastes 17, 1”- o problema - além da citação errada em si - é que Eclesiastes tem apenas 12 capítulos, logo a citação não pode ser de Eclesiastes, provavelmente o site quis omitir a citação, ou no melhor dos casos errou ao referenciar o livro.

Calvino também chama o autor de Eclesiástico, ou Sirácida “profeta”:

Quase semelhante a este [Sl 103, 13] é a passagem em Eclesiástico: A duração da vida humana é quando muito cem anos. No dia da eternidade esses breves anos serão contados como uma gota de água do mar, como um grão de areia. É por isso que o Senhor é paciente com os homens, e espalha sobre eles a sua misericórdia.” (Eclesiástico 18, 8-9). Aqui eles devem admitir que o sentimento do profeta era muito diferente; Daquilo que eles sonham, e significa que o Senhor tinha pena daqueles que Ele sabia que esperavam por suamisericórdia sozinhos, e, que, se ele estivesse um pouco para retirar a sua mão, voltariam ao pó de onde elas foram tiradas. Depois disso, ele anexou uma breve descrição da vida humana, comparando-a com uma flor que, apesar de florescer hoje, não será mais nada do que forragem morta amanhã. Teria ele até mesmo declarado que o espírito do homem peresse e chega a nada, ele não teria dado qualquer defesa de seu erro. Pois quando dizemos que o espírito do homem é imortal, não afirmamos que ele pode ficar contra a mão de Deus, ou subsistir sem sua asssitência. Longe de nós a tal blasfêmia! Mas nós dizemos que ele é sustentado por sua mão e bênção.” (Psychopannychia, ibid, pp 477-478;. Disponível online).

A tradução de Beveridge de 1851, estranhamente não menciona essa citação em seu índice geral. Certamente um descuido inocente.

Três parágrafos depois, Calvino cita Sabedoria como tendo algum grau de autoridade para determinar a verdade espiritual:

O quê! eles perguntam, se eles foram cortados da energia de Deus, se eles se afastaram de sua atenção e memória, não deixaram de ser? Como se eu não tivesse em meu poder para réplica. O quê! se tiverem sido cortado da energia de Deus, se ter escapado à sua lembrança, como é que eles vão voltar a ser? E quando será a Ressurreição? Mais uma vez, como é que as coisas concordam? ‘As almas dos justos estão nas mãos de Deus’ (Sabedoria 3, 1) ou, para citar apenas os certos oráculos de Deus, ‘o justo estará em memória eterna.’ (Salmo 112, 6).” (Ibid., pp 478-479; disponível online)

Calvino novamente cita Eclesiástico, mas nega (ao contrário de uma seção anterior) que o escritor era um profeta:

Isso não é deselegante afirma Eclesiástico quando diz, ‘A vida de um homem é o número de seus dias, mas os dias de Israel são inúmeros.’ (Eclesiástico 37, 28)’ Mas como a autoridade desse escritor é duvidosa, vamos deixá-lo, e ouvir um profeta, admiravelmente ensinando a mesma coisa, em suas próprias palavras, (Salmo 102:24)” (Ibid., p 489;. disponível online)

O escritor de Eclesiastico é um profeta, mas em seguida ele diz que não é, e a autoridade de um profeta (o escritor do Salmo 102) é citado contra ele. Em outras palavras, a implicação é que o “profeta” tem autoridade, bíblica inspirada. Mas então Calvino tinha se referido a Baruc como um “profeta” também, em não menos de três obras diferentes, como vimos acima (portanto, sua autoridade, por analogia, deve ser igual ou semelhante ao do escritor Salmo canônico). Assim, não há fim a contradição interna viciosa de Calvino. Pelo menos um exemplo de uma citação dos deuterocanônicos está ausente na tradução de Beveridge ou a partir da versão eletrônica tirada dele (e, portanto, o motor de busca on-line para o mesmo). Pode-se encontrá-lo nas “Referências bíblicas” Index (Vol. II, p 1568.) Da edição de 1960 dos Institutos (editado por John T. McNeill, traduzidos e indexados por Ford Lewis Battles; Philadelphia: Westminster Press). De Livro III, Capítulo 9, Seção 6 (“O conforto preparado para os crentes por aspiração a vida futura”):

Pois diante de seus olhos será aquele dia em que o Senhor irá receber os seus fiéis na paz de seu Reino, ‘enxugará toda lágrima de seus olho’ [Apocalipse 7, 17, cf. Isa. 25, 8], vai vesti-los com ‘um manto de glória.... e alegria.’ [Eclesiástico 6, 31, EV]” (Vol. II, p. 718)

Beveridge tem palavras semelhantes, mas não como uma citação, e nem Beveridge ou a versão on line dá uma citação, para que isso se torne um problema textual de se Calvino estava deliberadamente citando o livro:

Eles voltarão seus olhos para aquele dia em que o Senhor receberá seus servos fiéis, enxugará todas as lágrimas dos seus olhos, [Apocalipse 7, 17, cf. Isa. 25, 8], vesti-los com um manto de glória e alegria, alimentá-los com a doçura inefável de seus prazeres, exaltá-los para compartilhar com ele em sua grandeza; in fine, admiti-los para uma participação na sua felicidade.”(versão on-line).

A passagem deuterocanônica que a edição Battles acredita que Calvino está citando, e faz parte de seu argumento, lê, em sua versão RSV:

Você a revestirá como de uma vestimenta de glória, e a porá sobre ela como uma coroa de júbilo.” (Eclesiástico 6, 31)

Calvino cita o Livro da Sabedoria em seus Institutos, e diz que era recebido com quase consenso universal:

No que diz respeito à origem dos ídolos, a declaração contida no Livro da Sabedoria tem sido recebida com quase universal consentimento isto é que eles se originaram com aqueles que concederam esta honra sobre os mortos, de um respeito supersticioso a sua memória. Admito que esta prática perversa é muito antiga, e eu não nego que ela era uma espécie de tocha pelo qual a propensão apaixonada da humanidade para a idolatria se acendia em um incêndio maior. Eu não, no entanto, admito que era a primeira origem da prática. Que os ídolos estavam em uso antes da prevalência de que a consagração ambiciosa das imagens dos mortos, freqüentemente advertido pelos escritores profanos, é evidente a partir das palavras de Moisés (Gênesis 31:19). Quando ele diz que Raquel roubou imagens de seu pai, ele fala do uso de ídolos como um vício comum. Daí podemos inferir que a mente humana é, por assim dizer, uma forja perpétua de ídolos. Houve uma espécie de renovação do mundo no dilúvio, mas antes de passar muitos anos, os homens já estavam forjando deuses à vontade.(Book I, Chapter 10, Section 8; Disponível online;)

 

Se segundo os protestantes a Sabedoria e outros livros foram adicionados em Trento, por que Calvino após Trento diz que a Sabedoria era recebida com consenso quase universal? Como vemos os protestantes não estão em coerência nem mesmo com seus “pais”.

Conferir também a passagem em referência ao anjo Rafael em Tobias:  Inst., I, 14, 8

 

CONCLUSÃO


Parece-me que os livros deuterocanônicos que são tão rejeitados e criticados pelos protestantes e que supostamente foram adicionados a bíblia católica no concílio de Trento, não eram bem assim para Calvino.

 

BIBLIOGRAFIA


1 - http://www.godrules.net/library/calvin/142calvin_c4.htm

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS