A “GRANDE SINAGOGA DE ESDRAS”

Deuterocanônicos
Typography

BARAITHA BABA BATHRA 14A - 15A”

 

A “Grande Sinagoga de Esdras” é uma teoria extraída de um texto encontrado no Talmude babilônico chamado Baraitha Baba Bathra. A datação deste texto é incerta, mas provavelmente foi escrito em algum momento do século II d.C[1]. A nomeação Baraitha é, “um termo aramaico, que significa literalmente, ‘externo’, ‘fora’, que denota as tradições do Tannaim, ou seja, as autoridades sobre Lei Oral do tempo das escolas de Hillel e de Shammai até o de Judá ha-Nasi (cerca de 50 a.C - 200 d.C) não incluídos no Mishna de Judá ha-Nasi, mas reunidos em uma coletânea separada”. Em outras palavras, é a gravação de uma tradição oral judaica que não é encontrado no Mishá judáico. Baba Bathra relata:

 

Quem escreveu os Livros Sagrados? Moisés escreveu seu livro, a seção sobre Bileam e Jó. Jehoshua escreveu seu livro e oito versículos da lei. Samuel escreveu seu livro, o livro de Juízes e Rute. David escreveu o livro dos Salmos, por meio de dez Anciãos, Adão, o primeiro, Melquisedeque, Abraão, Moisés, Hemã, Iduthun, Asafe e os três filhos de Coré. Jeremias escreveu seus livros, o Livro dos Reis e das Lamentações. Ezequias e seus colegas escreveram Isaías, Provérbios, Cântico dos Cânticos, e Eclesiastes. Os homens da Grande Sinagoga escreveram Ezequiel, os Doze Profetas, Daniel, e o volume de Ester. Esdras escreveu seu livro, e continuou as genealogias das Crônicas até seu tempo.” (Baraitha Baba Bathra 14a - 15a)[2]

Objeção

 

“Esdras e os “homens da Grande Sinagoga” promulgaram um cânone oficial do Antigo Testamento, que é idêntico ao cânon menor protestante. Portanto, os protestantes têm uma autoridade divina designada que decretou quais os livros estão no cânon do Antigo Testamento.”

 

Resposta: A teoria de que os “homens da Grande Sinagoga” definiram o cânon das Escrituras originou-se com um escritor judeu chamado Elias Levita, em seu livro em 1538, Levita argumentou que Esdras e a Sinagoga produziram um texto corrigido consonontalmente as Escrituras Hebraicas e fixando o cânone. A Teoria de Levita se tornou bastante popular no século XVI, especialmente entre os protestantes “reformados”. Esta teoria caiu como uma luva para os protestantes que desejavam ancorar o seu cânone arbitrário em uma autoridade “divina”. Então Os “Homens da Grande Sinagoga” serviram perfeitamente.

Atualmente, esta teoria não é mais sustentada por ninguém. As atividades registradas no Baba Bathra são encontradas somente nele e desprovida de qualquer outra testemunha que corrobore. Se os Homens da Grande Sinagoga fecharam e fixaram do cânon hebraico, é estranho que os autores do Livro de Esdras, Neemias e Macabeus não fazem nenhuma menção a isto. No entanto, estes livros registram várias coisas sobre Esdras que são bem menos importantes do que a definição do cânon bíblico do Antigo Testamento, e se calaram para esta tão importante declaração do Baba Bathra. Também as obras de Filo de Alexandria, Josefo e o Novo Testamento não registraram absolutamente nada. Nenhum rabino apelou ou usou este argumento durante os debates sobre a canonicidade dos livros durante os primeiros séculos de cristianismo. McDonald acredita que esse silêncio indica que os rabinos originalmente não aceitaram essa história dando-lhe o status de ser “de fora” da Mishá

No entanto, Baba Bathra é uma das primeiras listas do cânon do Antigo Testamento existente, e, embora seja essencialmente idêntico ao texto hebraico (MT - Texto Massorético), é diferente na ordenação dos livros e como ela os divide em seções. Ao que tudo indica a Grande Sinagoga era " apenas uma invenção dos escribas, que estavam ansiosos para ligar as instituições e práticas do judaísmo com a legislação de Moisés e com a tradição profética.." Em outras palavras, a Grande Sinagoga foi apenas uma tentativa de volta o judaísmo rabínico do tempo de Esdras. Ao fazer isso, os rabinos esperavam para dar a sua própria instituição, uma espécie de legitimidade profética. Hoje, os estudiosos (católicos, protestantes e judeus) rejeitam essa teoria.

© 2004 por Gary Michuta. Todos os direitos reservados. Este material possui direitos autorais. Nenhuma cópia, distribuição ou reprodução (eletrônico ou não) é permitida sem a autorização expressa do proprietário dos direitos autorais.

 

[1] Strack coloca a conclusão do Talmude Babilônico durante o final do século V a meados do século VI (Hermann L. Strack, Introdução ao Talmud e Midrash, 5 ª ed, (Filadélfia:. Sociedade de Publicação Judaica da América, 1931), 71) . Arthur Jeffrey acredita que a tradição contida no Baba Baraitha Bathra pode ter se originado antes de 180 dC (Arthur Jeffrey, "O Canon do Antigo Testamento", na Bíblia do intérprete, editado George A. Buttrick (Nova Iorque, Nashville: Abingdon-Cokesbury Press, 1962), 1,42). Beckwith defende pré-70 dC, (Beckwith, 153); Childs coloca até 200 d.C (Teologia Bíblica, 58), Cornélio Hagerty coloca entre 136-217 AD (a autenticidade das Escrituras Sagradas, (Houston, Texas: Lumen Christi Press, 1969), 112, Steinmueller argumenta que ela foi escrita depois do segundo século, mas que reflete uma tradição anterior (Companion para Estudos das Escrituras, 1,58-59). Cox, 24

[2]Como citado por Breen, 46

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS