A correta interpretação do Decreto contra o Comunismo

Ateísmo
Typography

Traduzido a partir do L'Osservatore Romano, 27 de Julho de 1949

 

É supérfluo absolver um documento de cada motivação política, quando os seus objetivos religiosos são definidos repetida e claramente fora deles. Algumas ações são proibidas porque ofendem diretamente a religião e favorecem movimentos anti-religiosos. A excomunhão com que aqueles que professam a doutrina materialista e anti-cristã são punidos não é inspirada por políticas, é óbvio para quem está familiarizado com questões religiosas.

O Decreto pode ser dividido em duas partes. Na primeira parte, trata-se de ações que são proibidas por conta da contribuição direta e indireta que elas fazem com a doutrina ou ação anti-religiosa, mesmo que a pessoa que os apoia não professe esta doutrina. Qualquer pessoa agindo com pleno conhecimento e de seu próprio livre-arbítrio torna-se indigno de receber os Sacramentos. A segunda parte trata com aqueles que professam, e acima de tudo com aqueles que defendem e espalham, a doutrina materialista e anti-religiosa do comunismo. Sem mais delongas eles estão excomungados.

Podemos afirmar então que nos países da Europa Ocidental a primeira parte é mais importante do que a segunda. Na Itália, na Bélgica, na França e assim por diante, há muitos católicos que, enganados pelas promessas de líderes comunistas, ou seduzidos pelo desejo de reformas sociais, favorecem o comunismo sem a adoção de sua doutrina fundamental. Estes, por isso, não incorrem em excomunhão. Mas a Santa Sé confronta-os com sua grave responsabilidade pelo apoio dado por eles aos inimigos obstinados da religião cristã, e com o perigo de envenenar suas próprias mentes com as idéias falsas continuamente espalhadas pela imprensa comunista.

Não é lícito emprestar o próprio nome para partidos comunistas ou para favorecê-los.

Como os comunistas podem ser divididos em vários partidos (pensemos da Yugoslávia), falamos de “partidos” no plural. A estes devem ser adicionados, em seguida, os movimentos que são organizadas diretamente pelo comunismo; por exemplo, o Movimento da Juventude Comunista, os Sindicatos comunistas propriamente ditos, e assim por diante. Quem matricula a si próprio nesses movimentos é culpado de uma ação ilícita. As razões são apresentadas na resposta à primeira pergunta.

Comunismo, como existe hoje, como é apresentado pela doutrina de Karl Marx e Engels, e como se propaga pelo bolchevismo, é materialista e anti-cristão. Foram feitas tentativas para separar os princípios sociais e econômicos do comunismo, do seu sistema doutrinal anti-religioso, mas eles falharam. O que quer que alguns adeptos intelectuais do comunismo possam dizer, este último é e continua a ser fundamentalmente materialista. Por razões de propaganda, como Lenin explicitamente aconselha, líderes comunistas, por vezes, afirmam que eles não são adversários da religião. Mas esta afirmação deles é refutada pelos fatos inegáveis. Onde quer que o comunismo está no poder, mais cedo ou mais tarde, a Igreja Católica é privada dos seus direitos inalienáveis e é submetida a perseguição violenta. Consequentemente, a ação dos comunistas é materialista e anti-cristã até quando a questão é doutrina. O decreto visa abrir os olhos daqueles católicos que se deixam enganar pelas falsas palavras dos propagandistas do comunismo. Os fatos falam muito mais alto do que as palavras.

A segunda resposta também estabeleceu que o Cânon 1399 do Código de Direito Canônico[1], como também é entendido do Canon 1384, declarava como proibido ipso jure livros de direito comuns que defendem heresia e cisma, e que tentam destruir de qualquer forma as bases da religião, sem que haja necessidade de um decreto especial. Agora, a doutrina comunista materialista nega as próprias bases da religião - a existência de um Deus pessoal, a espiritualidade da alma, a sua imortalidade, e assim por diante.

“Livros”, lê-se o Cânon 1399, “que deliberadamente atacam a religião ou os bons costumes....” “Os livros que atacam ou ridicularizam qualquer dogma católico, que defendem os erros condenados pela Santa Sé, que zombam do culto católico, que tentam subverter a doutrina eclesiástica, que intencionalmente desacreditam e insultam a hierarquia eclesiástica, o estado clerical ou religioso...” “Livros que declaram divórcio como legal....” Parece-nos que é suficiente, então, declarar que “É ilegal publicar, distribuir ou ler livros, revistas e folhetos que defendem a doutrina e as atividades dos comunistas”, por isso parece muito bem descrito pelos cânones citados. O texto continua: “Ou escrever neles....” Estas palavras são claras, e não há necessidade de minimizar ou esconder a sua importância. Quem escreve em um jornal Comunista, mesmo que seja uma questão de teatro, notíciário literário ou desportivo, “escreve" sempre nos documentos listados, “colabora escrevendo neles”, coloca o seu talento, a sua reputação a serviço do partido . E isso não é legal.

Mas – dizem muitos - Eu só leio o jornal comunista para ver o que ele diz, para saber todas as opiniões: Não tenho nenhum desejo qualquer que seja a professar o materialismo. Por que proibir os adultos para formar suas próprias opiniões políticas e sociais? Nós respondemos brevemente.

É um fato que a leitura contínua desses escritos, mais cedo ou mais tarde traz confusão para as mentes das pessoas inexperientes, que estão sem educação adequada, envenena a mente, coloca sua fé em grande perigo, e é para muitos a causa de deixar a Igreja e abandonar a prática religiosa. No que diz respeito de tudo mais, aqueles dos fiéis que têm motivos justificados para a leitura de tais documentos, por exemplo, para confundi-los ou por conta de suas necessidade -  são capaz de obter a autorização necessária da Autoridade Eclesiástica competente. Por uma questão de fato, os bispos foram autorizados a dar essas autorizações, mas apenas para aqueles que têm necessidade real e com as condições e advertências habituais.

A terceira resposta é também facilmente compreendida. Ela lida com a recusa do Sacramento para aqueles que “com conhecimento de causa” são culpados das ações acima mencionadas. Aqueles que desejam manter-se membros de um movimento comunista, aquele que favorece o comunismo, aquele que coloca a sua própria fé em perigo através da leitura da imprensa comunista, aquele que financia esta imprensa, não pode pedir para ser admitido aos sacramentos. A Igreja, que deve ser vigilante sobre a participação adequada nos Sacramentos, se vê obrigada a recusar-lhes a quem prova-se indigno. Mas ela sabe muito bem que existem alguns fiéis que, contra a sua própria vontade, pela moral e às vezes até pela força física, são obrigados a inscrever-se em um partido comunista. Nesse caso, o sacerdote deve ser o juiz das circunstâncias em que o penitente foi obrigado a aceitar o cartão de um partido que ele abomina e condena em seu próprio coração.

Não há dúvida de que a propaganda comunista foi capaz de enganar um grande número de fiéis, que acreditam até hoje que o comunismo não é anti-religioso, ou que possa ser apoiado por razões sociais e políticas. Mas, depois da solene advertência dada pelo presente decreto não vai ser fácil para eles permanecer em tal “boa-fé”. Os fiéis devem ser claramente informados de que eles devem buscar a verdade sobre este ponto não em papéis do partido, mas no ensino claro da Igreja. Aqui podemos deixar de lado a quarta parte da resposta, após o que dissemos no início deste artigo.

A questão é muito grave. Os fiéis que professam a doutrina materialista e anti-cristã dos comunistas, e, especialmente, aqueles que defendem e espalham-a, estão ipso facto incorrendo dessa excomunhão, que é especialmente reservada à Santa Sé. O materialismo nega a existência de um Deus pessoal, a espiritualidade da alma, a liberdade da vontade, e cada recompensa ou punição na vida após a morte. Todo aquele que professa tal doutrina somente por esse fato “rompe com a fé e comunidade cristã”. Ele é, portanto, um apóstata (cânone 1325, par. 2). Agora, o apóstata é ipso facto passível de excomunhão, quando ele manifesta tal apostasia, como alguém que professa materialismo faz, e por uma razão mais forte quem quer que defenda-a ou espalha-a.

A resposta é absolutamente clara. Portanto, o decreto não dá qualquer razão especial para isso. Por outro lado, é facilmente visto porque nós temos dito que esta quarta resposta é muito menos importante do que a primeira em nossos países. Muitos católicos apóiam o comunismo com seus votos nas eleições, com o seu dinheiro dado à imprensa comunista, com o seu apoio nas discussões sociais ou políticas, sem querer por isso aderir ao materialismo Comunista e a doutrina anti-cristã. Portanto estes não caem sob a ameaça de excomunhão. No entanto, a Igreja teve que seriamente avisar a estes fiéis do grave mal que cometem pelo apoio direto e indireto que eles dão para os partidos comunistas quase todos os dias, isto é, para os inimigos de Deus, de Nosso Senhor Jesus Cristo, e da Igreja Católica.

 

Nota do Editor:

[1] Todos os cânones são do CDC de 1917.

 

FONTE


L'Osservatore Romano, 27 de Julho de 1949. The Tablet, 6 de Agosto de 1949 <http://archive.thetablet.co.uk/article/6th-august-1949/7/the-decree-of-the-holy-office-against-communism>

 

PARA CITAR


L'Osservatore Romano. A correta interpretação do Decreto contra o Comunismo <http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/ateismo/790-a-correta-interpretacao-do-decreto-contra-o-comunismo> Desde 24/04/2015. Tradutor: Rafael Rodrigues.

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS