OS DEUTEROCANÔNICOS CONTÉM ERROS FACTUAIS, MORAIS E TEOLÓGICOS?

Deuterocanônicos
Typography

Objeção

Como todos os livros inspirados foram escritos sob a orientação do Espírito Santo, o qual não podem enganar nem ser enganado, Seus escritos inspirados não pode conter erros. No entanto, os deuterocanônicos contém muitos erros históricos e factuais. Por exemplo, o livro de Judite chama Nabucodonosor de rei da Assíria (Judite 1, 7), quando sabemos do Livro de Daniel que ele era o rei dos babilônios (Daniel 4, 4-6). Eles também contêm erros morais, tais como Judite pedindo a Deus por Sua ajuda para enganar seus inimigos (Judite 9, 10-13). Desde que a Escritura é inerrante e os livros disputados certamente contém erros, eles não podem ser contados entre os livros do Antigo Testamento.

Resposta: Alguns podem se surpreender ao descobrir que esta objeção comete a falácia de petição de princípio. Ela não é facilmente detectada, a menos que o leitor esteja familiarizado com o problema em torno da inerrância bíblica. Como o teólogo protestante Harold O.J. Brown explica:

Qualquer leitor das Escrituras, atento, vai se tornar ciente dos problemas no texto, embora muitas aparentes discrepâncias ou erros possíveis desaparecem sob a mente aberta as escrituras. Mesmo depois de um estudo cuidadoso, no entanto, alguns problemas permanecem. O debate sobre a inerrância freqüentemente se resume em escolher entre tolerar alguns problemas como “perguntas não respondidas” ou transferi-los para a categoria de “erros demonstrados”. Muitas vezes, essa decisão reflete a atitude inicial para com as Escrituras e para métodos críticos. Se a Escritura é aceita como a Palavra de Deus, e “o padrão que define o padrão”, alguns serão relutantes em carregá-la com erro - uma vez que para tanto é preciso ter algum outra, talvez superior, norma pela na qual avaliar as Escrituras. Historicamente, a dúvida sobre a inerrância seguinte  é produzida pela convicção de que a Bíblia é meramente um livro humano falível. Por isso, deve-se considerar a possibilidade de que o reconhecimento de um erro na Escritura é uma conseqüência lógica de uma decisão anterior de julgar a Bíblia, em vez de deixar que a Bíblia seja a norma para todos os julgamentos.”[1]

Em outras palavras, a determinação da inspiração deve vir antes de alguém poder afirmar se uma dificuldade é um erro "demonstrado" ou apenas "aparente". A objeção acima faz o oposto. Ele assume no início que os livros deuterocanônicos não são Escritura inspirada e então considera todas as dificuldades como sendo “erros demonstrados”, assim, “provando” que o texto não pode ser inspirado. Mas como o Dr. Brown aponta, a determinação de se uma dificuldade é um erro de verdade ou apenas um erro aparente é uma conseqüência de sua atitude quanto a saber se um texto é de Deus ou do homem. Assim, o opositor comete a falácia lógica de petição de princípio.

Ateus tem um argumento semelhante contra a Bíblia como um todo. Convencidos de que a Bíblia é apenas um produto humano, os ateus argumentam que a presença de “erros” prova que a Bíblia não é a palavra inspirada de Deus. Portanto, a simples presença de dificuldades não pode ser usada para determinar se um determinado livro é inspirado ou não. Esta determinação deve ser feita em primeiro lugar.[2]

O oponente ainda pode dizer: “Mas chamar Nabucodonosor, rei da Assíria é, obviamente, um erro.” É? E se estivermos interpretando mal Judite, então o erro não é com Judite é com nós mesmos. Por exemplo, talvez o autor intencionalmente substituiu o nome de Nabucodonosor por o nome real de propósito (o que quer que seja). Então, o “erro” não existe. Outra possibilidade seria a de que as cópias que temos de Judite foram corrompidas e o original inspirado tinha outro nome. A tradição manuscrita Judite é bastante fraca. Se este fosse o caso, então o erro é com nossas cópias e não com Judite. É possível também que estamos interpretando erroneamente Judite. Talvez Judite não era para ser uma narrativa histórica, mas sim como Martinho Lutero entendeu, para ser uma sagrada alegoria de Cristo e sua Igreja. Se isso for verdade, então o erro está na nossa interpretação e não Judite. Imediatamente, os opositores dos deuterocanônicos iriam responder: “Você está tentando explicar o óbvio! Judite errou.” O católico não está fazendo nada do tipo. Depois de já ter chegado à convicção de que Judite é a Escritura, a Igreja Católica está tentando resolver uma dificuldade entre os textos inspirados. A objeção protestante, sendo convencida de que Judite não é a Escritura, vê isso como um erro indigno de ser harmonizado.

Se o opositor é tenaz, ele pode pressionar o católico a chegar a um exemplo paralelo na Escritura protocanônica. Claro, nenhum exemplo irá satisfazer o opositor protestante pois um único exemplo comparável nos protocanônicos seria um erro real (já que ele acredita Judite contém erros). Um católico que tentar fornecer um exemplo estaria atirando com as mesmas munições dos ateus contra o Novo Testamento.

Em vez de dar um exemplo de “paralelo”, vou contar uma pequena história sobre um jovem que conheci na Internet. Uma vez que ele era um “crente na Bíblia” cristão até que viu um “erro evidente” em Mateus 1, 17. Mateus escreveu que havia 14 gerações de Abraão à Davi, Davi até o Exílio e do exílio até Cristo. O Ateu alegou que houve apenas 13 gerações listadas por Mateus entre o exílio e Jesus. Expliquei-lhe as várias maneiras que poderiam resolver esta dificuldade, mas ele continuou repetindo, “Você não pode negar! É tão óbvio. Existem apenas 13 gerações! Mateus cometeu um erro!”. Para mim, as resoluções oferecidas eram mais que suficientes para resolver esta dificuldade, porque eu já cheguei à convicção de que Mateus está inspirado. Para o ateu, minhas explicações eram uma tentativa inútil de conciliar o inconciliável. O que realmente precisava ser discutido é se Mateus é inspirado e não se existem erros em Mateus. O mesmo é verdadeiro para as acusações feitas contra o deuterocanônicos.

Como nota final, a minha convicção sobre a inerrância bíblica não é baseado em minha destreza intelectual para resolver as dificuldades. Minha convicção repousa sobre aquele que inspirou o texto. Para dizer que eu posso determinar o que é e não é inspirado com base em minha avaliação do texto é colocar o intelecto acima da palavra de Deus. O que precisa ocorrer é que uma vez que meu intelecto está convencido de que um livro é inspirado a questão da presença de erros já foi decidida no negativo.

Objeção

Os deuterocanônicos devem ser rejeitados porque contêm erros teológicos tais como a crença na oração pelos mortos (II Macabeus 12, 43-45) e fazer boas obras para a expiação de pecados (Tobias 12, 9).

Resposta: Esta objeção também levanta a questão. Se alguém perguntar a um protestante qual é a última fonte de autoridade para a doutrina cristã? Ele ou ela não terá dúvidas de falar: “As Escrituras!”[3] Se, no entanto, a Escritura determina a doutrina, como pode a doutrina ser usada para determinar o que é Escritura? A única maneira de fazer este argumento trabalhar é pressupor um conjunto de doutrinas e rejeitar aqueles livros que não concordam com elas. Isto, obviamente, não é honesto. Seria como se uma pessoa concordou em ter um caso ouvido pelo Supremo Tribunal, mas de primeira jogaria fora qualquer juiz que decidisse contra o caso. Nesse ponto, o tribunal não seria mais um árbitro e o julgamento não seria mais um julgamento.

Infelizmente, não poucos grupos tentaram ajustar o cânon das Escrituras para atender suas crenças pré-concebidas, e por isso eles têm a sua teologia acima da Palavra de Deus. Por exemplo, os gnósticos acreditavam que Nosso Senhor entregou na revelação especial que devia ser ensinada apenas para os iniciados. Assim, além das Escrituras canônicas, os gnósticos também aceitaram outros escritos que apoiaram suas crenças estranhas. No segundo século, um homem chamado Marcião formou uma seita (ou subgrupo) dos gnósticos e argumentou que havia dois deuses: o deus do mal do Antigo Testamento que criou o universo material e o bom Deus do Novo Testamento que criou o universo espiritual. O marcionitas aprovaram as cartas de São Paulo, que pareciam ser muito contra o sistema religioso do Antigo Testamento e rejeitaram os Evangelhos de Mateus, Marcos e João, porque eles pareciam ter uma visão positiva do Judaísmo. Outro grupo chamado ebionitas eram judeus cristãos que acreditavam que a circuncisão e a prática da Lei judaica era obrigatória para todos os cristãos. Eles rejeitaram os escritos de São Paulo enquanto aceitavam apenas o Evangelho de Mateus (e talvez também o apócrifo Evangelho aos Hebreus).[4] Em todos estes casos, o ponto de vista teológico preconcebido foi utilizado para determinar o tamanho da Bíblia de cada grupo. Algo semelhante está acontecendo aqui com o protestantismo e suas objeções.

Algo semelhante era divulgado durante a Reforma. Bruce M. Metzger sugere que os protestantes foram primeiramente levados a rejeitar os livros disputados porque eles ensinavam a doutrina católica:

O objetivo central dos reformadores protestantes foi a análise e correção das atuais práticas eclesiásticas e doutrinas à luz da Bíblia. Nas controvérsias que surgiram logo perceberam a necessidade de ter a certeza de quais eram os livros de autoridade para o estabelecimento de doutrina e quais não eram. Parece que Lutero foi levado a menosprezar os livros apócrifos, quando seus adversários apelaram para passagens neles como prova para as doutrinas do Purgatório e da eficácia das orações e missas pelos mortos (II Mac. 12, 43-45). Da mesma forma, a ênfase que certos livros apócrifos deram sobre o mérito adquirido através de boas obras (Tobias 12, 9; Eclo 3, 30;. II Esdras 8, 33; 13, 46, etc) era naturalmente desagradável para ele.”[5]

Metzger ilustra quão fundamental a questão do cânon realmente é. Se II Macabeus e os outros livros são divinamente inspirados (e, portanto, escritura canônica), em seguida, o seu ensino é doutrina bíblica e é para ser acreditado por todos os cristãos. Se, por outro lado, elas não são Escritura, eles são apenas como autorizados como qualquer escrito humana. Foi porque os livros disputados foram usados para se opor à doutrina da Sola Fide que os protestantes foram pela primeira vez levados a depreciar certos livros da Escritura.

Tal como a primeira objeção, a questão não é se os deuterocanonicos são teologicamente errados, mas se esses livros são Escritura inspirada ou não. Caso contrário, as próprias crenças teológicas pessoais determinam quais são as Escrituras inspiradas e não o contrário.

© 2004 por Gary Michuta.Todos os direitos reservados. Este material possui direitos autorais. Nenhuma cópia, distribuição ou reprodução (eletrônico ou não) é permitida sem a autorização expressa do proprietário dos direitos autorais.

 

[1] Harold O. J. Brown, The Origin of the Bible, ed, Philip Wesley Comfort, (Wheaton Illinois: Tyndale House Publishers, Inc., 1992), 44-45 (emphasis mine)

[2] “Reuss, que era um distinto membro da “Igreja Reformada”, não disfarça a sua desaprovação do método suicida, assim, empregado... Ele dá uma série de exemplos de argumentos pueris e infelizes oferecidos por esses campeões perigosos, em que se esquecem de como os supostos absurdos nos livros deuterocanônicos podem ser tão facilmente compensados a partir dos que eles aceitam como canônicos “. Citando Ruess Howorth continua, “a zomba jogada no pequeno peixe de Tobias, mais cedo ou mais tarde destruiria a baleia de Jonas”( Howorth, “The Bible Canon Among The Later Reformers,” JTS 10 (Jan. 1909) 222-223). Dado o atual estado das coisas em determinados trimestres de estudos bíblicos críticos, as palavras de Ruess parecem ser nada menos do que proféticas.”

[3] Sola Scriptura – “ somente a escritura”  em latim Há uma série de crenças que estão sob a égide da Sola Scriptura. Em geral, a doutrina ensina que a Bíblia é a fonte única e exclusiva de verdade infalível para o cristão.

[4] Veja Panarion  de Epifânio, 95

[5] Bruce M. Metzger, The Introduction to the Apocrypha (New York: Oxford University Press, 1957), 181

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS